Mulheres que amam mulheres e o machismo

Texto de Sara Joker.

A sexualidade da mulher até hoje é vista como um tabu, garotas desde que nascem são vistas como princesinhas, na adolescência vemos uma repressão na maioria das famílias, onde a mulher não tem o direito de exercer seus desejos sexuais. Mesmo hoje em dia, muitas mulheres acabam tendo apenas um parceiro sexual a vida toda, e nunca procuram realizar suas fantasias e desejos, transam para saciar os desejos de seu parceiro. Sexo para a maioria das mulheres é algo apenas para matar as vontades do homem ou para procriar, levando muitas delas a desconhecerem por completo seu corpo.

Muitas mulheres que se libertam dessa ditadura são vistas com olhares reprovadores, são rotuladas por homens como “mulheres pra transar”, mas ainda tem um serviço na comunidade e no pensamento tipicamente machista de saciar os homens, fazendo o que eles não podem fazer com suas castas esposas.

Mas, até agora falei apenas de uma mulher heterossexual, mulheres com orientação sexual bissexual e homossexual passam por problemas muito maiores! Para muitos homens é inaceitável que uma mulher possa sentir prazer em uma relação sexual onde não exista um homem. Para outros homens, a homossexualidade e bissexualidade femininas são apenas fetiches de filmes pornográficos.

Foto de Philippe Leroyer no Flickr em CC, alguns direitos reservados.

É comum ouvir de alguém que mulheres lésbicas ou bi estão passando apenas por uma fase, que quando chegarem numa certa idade vão sentir vontade de casar e ser mães, como qualquer mulher normal. Como se mulheres não pudessem ser felizes com suas companheiras, ou como se não ter um homem em sua vida fizesse de alguma mulher um ser incompleto. O machismo atinge sim os homossexuais e bissexuais do sexo masculino, mas não tanto quanto a nós, mulheres que amam mulheres.

O estupro corretivo é um exemplo de violência contra a lésbica muito comum, certos homens acreditam que com esse ato cruel podem modificar a orientação sexual dessas mulheres. Uma prova violenta e assustadora do machismo contra lésbicas. E mesmo muitos homens machistas, que nunca fariam algo desse tipo, acreditam que uma lésbica só não gosta de homem porque nunca encontrou um homem que fosse bom o bastante na cama. Será que um homem heterossexual mudaria sua orientação sexual por um motivo como esses? Esse costume, de acreditar que o desejo sexual da lésbica gira em torno de uma péssima transa heterossexual que ela teve no passado, é tão machista quanto acreditar que uma mulher algum dia deixará de ser lésbica para se casar com um homem e formar uma família tradicional.

Sei de histórias sobre mulheres lésbicas que ao sair do armário sofreram preconceito até de amigxse familiares, que aceitariam gays com bem menos preconceito. Existem pessoas que entendem um homem virar gay, mas que nunca entenderão uma mulher lésbica, para muitas pessoas é muito pouco natural aceitar que exista relação sexual sem penetração, então é estranho aceitar que uma mulher seja completa ou feliz sexualmente com outra mulher.

Essa idéia de relação sexual apenas com penetração nos leva a filminhos pornôs clichês, com lésbicas que utilizam brinquedinhos. Mulheres sentem prazer sem penetração, sua estimulação do prazer sexual está muito além do canal vaginal, temos o clitóris, um orgão feminino que só serve pra dar prazer, e que não está no canal vaginal. Inclusive, sei de muitas mulheres heterossexuais que só chegam ao orgasmo sendo estimuladas pelo clitóris. Essa é a prova de que mulheres podem sentir prazer com outras mulheres.

A mulher bissexual passa por todos esses problemas e, em muitos momentos, o preconceito é pior. Afinal, nós, bissexuais, durante a nossa vida temos alguns parceiros do sexo masculino. Namorar um homem que não aceita que você algum dia antes de conhecê-lo fez sexo com outros homens já é difícil, imagine só o que é namorar um homem que não aceita que você tenha feito sexo com outras mulheres também.

A bissexualidade feminina só é interessante para alguns homens no momento em que eles podem usufruir dela, ou seja, eles só gostam de se relacionar com mulheres bissexuais se elas aceitarem fazer mènage com ele e outra mulher. Esses homens geralmente acreditam que uma bissexual nunca conseguirá ficar sem ambos os sexos, acreditando que serão traídos por sua companheira. De onde vem essa certeza meio ilógica eu nunca soube. Uma pessoa heterossexual quando está numa relação exclusiva também pode trair, tudo é questão de respeito e não de orientação sexual.

Pra finalizar, deixo para vocês alguns sites falando sobre bissexualidade e homossexualidade femininas:

A pornografia nossa de cada dia

Texto de Ana Rita Dutra.

Era mais um dia de trabalho exaustante que chegava ao fim, Rafaela estava saindo do trabalho, vestida em seu uniforme, ela caminhava rumo a sua casa. Neste dois homens param o carro e descem rumo a Rafaela, Ao ver que aqueles homens desconhecidos iam em sua direção, ela sai correndo e entra em um matagal. Os dois homens persistem, entram no matagal e, apesar dos esforços de Rafaela, conseguem encontrá-la. Rafaela começa a gritar, é jogada no chão, enquanto um homem a segura por trás, o outro prensa suas pernas entre seus joelhos e começa a rasgar sua roupa. Rafaela se debate, grita, mas não consegue afastar os dois predadores. Ela esta ali no chão com as roupas rasgadas, sendo segurada para que um dos rapazes a penetre violentamente. Enquanto Carlos….

Este texto pode parecer para nós o relato daquele que pode ser o pior dia da vida de uma mulher. Eu já tive contato com algumas mulheres violentadas e muitas vezes o relato se assemelha com a historia de Rafaela. Com certeza se algumas dessas mulheres violentadas lê-se a historia de Rafaela, iria se comover, iria ter a mente invadida pela cruel lembrança de um momento que viveu. Eu me comovo ao pensar na dor de Rafaela.

Porém, querid@s, Rafaela não existe. Pelo menos esta Rafaela, esse é um trecho de um vídeo pornô que você pode acessar em qualquer site pornográfico. O roteiro pode mudar um pouco, mas facilmente você encontrará vídeos onde uma Renatinha estava andando pelo encostamento e foi surprendida por dois homens e estuprada, ou uma Flávia que foi com seu carro numa oficina mecânica e acabou estuprada, ou uma filha que o pai foi acordar no meio da noite e a estuprou, uma aluna que foi chamada na direção e acaba estuprada pelo direitor, uma empregada doméstica estuprada pelo patrão… Enfim o enredo varia um pouco, mas o ponto crucial destas historias continua o mesmo: o estupro.

Alguns podem dizer que esta relação entre pornografia e violência contra a mulher, é apenas um fetiche, que não há nada de errado em consumir este material, ou quem sabe (e isso eu já ouvi), serve para muitos homens se aliviarem e não machucarem mulheres reais. Bom, se você é uma dessas pessoas, eu lhe digo: Procure ajuda médica. Você precisa no mínimo de um psicólogo.

No fundo de todas essas historias onde mulheres são estupradas, onde as mulheres gostam de serem penetradas a força, serem humilhadas, agredidas, vemos a naturalização da violência contra a mulher. Isso não choca, pois é natural. É apenas um fetiche…

Lembro de uns meses atrás, quando saiu a propaganda da Devassa Negra, uma menina que estava comigo viu a propaganda pela primeira vez e chorou. Ela se sentiu humilhada, ofendida, agredida, com aquele slogan de que a verdadeira negra se conhece pelo corpo. Depois eu fui para um encontro e ouvi de uma determinada pessoa que era só a propaganda de uma cerveja, era um fetiche, nada demais. Para mim, as lágrimas daquela menina ao se sentir violentada por aquela imagem são o bastante.

Eu não vou dizer aqui que toda a pornografia faz apologia à violência contra a mulher, nem que assistir vídeos pornôs onde uma mulher é violentada, vá com certeza criar um estuprador. Não posso fazer essa afirmação tão categorica. Mas eu posso chamar você leitor à reflexão.

