Mulheres em movimento no mundo

Tenho observado várias violências cotidianas. Do discurso inflamado dos masculinistas, das organizações religiosas contra os direitos das mulheres, das piadas sexistas de cada dia postadas no Facebook, das propagandas que se espalham na mídia disseminando o preconceito e reforçando estereótipos. Penso, que por mais que seja desanimador responder as mesmas questões estoicamente e repetidamente, precisamos nos posicionar contra as afrontas. Essas ondas de oposição e violência só acontecem porque as mulheres estão em movimento. Lutando, reivindicando, revidando e se posicionando contra o status quo machista patriarcal.

Imagem compartilhada no facebook

Mulheres que não se conformam, nem se sujeitam ao que a sociedade machista espera que elas sejam e façam, essas mulheres se engajam e lutam. Mulheres no mundo todo estão lutando pelo direito de ser o que quiserem, ocuparem os lugares que desejam e de fazerem com suas vidas e corpos aquilo que bem entendem. Mulheres estão lutando pelos seus direitos como indivíduos e também lutando e reinvidicando os direitos de suas comunidades.

Na Espanha, os legisladores estão tentando tirar das mulheres o direito ao aborto. Nos Estados Unidos a mesma coisa acontece: pílula do dia seguinte escassa ou vendida só com prescrição médica, o direitos do nascituro sendo tema de medidas provisórias e emendas na Constituição.  Leis são lançadas para restringir o direito ao aborto adquirido há 40 anos atrás. As mulheres revidam lançando leis que dão aos legisladores do corpo alheio um pouco do seu remédio.

Legisladores do corpo alheio estão espalhados pelo mundo. No Brasil a luta pela legalização do aborto é bandeira antiga do movimento feminista, luta que venceu uma batalha importante despenalizando o a interrupção da gravidez em casos de anencefalia, essa batalha foi ganha pois mulheres a colocaram em pauta. Em Honduras, na Espanha, nos Estados Unidos e no Canadá esse direito da mulher está sob ameaça.

Nós, feministas, lutamos por fácil acesso a métodos contraceptivos, pela educação e informação sobre sexualidade. Lutamos pela equidade de salários para os mesmos postos independente do gênero. Lutamos pelo fim de preconceito de gênero. Lutamos pela implicação do homem na criação e cuidados das crianças e idosos. Lutamos por licença partilhada para homens e mulheres que tem filhos recém-nascidos. Lutamos por creches onde pessoas possam deixar seus filhos para poderem trabalhar. Lutamos pelo fim da divisão sexual do trabalho. Lutamos pelo direito da mulher escolher se quer ser mãe ou não. Lutamos acima de tudo pela autonomia da mulher e por seus direitos.

Foto de Marcel Maia no Flickr em CC, alguns direitos reservados.

Os direitos das mulheres a seu próprio corpo e a decisão sobre os rumos de suas vidas vão sendo espertamente varridos para debaixo de tapetes ao redor de todo o mundo, como uma luta menor e sem importância. Mas as mulheres lutam, lutamos pois sabemos a importância que a autonomia da mulher como indivíduo é crucial. Seja postando na internet ou marchando pelo direito a suas terras, forçando o Estado a respeitar os tratados que por força do capital são sumariamente esquecidos. Seja no Quebec, nos Estados Unidos ou no Brasil as mulheres estão ocupando os espaços na internet para dar voz as nossas reinvindicações e também  nas ruas, se manifestando.

Lutamos juntas! Margaridas, indígenas, vadias, negras, lésbicas, transexuais, feministas. Todas! Lutando contra o machismo que nos diminui e que quer nos tirar a voz. Desde a piada inocente postada no Facebook à fala do do radialista mais influente nos Estados Unidos, chamando de vadia quem defende a contracepção e o aborto. Todos querem nos calar degradando o caráter das mulheres que ousam ter e reivindicar suas vidas sexuais, livres do conservadorismo e moralismo que incrivelmente só atingem à genitália feminina. Valorando mulheres por suas roupas, suas escolhas e comportamento sexual. Nunca escutei ninguém refreando a sexualidade masculina, xingando homens por suas conquistas sexuais, ou pelos shorts que usam.  A diferença já começa no discurso: homens tem conquistas sexuais, mulheres são promíscuas.

No Brasil, ainda há muito pelo que lutar, há muito o que fazer, embora muitos não percebam ou escolham não se importar. Não é porque a sociedade é machista que temos que nos conformar em ouvir piadas que degradam a dignidade de mulheres, fingindo que isso não nos atinge. Não é porque a sociedade é machista que vamos ver publicidade que nos idiotiza e submete ao suposto poder econômico de homens, que vamos desviar nossos olhos, afinal não somos assim e essa não é só mais uma piada tola. Não é por que a sociedade é machista e heteronormativa que vamos crer que a finalidade última da vida das mulheres é o casamento, a reprodução e a função de cuidadora.

Temos escolhas e mesmo que as façamos sem refletir estamos escolhendo. Escolhemos abrir ou fechar nossos olhos . Decidiremos por nós mesmas ou deixaremos que outros nos tutelem e decidam por nós, o nosso futuro. Eu sou feminista, eu escolho decidir.

Liliane Gusmão

Feminista, sim eu sou!

More Posts - Website - Twitter

About Liliane Gusmão

Feminista, sim eu sou!

30 thoughts on “Mulheres em movimento no mundo

  1. Sabe, eu tenho muito medo dessa onda de conservadorismo. Tenho muito medo de perder os poucos direitos que temos, principalmente em se tratando do controle da nossa fertilidade. Sem o controle da nossos corpos ficamos a mercê da nossa biologia. E isso é tudo o que esses fundamentalistas precisam para nos varrer para debaixo do tapete!
    Acredito que em lugar nenhum do mundo a guerra contra o machismo está ganha! E se nos distraírmos um tiquinho só perderemos o que conquistamos com tanta luta!!!!

    • Fran,
      Também tenho medo, e concordo com voce os direitos das mulheres estão ameaçados em toda parte! Mas o medo não pode nos paralizar é preciso seguir lutando e ficar atenta sempre!

  2. Texto incrível. Sou homem, mas também estou na militância pela igualdade entre homens e mulheres. E que o feminismo continue proporcionando avanços sociais sempre!

    • Obrigada José!
      Tomara que cada vez mais homem se impliquem nessa luta que não é só nossa. O machismo também afeta os homens!

  3. Liliane,

    É como você diz no fim, as mulheres tem direito de fazer suas escolhas, o feminismo também luta por isso, aliás não só as mulheres, todos nós, e por isso mesmo que temos que respeitar as escolhas diferentes dos outros mesmo que agente não concorde. A mulheres que querem viver numa vida patriarcal de antigamente mas qual o problema? É a escolha dela ela tem direito de fazer essa escolha e se ela tem o homem também tem o direito de fazer essa escolha, o que ele e ela não pode fazer é querer forçar ninguém a fazer isso, pode até querer tentar influenciar que é normal do ser humano mas não forçar. Os dois mulher e homem teriam que concordar sobre a vida que vão ter no casamento, sendo honestos e sinceros e antes colocando as cartas na mesa, ambos concordando, qual o problema? Eles não tem o direito de querer forçar ninguém a viver do jeito deles mas tem direito de querer viver do jeito que quiserem. Da mesma forma TODOS NÓS temos nossa filosofia de vida, nossos valores e pensamentos sobre tudo. Inclusive “critérios” para escolher um namorado, amiga, tudo de acordo com o nosso estilo e isso não é nada de anormal nem descriminatório pejorativamente. Claro que não podemos usar desses nossos “critérios” para julgar caráter de ninguém, nem denegrir a imagem ninguém, nem humilhar e por ai vai. Sobre uma questão específica citada no texto quanto a sexualidade. Esses princípios de moral que diferenciam a genitália feminina da masculina, são deturpados por sexistas, eu por exemplo sou evangélico e penso da mesma forma como no sexo tanto com relação aos homens quanto as mulheres, meus valores não tem gênero, seja com relação a sexo fora do casamento, a virgindade, PRAZER e etc. E qual o problema de ser moralista? Para o Dicionário Aurélio, a moral é conceituada como um conjunto de regras de
    conduta, consideradas como válidas, quer de modo absoluto para qualquer tempo ou lugar,
    quer para grupo ou pessoa determinada. Qual o problema nisso? Em ter valores, todos nos temos, podem ser diferentes claro, mas nos temos e temos direito de propaga-lo, divulgá-lo só não podemos ser intolerantes com os que pensam diferente, é normal haver discordância mas isso não significa, preconceito, briga e etc. Eu tenho minha filosofia de vida, meus valores, e tenho direito de ter-los assim como vocês que pensam diferente de mim em várias coisas quanto a isso, também tem direito de ter a sua filosofia de vida, seus valores e propaga-los como fazem, só não podemos ser intolerantes com os outros só por serem diferentes de nós.

    Abraços.

    • Manuel,
      Ser moralista não é um problema a não ser que a pessoa queira tutelar as escolhas de outras pessoas a partir da sua moral!

      • Como eu disse, não se pode forçar ninguém a nada. Realmente essa questão que a Bia levantou é muito verdadeira, o homem não pode “negar fogo”, como se ele anatomicamente vivesse com ereção e não tivesse problemas biológicos e psicológicos como as mulheres, não pode dizer um não para uma mulher pois isso “não é coisa de homem”, como se ele não pudesse ter vontade ou não, nem gosto, nem ser seletivo. Sem falar na pressão que à sobre o homem quanto a sua performance sexual muitas vezes só justamente prejudicando a própria. Nossa é muito chato esse tipo de coisa e sempre estar a nos rondar, nos medir, nos testar, nos questionar e muitas vezes acaba nos refreando0 muito também pois o medo de ser um “fracasso” na cama por exemplo, muito nos poda e nos deixa inseguros, principalmente para nos homens que nos importamos sim com o prazer da mulher.

        Abraço.

        • Manuel,
          Eu comecei o texto falando que as mulheres que se indignam lutam. O feminismo não quer forçar ninguém a nada. O feminismo busca dar as mulheres o direito de escolher. Quem se indigna luta quem não se indigna tem também a chance de escolher, pois o direito de escolha é para todas. Não sei que parte do meu texto te deu a impressão que queremos impor algo às mulheres. Queremos sim acabar com as demasiadas imposições que existem sobre nós, para que cada mulher possa escolher viver como deseje.
          O feminismo luta contra padronizações que as mulheres sofrem dentro da sociedade. Se voce se sente oprimido pelo machismo sugiro voce a se engajar numa luta pelo fim do que te aflige. Encontre pessoas que tenham questionamentos similares aos seus e exponham suas frustrações, e desejos para construir uma sociedade melhor.

          • Perfeito, sobre a imposição a mulher ou o homem também, eu só atentei para algo que não pode acontecer. Vejo muitas pseudo-feministas criticando de maneira muito agressiva mulheres que optam e/ou pensam diferente delas, muitas vezes até questionando sua felicidade em ser, viver ou pensar daquele jeito o que é um absurdo, sei que não é o seu caso, eu só fiz uma simples ressalva.

            Abraço.

    • O feminismo não se opõe a quem queira viver de forma patriarcal, ele se opõe que isso seja uma regra imposta a todo@s.

  4. Liliane, muito bom o texto!

    Só tenho uma questão, quando se trata de sexualidade, os homens também são cobrados pelo machismo. A sexualidade pode não ser refreada, mas o fracasso está muito ligado ao sucesso viril do homem. Fora que sua sexualidade é questionada o tempo inteiro, de maneira negativa, como se “parecer gay” fosse algo que torna um homem menos homem. É uma pena que eles não tenham liberdade plena para usar coisas consideradas femininas como maquiagem e vestido. Mas entendo que o texto foca especificamente na questão das mulheres ;-)

    • Reli o texto Bia e realmente do jeito que escrevi parece que os homens não são questionados nunca sobre sua sexualidade. O que não é de maneira nenhuma verdade. E na verdade não falei disso por que esses questionamentos e cobranças que afligem os homens também são fruto da opressão machista para homens, e no meu texto trato da opressão às mulheres, como voce bem percebeu.

      É a sociedade machista que entende que homens tem que ser viris, é numa sociedade machista heteronormativa que homosexualidade é tido como desvio e marginalizada. Por isso é muitas vezes entedida como xingamento por pessoas machistas. A sociedade machista é que padroniza os corpos e comportamentos de homens e mulheres.

      Concordo com voce, os homens sofrem com a repressão a sexualidade, mas ela não é refreada, ela é super estimulada e por isso a idéia de fracasso que alguns homens tem ao não atingir os padrões da sociedade. Mas de maneira geral, eles nesse ponto, são livres para, segundo suas crenças, fazerem quanto sexo quiserem e nunca, jamais ninguém vai desqualificar seu caráter ou desrespeitá-lo com base no números de parceir@s que tem, ou do comprimento/tipo da roupa que usa a não ser para aqueles que entendem o homosexualidade como ofensa.
      E ainda acho que já está em tempo de todos os homens começarem a questionar os seus códigos de vestimentas, taí o Laerte fazendo isso magistralmente. Acho que em matéria de exemplo nada melhor do que ele na realidade atual do país. Um homem que se libertou totalmente das conveções do machismo.

      • Vou repetir aqui o que te disse no FB, porque acredito mesmo que temos que ocupar todos os lugares, para militar e para elogiar a militância: Quero fazer um agradecimento público a você por esse texto publicado hoje no BF, que ajuda a compreender mais e mais um pouco do que defendemos. Parabéns, Lili. Seu texto está preciso e objetivo, com muito do que eu quero sempre dizer e do que precisamos repetir e reforçar continuamente. Abraço apertado!

      • Liliane e Bia, como homem quero só tentar explicar um pouco do porque dessa nossa preocupação de “parecer gay”. É claro que pessoas como eu que discordam da prática homossexual, e por isso são contra a homossexualidade mas NÃO CONTRA O HOMOSSEXUAL E O SEU DIREITO DE SER HOMOSSEXUAL, se sintam ofendidos em parecer gays mas o problema não é só esse ou nem principalmente esse. Acontece que por esses motivos mesmos que vocês colocaram, a todo momento temos nossa sexualidade questionada e testada e quando mesmo que de forma superficial aparece um “brechinha” por pequena que for, além das piadinhas e constrangimentos que são péssimos mas pra mim são os de menos, isso acaba facilmente nos prejudicando de mais na nossa vida afetiva pois as mulheres que levam muito do machismo nas suas avaliações também, também ficam desconfiadas e acabam nos descartando tipo, “não esse ai não serve” ou senão ficam com um pé atrás sempre com o desconfiômetro ligado com relação a qualquer “deslize” ou coisa que “não seja coisa de homem” que nos façamos, o que acaba também aumentando ainda mais essa pressão que à em cima da gente sobre performance sexual ou heterossexualidade. Muitas vezes essas mulheres são até muito incoerentes quando desconfiam da heterossexualidade de um homem quando ele não tem atitudes que ela justamente reclama por os homens terem muitas vezes até nos generalizando negativamente, inclusive falo por experiência própria pois já tive minha sexualidade questionada por simplesmente não querer me relacionar com mulher que estava afim de mim mas já era noiva, já tinham compromisso ou simplesmente eu não estava afim afinal eu não sou obrigado a sempre ficar com uma mulher como se eu fosse obrigado a me sentir atraído por qualquer mulher, sempre, e em qualquer instancia pra ser heterossexual. Isso sem falar de varias outras situações. Assim fica difícil, rsrs.

        Abraço.

        • Manuel,
          Concordo contigo que fica difícil assim nesses termos.

          Eu entendo todo o seu discurso. Mas eu aponto para voce que ao se sentir diminuido quando te comparam com homosexuais o problema está em voce e em quem fala isso como um xingamento e não no fato de ser homosexual, embora voce condene a prática não deveria se sentir diminuido por se chamado de já que voce não condena o indivíduo, como voce enfatizou. Infelizmente essas são questões particularees suas que não podemos interferir. Talvez se voce começar a se questionar consiga alguma resposta, que poe te servir de argumento num momento em que sua sexualidade for questionada neste sentido.
          Sugiro aqui algumas questões pertinentes: até que ponto não negar fogo faz de voce um homem? É só o seu penis e sua virilidade que fazem de voce um homem? Se isso é verdade quando voce perder a potencia sexual voce vai ser o que?
          O reducionismo exposto na sua explicação induz a pensar que homens estão reduzidos à maquinas de fazer sexo, o que não é verdade e se fosse para isso sempre existiram os vibradores que ainda tem a vantagem de não nos engravidar…

