Simone de Beauvoir

Texto de Bia Cardoso.

Simone de Beauvoir.

Simone de Beauvoir nasceu em 09 de janeiro de 1908. É uma das mais conhecidas feministas e também uma das mais importantes. Autora do livro “O Segundo Sexo”, um dos clássicos da literatura feminista, Simone manteve por toda vida uma atitude transgressora e anti-conservadora. Sua obra literária é existencialista e questionadora.

No site Simone de Beauvoir você pode conhecer suas obras, biografia e vários artigos interessantes como a entrevista entitulada “O Segundo Sexo 25 anos depois”.

Gerassi — Você disse que sua própria consciência feminista surgiu da experiência de escrever O Segundo Sexo. Como você vê o desenvolvimento do movimento após a publicação do seu livro em termos de sua própria trajetória?

Beauvoir — Ao escrever O Segundo Sexo tomei consciência, pela primeira vez, de que eu mesma estava levando uma vida falsa, ou melhor, estava me beneficiando dessa sociedade patriarcal sem ao menos perceber. Acontece que bem cedo em minha vida aceitei os valores masculinos e vivia de acordo com eles. É claro, fui muito bem-sucedida e isso reforçou em mim a crença de que homens e mulheres poderiam ser iguais se as mulheres quisessem essa igualdade. Em outros termos, eu era uma intelectual. Tive a sorte de pertencer a uma família burguesa, que, além de financiar meus estudos nas melhores escolas, também permitiu que eu brincasse com as idéias. Por causa disso, consegui entrar no mundo dos homens sem muita dificuldade. Mostrei que poderia discutir filosofia, arte, literatura, etc., no “nível dos homens”. Eu guardava tudo o que fosse próprio da condição feminina para mim. Fui, então, motivada por meu sucesso a continuar, e, ao fazê-lo, vi que poderia me sustentar financeiramente assim como qualquer intelectual do sexo masculino, e que eu era levada a sério assim como qualquer um de meus colegas do sexo masculino. Sendo quem eu era, descobri que poderia viajar sozinha se quisesse, sentar nos cafés e escrever, e ser respeitada como qualquer escritor do sexo masculino, e assim por diante. Cada etapa fortalecia meu senso de independência e igualdade. Portanto, tornou-se muito fácil para mim esquecer que uma secretária nunca poderia gozar destes mesmos privilégios.

O feminismo de Simone sempre esteve intrinsecamente ligado com a defesa da liberdade plena. Em “Por uma moral da ambiguidade” ela diz:

É preciso ainda recordar que o fim supremo a que o homem deve visar é sua liberdade, única coisa capaz de fundar o valor de todo fim; o conforto, a felicidade, todos os bens relativos definidos pelos projetos humanos serão, pois, subordinados a essa condição absolula de realização. A liberdade de um único homem deve contar mais que uma colheita de algodão ou de borracha: embora esse princípio não seja, de fato, respeitado, ele costuma ser teoricamente reconhecido. Mas o que torna o problema tão difícil é que se trata de escolher entre a negação de uma liberdade ou de outra: toda guerra supõe uma disciplina, toda revolução, uma ditadura, toda política, mentiras; do assassinato à mistificação, a ação implica todas as formas de submissão. Ela é, portanto, em todos os casos absurda? Ou é possível, no próprio seio do escândalo que ela implica, encontrar apesar de tudo razões para querer uma coisa mais do que a outra? (pág. 93)

Ela não se dedicou apenas a filosofia, mas também escreveu romances, entre eles “A Mulher Desiludida”.

Passo tempo demais em casa de Colette depois que ela se recuperou. Apesar da sua grande gentileza, sinto que minha solicitude corre o risco de importuná-la. Quando se viveu de tal maneira para os outros, é um pouco difícil começar a viver para si. Não cair nas armadilhas da dedicação: sei muito bem que as palavras dar e receber são intercambiáveis e como eu tinha necessidade da necessidade que minhas filhas tinham de mim. Nesse sentido nunca blefei. “Você é maravilhosa”, dizia-me Maurice. Ele me dizia isso frequentemente, a qualquer pretexto. “Porque, para você, dar prazer ao outros é antes dar prazer a você mesma.” Eu ria: “É verdade, é uma forma de egoísmo.” Aquela ternura em seus olhos: “A mais deliciosa que existe.” (pág. 145)

Conheça mais a obra de Beauvoir e acompanhe o blog Beauvoir au jour le jour.

Jornalismo sexista feito por e para mulheres

Texto de Cecilia Santos.

Meu post de hoje trata de duas reportagens publicadas na edição de 09 de janeiro de 2011 no caderno Feminino do Estadão.

Não pretendo discutir o fato de que a mera existência de um caderno para mulheres dá a impressão de que toda a parte séria do jornal só interessa aos homens. Mas, uma vez que ele existe, creio que já seria vantagem se as jornalistas conseguissem evitar a fórmula manjadíssima e desnecessária de tratamento diferenciado dado às mulheres.

As duas matérias que pretendo comentar aqui, ambas produzidas por mulheres, são sobre uma tenente do corpo de bombeiros (da jornalista Cristiana Vieira) e a segunda (produzida por Ciça Vallerio), sobre mulheres cachaçólogas e cachacistas (para quem não sabe, a reportagem explica que designam o profissional e o amante da cachaça, respectivamente).

As matérias têm o mérito de mostrar mulheres que conseguiram ser bem-sucedidas em áreas predominantemente masculinas. Mas os textos não conseguem abrir mão de elementos sobre estética e casamento/maternidade que, além de dispensáveis no contexto, certamente  não seriam usados se os entrevistados fossem homens.

