Jogo digital educativo e feminista: Lutas e Conquistas Femininas

Texto de Sonia Beatriz Leite Ferreira Cabral para as Blogueiras Feministas.

Em 2000, quando começamos a produzir jogos educacionais utilizávamos os CD-ROM como dispositivos de armazenamento. A mudança para o suporte digital, trouxe consigo as necessidades de se adaptar à nova linguagem e às exigências do mercado. Nesse período, passei a frequentar um grupo de estudo e pesquisa sobre gênero e tecnologia e acabei realizando uma pesquisa sobre a história das mulheres no Brasil, ficando fascinada pelo tema. Percebi que era necessário ampliarmos a circulação desses conhecimentos e possibilitar que os estudos sobre as mulheres ultrapassem o mundo acadêmico e fossem disponibilizados para um público mais jovem.

Incorporar pressupostos de gênero ao processo de construção de um jogo exige um compromisso com a pluralidade, com a linguagem inclusiva, e com utilização de imagens não sexistas e estereotipadas. Nesse sentido, produzimos o jogo de tabuleiro lúdico-pedagógico “Lutas e Conquistas”:

A proposta é resgatar e dar visibilidade às mulheres, de diferentes épocas, extratos sociais e etnias, que se tornaram símbolos de resistência e combatividade em defesa da equidade de gênero.

O jogo é pago e está disponível no Google Play (5 reais) e na iTunes (99 centavos de dólar).

As dificuldades para produzir jogos digitais educativos são muitas: falta de financiamento, nível de exigências para comercialização pela iTunes e Google Play, falta de espaços para divulgação e principalmente a incerteza do retorno financeiro.

Para driblar esses obstáculos e produzir um jogo de qualidade, utilizamos algumas estratégias como: escolher um assunto diferenciado, fazer uma profunda pesquisa sobre o tema, produzir interatividades desafiadoras e divulgar o jogo em espaços como Facebook e YouTube. A parte de desenvolvimento é feita por uma empresa contratada, não recebemos incentivo e nem financiamento para desenvolver o projeto.

Participo de um grupo de estudo e pesquisa sobre gênero e tecnologia. Compartilhar ideias, experiências e dificuldades nos fortalece e permite desconstruir os estereótipos de gênero que acabam naturalizando os espaços tidos como adequados a cada gênero e a supremacia masculina sobre a feminina.

Autora

Sonia Beatriz Leite Ferreira Cabral é filósofa e especialista em Literatura infantojuvenil. Mora em Curitiba e produz jogos educativos para computador desde o ano de 2000. Desenvolveu o projeto “Gira livros” para promover acesso de crianças da periferia à literatura infantil através da Prefeitura Municipal de Curitiba. 

Autor: Autoras Convidadas

Somos várias, com diferentes experiências de vida. A gente continua essa história do Feminismo nas ruas e na rede.