          • Exato Liliane, eu não quiser dizer que o homem é só uma máquina de fazer sexo, não concordo de maneira nenhuma com isso. Só coloquei o que muitas pessoas pensam e como isso nos faz prisioneiros também mas sem colocar isso como justificativa para termos atitudes machistas e intolerantes pois não é, até porque um erro não justifica o outro. Lógico que ser homem não é só isso, aliás isso qualquer cachorro faz, ter pênis qualquer animal tem, fazer sexo sem se importar com o prazer de sua parceira qualquer bicho faz, ou não. Pra mim ser homem é ter responsabilidade, valores, tratar bem sua esposa, se importar realmente com ela em todos os sentidos, ser fiel a ela, ser trabalhador. Concordo com você o homem não é só um pênis a serviço do sexo nem a mulher é só uma vagina, nós somos muito mais, somos seres humanos, igualmente importantes.

            Abraço.

            • Manuel,
              Pensei bastante antes de responder, pensei até em não te responder, mas decidi fazê-lo por que sua reposta me incomodou sobremaneira.
              Voce começa dizendo que concorda comigo, mas aparentemente ou voce não entendeu o que escrevi ou não concorda. Pois imediatamente depois voce fala que homens tem que respeitar as suas esposas… Mas não é só a sua esposa deve ser respeitada. Todas as mulheres devem ser respeitadas inclusive aquela que quer apenas uma noite de sexo sem compromisso, inclusive a profissional do sexo que ganha a vida fazendo sexo. Inclusive a lésbica que não quer se relacionar sexualmente com homens. Todas. A sua reclamação enquanto homem que sofre por que é obrigado a não falhar e não negar fogo nunca é super machista e eu concordo. Mas dai até restringir a vida sexual e o respeito mútuo a casais heterossexuais monogâmicos é um caminho muito longo. E pode até ter parecido mas não foi isso que quis dizer.
              Mulheres que se relacionam sexualmente dentro e fora de casamentos com homens ou com mulheres ou com transexuais ou travestis. Todas tem que ser respeitadas. Não é o comprimento da saia que vai definir o caráter da mulher e não estou falando da orientação sexual como no caso do seu exemplo de como homens são questionados.
              Por que homem nenhum vai ser xingado de puto por usar um short curto mas uma mulher é puta por fazê-lo. E ainda lembrando que o significado de puta e puto são enormemente diferentes.
              Assim como homens tem que ser respeitados e ter direito de recusar sexo independente da orientação sexual, estado civil, condição social ou qualquer outro parametro social que voce queira usar. Pessoas merecem respeito independente da sua cor, gênero, raça, condição social ou trabalho que executam. Mulheres tem que ser respeitadas independete da roupa que usam, escolhas que fazem, trabalhos que excutam, independente da sua cor ou classe social. Todas tem que ser respeitadas sempre!

              • Bem Lliliane, da mesma forma eu não entendi como você teve essa impressão no meu texto. Em momento algum eu desrespeitei aS mulheres ou qualquer pessoa homossexual. Eu só explanei sobre um caso especifico em que você e a bia falavam, sobre o homem heterossexual não gostar de ser confundido com um gay e expliquei claramente que era pela simples causa de atrapalhar a vida afetiva, amorosa, pois muitas se não a maioria das mulheres heterossexuais quando se quer sonham que um homem é gay, simplesmente já o descarta e ali se vai uma possibilidade de relacionamento para o homem, foi isso e me dirigi aos heterossexuais no texto por que a citação que foi feita por você e a Bia se referia justamente aos heterossexuais. O fato de eu não ter dito: “os homens devem tratar bem as mulheres”, não quer dizer que eu não ache isso, muito pelo contrário, é claro que os homens devem sim respeitar todas as mulheres assim como as mulheres também devem respeitar todos os homens assim como os heterossexuais devem respeitar ou homossexuais e vice-versa, acontece que no caso eu quis especificar o casamento por causa dos milhares de homens que acham normal trair e mau-tratar as suas esposas só por serem suas esposas e por eles serem homens. As vezes eu me expresso mau mesmo mas realmente ainda assim fiquei surpreso com sua interpretação. Mais uma vez repito, EU CONCORDO COM VOCÊ E CLARO QUE ACREDITO E SEI QUE TODOS E TODAS DEVEM SER RESPEITADAS E RESPEITADOS independentemente de suas escolhas, só não somos obrigados a concordar, não é verdade? Eu posso sim achar errado uma mulher ou homem traírem seus conjuges e isso não quer dizer que eu os desrespeito. RESPEITO É BOM E TODO MUNDO GOSTA!

