Campanha 2@Vermelha – Celebrando a Menstruação!

Texto coletivo das Blogueiras Feministas.

Divulgação da Campanha 2@Vermelha. Crédito da Imagem: Bia Fioretti.

A menstruação na nossa sociedade é vista como algo sujo, que deve ser escondido. Geralmente quando se fala de menstruação só se comenta sobre a TPM – Tensão Pré-Menstrual, sempre com um viés negativo. Todas as mulheres em algum momento de suas vidas vão menstruar, o que podemos fazer para que nossa relação com a menstruação e a menopausa seja diferente? Como podemos mudar maneira com a qual enxergamos nosso corpo e nossos fluídos?

É claro que não estamos dizendo que se você decidiu parar de menstruar, você é menos mulher. Óbvio que não. Queremos que as mulheres sejam livres para tomar suas próprias decisões em relação ao seu corpo. Porém, também queremos que as mulheres conheçam melhor seus corpos, sintam e explorem sensações. Busquem maneiras de compreender o que significa menstruar. Neste dia 02 de maio, milhares de mulheres estarão celebrando sua menstruação na Campanha 2@ Vermelha. Se você mora em São Paulo, acontecerão palestras e mesas-redondas, confira a programação.

A campanha tem como mote a valorização da menstruação em vários aspectos, para incentivar as mulheres a cuidar de sua saúde íntima e reprodutiva, dando-lhe maior visibilidade no cinema, nos meios impressos, na arte, em outras mídias e redes sociais. Algumas perguntas irão nos nortear esse ano:
Quais mudanças ocorreram e, se ocorreram, para onde estamos indo? Existem mais mulheres valorizando sua menstruação? Ou as mulheres que já valorizavam antes é que estão mostrando a cara? As mulheres que (ainda) não gostam de sua menstruação, continuam acreditando nisso? Algo mudou? Faz e fez diferença se ter acesso a formas de segurar o sangue menstrual (absorventes reutilizáveis e coletores) ? O que isso efetivamente traz para saúde física, emocional e política da mulher? As mulheres estão mais responsáveis por seus corpos? Se sim, por que ainda tem tanta gente, que não seja a mulher, falando com autoridade sobre o corpo dela? As mulheres que escolhem parar de menstruar escolheram isso ou alguém escolheu para ela? Se ela escolheu, existe produção cientifica sobre os danos a longo prazo na saúde emocional e física da mulher com relação a essa escolha? Seria reversível?

Pensando nessas questões, propomos uma blogagem coletiva sobre menstruação entre as integrantes do Blogueiras Feministas para marcar esse dia. Os posts participantes são:

[+] Campanha Vermelha da Priscilla Carol

[+] Há quem trabalha e sangra todo mês da Luka

[+] Menstruação – Campanha 2@Vermelha da Srta. Bia

[+] Menstruação e achismos de alguém que quer quebrar (seus próprios) tabus! da Sara Joker

[+] Mulher é bicho esquisito. Todo mês sangra. da Suely Oliveira

[+] Segunda Feira Vermelha, Pêlos e outras Vergonhas da Mexy

[+] Segunda Vermelha, menstruação e misoginia da Cynthia Semiramis

[+] Sexo durante a menstruação: uma questão de auto-estima da Mari Moscou

[+] TPM? da Tica Moreno

[+] Viva a Menstruação! Já os anúncios pra menstruação… da Lola

Dia Nacional das Trabalhadoras Domésticas

A data é comemorada no dia 27 de abril. No Brasil, a profissão é exercida por 6,2 milhões de pessoas. Segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do IBGE, em 2008, a categoria das trabalhadoras domésticas representava 15,8% do total da ocupação feminina, o que correspondia, em termos numéricos, a 6,2 milhões de mulheres. Entre as mulheres negras, 20,1% das ocupadas eram trabalhadoras domésticas. Dentre as mulheres brancas, amarelas e indígenas ocupadas, o trabalho doméstico correspondia a cerca de 12% do total da sua ocupação.

Pensando nessas questões, propomos uma blogagem coletiva sobre Trabalhadoras Domésticas entre as integrantes do Blogueiras Feministas para marcar esse dia. Os posts participantes são:

[+] 27 de abril – Dia Nacional das Trabalhadoras Domésticas. Texto da Iara.

[+] Carta Aberta ao Grupo Antiterrorismo de babás. Texto da Luana dos Santos.

[+] Dalva, uma mulher sem vida. Texto da Sara Joker.

[+] Dia Nacional das Trabalhadoras Domésticas. Texto da Srta. Bia.

[+] Seja empregada doméstica ou terceirizada a sina é a mesma: invisibilidade. Texto da Luka.

[+] Trabalho Doméstico: faça sua parte. Texto da Denise Rangel.

Feministas na cozinha!

Para você que pensou que o feminismo ia abandonar as trincheiras da cozinha, venho anunciar um novo empreendimento das Blogueiras Feministas, o blog Feministas na Cozinha. Não é espaço gourmet, é cozinha com avental, forno e fogão. E a comida fica ainda mais gostosa quando feita por várias mãos.

Na Cozinha. Foto de Barbara Lopes, com autorização.

Um lugar para apreender o melhor dos sabores, dos temperos, das cores e perfumes que correm pelas panelas, tachos, colheres e raladores. Apanhe agora seu livrinho de receitas, pois essas feministas vão lhe ensinar que mulher pode tudo, inclusive gostar de cozinhar.

No post de estréia a Luciana vem borboletear nossos sentidos com camarões:

Abre a geladeira e vê o que tem. Camarões. Se foi sabida, reservou uns descascados. Pega o camarão nuinho e tempera com sal, curry e canela. Deixa o danado descansar e abre a torneira da banheira. Acende velas e coloca um disco (tangos imortais é uma excelente pedida). Abre uma cerveja. Vai bebendo. Depois de acompanhar o nível da água em relaxante nada pensar, coloca sabonete líquido e manda brasa na hidromassagem. Quando tiver fazendo bolhinhas e espuma, desliga e vai tratar o camarão.

Já a Sara Joker vai te ensinar receitinhas vegetarianas e ainda nos presentear com tirinhas bem humoradas:

A cada nova receita vocês verão bastante bom humor e comidinhas saborosas para todos os paladares. De duas em duas semanas você conhecerá uma nova receita divertida e em toda última semana de Sara Joker no mês, vocês se deliciarão com uma receitinha vegetariana. Essa semana teremos uma receita fácil, a preferida da mãe de Sara Joker: Cebolas a Dorê.

Não deixem de acompanhar o blog e de exercitar os sentidos na cozinha. Conhecer os alimentos, aprender a prepará-los e saboreá-los bem frescos é uma receita ideal para aprender sobre quem somos, qual nosso paladar, do que gostamos,  além de desenvolver novas habilidades. Então, todo mundo já pra cozinha!

Quem quiser compartilhar receitas pode entrar para o grupo de emails das Feministas na Cozinha.