É necessário isso? Por que você consome esse tipo de material? O que você leva guardado ai dentro que te fez ter prazer ao ver a encenação de um estupro? Por que tantos vídeos de mulheres sendo violentadas? Por que isso te dá prazer? No meu blog pessoal eu uso muitos termos como puta, estupro, violência, então nas pesquisas do google, muitas pessoas que procuram pornografia são direcionadas para lá, toda a semana eu vejo nas estatísticas uma grande lista de termos pesquisados como: novinha sendo estuprada, ninfetinha levando no mato, mulher estuprada com dor, sexo violento sangue, mulher dizendo não estupro.. Por que pesquisamos isso?

Anúncio da marca de jeans Calvin Klein proibido em alguns países por sugerir claramente violência e estupro.

A violência contra as mulheres é uma realidade, ela esta enraizada profundamente na nossa sociedade. A cada 2 minutos , 5 mulheres são vitimas de violência no Brasil. Quem já viu uma mulher violentada, numa maca de hospital, em posição fetal, tremendo, sabe o horror que é o estupro. O que você mulher, que já foi vítima de violência sexual, pode falar disso? É muita dor, caros leitores. Violência sexual é realidade e, é também um fetiche. Homens se masturbam fantasiando com histórias fictícias de violência que são reais no nosso dia a dia.

Isso não é natural. JAMAIS vou considerar o sofrimento, a dor, a violência como natural, ou válvula de escape para o que quer que seja… Reflita um pouco sobre isso!

Ensaios sensuais: os homens que procuramos

Texto de Nessa Guedes.

Esse texto não é sobre um ideal de namorado para uma feminista. E, sem fazer coro àquele timinho de pessoas-sem-noção que falam de “heterofobia”, vou tocar num assunto delicado, espinhoso e estranho. A falta de ensaios fotográficos heterossexuais de homens.

Foto do tumblr ‘We Heart Hot’.

Hoje em dia, a maioria tem um quê muito homossexual. As próprias revistas masculinas tem raríssimas representantes cujo conteúdo é voltado para o público feminino. Quando eu era adolescente uma colega do colégio comprava a ‘G Magazine‘ para gente folhear debaixo das mesas durante a aula. As feministas homossexuais que me desculpem, mas nesse quesito elas estão muito mais bem servidas do que as héteros. Falta uma naturalização da possibilidade da mulher ser um “ser visual” tanto quanto o homem. Talvez nossa sexualidade seja menos desenvolvida exatamente pela falta de acesso a material bom de musos inspiradores paras as nossas fantasias.

O que vocês acham que falta?

Lá pelas voltas de 2007,  comecei a juntar um acervo de fotos de homens que gostava.  Não o tipo de homem que eu gostava, mas ensaios fotográficos viris que me passassem a sensação de que aqueles homens estavam posando para mim, para o meu deleite — e não que estavam posando para outros homens.

Muito naveguei na internet atrás de material. Acredito que mesmo no mercado da publicidade e moda, o espaço destinado ao culto do corpo masculino é reduzidíssimo e, raramente direcionado para o público feminino. Mesmo quando a situação se inverte e vemos o homem se tornar o objeto de desejo, os próprios homens continuam a dominar, porque o material é direcionado a eles. Não entrarei na discussão sobre homossexualidade e machismo, mas ambas imperam quando juntas frente aos interesses das mulheres.

A partir de que momento essa preocupação se estende à pornografia?

O principal fator que abriu às mulheres o acesso à pornografia foi a privacidade da internet. Referência: Pornô feito por mulheres para mulheres.

Não sejamos hipócritas. Estou falando de arte, fotografia, ensaios masculinos. Mas esse papo tem tudo a ver com pornografia. Só comecei meu acervo de fotos depois da internet banda larga. É fato que todos nós, um dia, já passamos os olhos por algum conteúdo pornográfico na internet. Hoje é mais comum que mulheres admitam que assistem pornô e, mesmo que ainda se afirme que a pornografia é teoria e o estupro a prática, vemos essa cena evoluir — a passos de formiga, claro.

Na verdade, falta mesmo é uma troca de experiências de mulher para mulher.

Cena do filme ‘A Single Man’ (2009).

Vamos trocar figurinhas?

Leitoras, vocês costumam guardar, procurar ou apreciar com frequência imagens de modelos na internet? Qual é o seu ideal de beleza masculino? Vocês sentem falta de uma maior popularização de ensaios masculinos heterossexuais? Eu quero saber. E se tiverem links para compartilhar, melhor ainda.