                Abraço.

  5. O machismo está sim em toda parte,disfarçado de piadas,”dissimulado em valores morais”,o mundo não está preparado para mulheres que decidem,nem sei se um dia vai estar,estamos rodeadas de pessoas medíocres e de falso moralismo. Usam até o nome de Deus para justificar
    suas idéias retrógradas,preconceituosas e carregadas de maldade.O que mais atrasa o caminho são as mulheres machistas, que creem mesmo que homens são seres superiores que tudo podem,a quem tudo é permitido. Eu gostaria de poder crer que um dia isso vai mudar. Que mulher vai deixar de ser taxada como coisa. Como uma genitália com perninhas. E viva o movimento!

    • Marta,
      Concordo que vivemos tempos difíceis e temos que estar atent@s e lutando diariamente contra o machismo, mas não posso deixar de apontar no seu comentário a reprodução de um discurso machista.
      Não é o machismo de mulheres que é mais prejudicial do que os outros. É o machismo da sociedade, as mulheres assim como os homens estão sendo criados em uma sociedade machista e tanto um quanto outro reforçam diariamente os esteriótipos com discurso e atitudes machistas o machismo da sociedade. Não só mulheres são culpadas pelo machismo, embora seja muitas vezes chocante ver mulheres com um discurso machista, culpar exclusivamente as mulheres machistas pelo o atraso da sociedade é reproduzir um discurso machista.

  6. Tinha uma frase no livro de português em um cartaz escrito “mulheres em movimento mundos o mundo” e a professora falou , falou e reforçou sobre os direitos das mulheres e que não somos essa perfeição que a sociedade exige , que uma mulher normal não fica toda “montada” tendo trabalho , filho pra cuidar , casa pra arrumar e etc..

    Também tivemos aula de filosofia e a professora perguntou “Que tipo de mulheres você querem , meninos?”
    Eles falaram que queria uma “super gostosa” com peito e bunda e etc , e que nós mulheres queremos homens ricos e bonitos..achei um absurdo mas ia dar na cara de alguém por isso não quis entrar no debate e nem me cansar com meninos que pensam que sabem algo da vida.

    • Veve, realmente esses caras ai são extremamente superficiais só olhando o lado visual da mulher, com certeza tem muito o que aprender. Também foram muito infelizes em dizer que todas as mulheres só querem homens ricos e bonitos, nos sabemos que muitas querem só esses sim, principalmente os ricos, mas nunca podemos dizer que são todas ou nem mesmo a maioria que são assim da mesma forma que é uma atitude muito infeliz de mulheres quando elas nos generalizam de forma negativa dizendo que todos nos não prestamos, que todos somos iguais e que todos somos safados e etc. “GENERALIZAR É NÃO PENSAR”, além de ser muito injusto também.

      Abraço.

  7. Uma pergunta, não sou advogada. Mas existe embasamento legal, para que eu possa processar os fanpages que trazem essas apologias ao machismo? Vi um hoje que me deu ansia, nele o meme botava líquido inflamável e colocava fogo em uma menina, pois ela não o amava.
    Eu não posso, contratar um advogado (por minha conta, ou em uma vaquinha entre amigas) e entrar na justiça para que os responsáveis no mínimo ‘levem um susto’?

    • Juliana,
      A única coisa que posso te sugerir é denunciar como discurso de ódio e apologia à violencia. Tem a safernet e na própria página do facebook por exemplo.

  8. Achei o texto incrível , realmente as mulheres tem que lutar por seus direitos sempre !
    e não deixar que nemhum Filho da P***T! crie gracinhas machistas !!!!!!!!!!! Queria muito participar de protestos com voces ! vamos entar em contato’