Minha dúvida é: de onde essas jornalistas inferem que a mulher que lê esses textos precisa dessas referências? Será que o manual de redação do jornal recomenda o uso desses elementos sexistas? É algo que se ensina nos cursos de jornalismo?

Eis o início da matéria sobre a tenente do corpo de bombeiros:

“São 7h30 de um dia ensolarado quando uma bela mulher se aproxima. Loira, de cabelos longos e lisos, olhos claros, unhas vermelhas, maquiagem discreta. Se não fosse pela farda, que impõe respeito a qualquer um, poderia ser a descrição de uma novata no mundo das celebridades. [esta última frase não é muito inteligente] Mas é a jovem tenente Karoline Burunsizian Fernandes, de 27 anos, que se prepara para dar o comando…”

“Estirou-se junto [com os comandados] e concluiu os exercícios, como se estivesse retocando a maquiagem.”

Eu me pergunto se as jornalistas estão sempre retocando a maquiagem ou lixando as unhas entre uma e outra tarefa, tal é a obsessão com cuidados estéticos na linguagem jornalística quando o tema é a mulher em posições de poder. Ou será preciso reforçar que são aceitas (ou toleradas) nessas posições desde que não percam a feminilidade? E quais são os parâmetros de feminilidade? Usar maquiagem?

O texto sobre as cachaçólogas cita 5 ou 6 mulheres, e eu notei que as mais jovens recebem mais adjetivos que as mais velhas. Também há citações sobre as casadas e mães. Quer dizer, tentem mudar as personagens para homens e imaginem se essas referências estariam ali:

“Jovem e bonita, num universo predominantemente masculino, ela precisa mostrar firmeza no trato com importadores…”  [Sobre Carolina Steagall Harley Tomaso, 30 anos]

“Formada em Administração de Empresas, a bela morena cuida do negócio de seu marido…”  [Sobre Viviane Luppo, 35 anos]

Nas referências às mulheres mais velhas, as jornalistas sinalizam as que são casadas e mães mas omitem informações sobre maternidade e estado civil de outras. Penso: essas últimas seriam solteiras sem filhos? Sabemos, com base na teoria da Análise do Discurso, que o que se omite em um texto é tão ou mais significativo do que o que se diz.

“Uma das mulheres mais atuantes nesse ramo é Raquel Salgado, de 55 anos, presidente executiva da Associação…”

“Nessa luta, Raquel é amiga e parceira da Pernambucana Vitória Cavalcanti, de 56 anos, casada há 33 e mãe de uma psicóloga. Ela é a toda-poderosa da Pitú…”

Mais duas mulheres são citadas no texto: Carla Adam, de 39 anos, e Katia Espírito Santo, de 55. Num dado ponto do texto, sem ligação com o contexto, aparece a informação de que a segunda é “casada e mãe de três filhos adultos”.

Penso se é realmente necessário sabermos se a profissional de sucesso tem ou não marido e filhos. Será que a omissão do estado civil de algumas mulheres é uma tentativa de evitar reforçar o estereótipo de que mulheres que se dedicam aos negócios não se casam? Se sim, não teria o efeito contrário?

Todas nós já constatamos que esse padrão é recorrente no jornalismo. Eu não estou propondo um repetitivo exercício de indignação, mas uma discussão sobre ações concretas. O que nós, como consumidoras críticas, temos feito ou podemos fazer para comunicar a essas jornalistas e seus empregadores que não é isso que queremos ler? Será que as próprias jornalistas, em seu próprio exercício profissional, sentem a necessidade de reforçar esses estereótipos de feminilidade como aparato da competência profissional?

Gênero neutro

Texto de Barbara Lopes.

A discussão sobre a forma presidenta vem nos lembrar que não existe neutralidade na nossa língua, como não existe na nossa sociedade. Se eu for ao cinema com alguém e meu marido me ligar, vou necessariamente dizer o gênero da pessoa que está comigo, “um amigo” ou “uma amiga” – e o significado desse passeio pode mudar completamente por isso. Em outras línguas, como no inglês, a frase ficaria ambígua, mas em português é muito difícil fugir – inclusive porque as fugas nos denunciam prontamente.

Mas há quem diga que não: que o masculino funciona como masculino mesmo, mas também como neutro. Nossa língua funciona assim, no plural (“amigos” pode ser um grupo com apenas um homem e muitas mulheres) e nas formas que não flexionam (“moça meio distraída”). E também nossa sociedade funciona assim. O que precisa ser marcado é o feminino; é o que notamos primeiro, é a diferença.

O mesmo acontece com outros grupos “diferentes”. No campo da sexualidade, falamos da heteronormatividade, a expectativa é que o “normal”, o “default” é ser hétero e que a diferença é que é notada, marcada. No O que é racismo, o Joel Rufino dos Santos conta (cito de memória) de um jogo de futebol, em que toda vez que um jogador tal errava um lance, um torcedor gritava “Preto burro!”. Daí, quando um jogador branco errou, um amigo do autor gritou, para espanto de todos, “Branco burro!”.

Esses dias, um amigo criticando um comportamento no trânsito disse que achava que mulheres faziam isso mais do que homens, e me perguntou se fazia sentido. Estatísticas são complexas, talvez haja mais mulheres dirigindo; talvez mulheres realmente se comportem desse jeito. Mas me ocorreu que talvez ele repare mais quando é uma mulher e que quando homens fazem a mesma coisa, caia pra uma gaveta “neutra”.

O nosso trabalho é duplo: desconstruir esse neutro-normativo (homem, branco, hétero) e reconstruir um sentido neutro real, em que as pessoas sejam notadas pelo que são e não pelo grupo no qual foram inseridas. Nessa luta, não há campo neutro.

Update – dois links fresquinhos sobre o caso “presidenta”: