De novo? Privilégio de orgasmo, sexo casual e prazer feminino

Texto de Lauren Ingram. Publicado originalmente com o título: “Come Again? Orgasm privilege, casual sex, and female pleasure”, no site Medium em 11/10/2016. Tradução de Iara Paiva para as Blogueiras Feministas.

Nota da autora: Este artigo trata quase exclusivamente da vivência de mulheres cis, heterossexuais e suas experiências com orgasmos. Ainda que discuta vaginas, em nenhuma circunstância genitais determinam o sexo.

Nota da tradutora: o texto original apresenta, desde o título, diversos trocadilhos com a palavra “come” em inglês, que pode ser traduzida como “vir” e “gozar”.


Quando dizemos as palavras “orgasmo” e “privilégio” na mesma frase, o que vem na mente da maioria das pessoas é o privilégio que homens têm durante as relações sexuais: a capacidade de “espalhar sua semente” a maior parte das vezes, e o foco que nossa cultura dá ao prazer masculino sobre o prazer feminino.

Mas olhem só: eu tenho privilégio de gozar.

(Hashtag Ostentação).

Em um mundo onde muitas mulheres acham que orgasmos são uma ilusão, eles são uma ocorrência comum para mim, sozinha ou acompanhada, mesmo que meu parceiro na cama não se esforce muito. Posso contar nos dedos quantas vezes uma relação sexual na minha vida adulta não resultou em orgasmo, a maioria delas porque eu estava muito bêbada na ocasião. As relações sexuais consensuais e os orgasmos decorrentes delas sempre foram experiências extremamente prazerosas pelas quais eu já ansiava e apreciava de várias maneiras desde que era adolescente.

Continue lendo “De novo? Privilégio de orgasmo, sexo casual e prazer feminino”

As musas que foram estupradas e os debates que nunca acontecem

Texto de Jussara Oliveira para as Blogueiras Feministas.

Minha intenção nesse texto é falar sobre traumas, mas também sobre relações saudáveis. E, sobre as responsabilidades de todos envolvidos para que isso ocorra. Não é um puxão de orelha nos homens, nem um abraço apertado nas mulheres, é um convite para reflexão. Violência é um assunto dolorido e incômodo, mas precisamos encará-la se temos a intenção de realmente aprender algo com as experiências, sejam nossas ou de outras pessoas.

Ontem, o texto “Como foi transar com uma vítima de estupro” viralizou. Vi vários compartilhamentos. De início, li errado o título e entendi “Como é” em vez de “Como foi” e fiquei preocupada se estava rolando algum texto com uma receitinha de bolo que ensinasse a lidar com vítimas de violência. Ainda bem. Afinal, não existe receita certa para lidar com estupro, até porque não existe uma forma só de estupro, assim como não existe uma forma só de trauma ou de como lidar com ele.

Terminei de ler o texto com algum incômodo, e não fiquei surpresa ao ver textos pipocando com críticas a essa viralização. Muito se falou sobre a romantização do relato, sobre a possibilidade da moça (musa inspiradora do texto em questão) não ter consentido a divulgação da sua história, sobre como a viralização desse tipo de texto em detrimento ao de tantos outros que falam da cultura de estupro seria um desserviço à causa feminista.

Porém, acho que precisamos encarar outro ponto: se várias mulheres compartilharam é porque, em algum momento, elas se identificaram com o texto ou no mínimo acharam importante visibilizá-lo. E, ainda que possamos questionar a romantização da narrativa, este pode ter sido um recurso importante ao tratar de um tema delicado como esse. Vamos combinar que presumir que a protagonista da história não gostou ou se sentiu desconfortável com o relato faz tanto sentido quanto presumir qualquer outra coisa sobre ela. E, ainda que alguém muito próximo dos dois possa sacar de quem se trata a pessoa, houve um esforço no texto de não deixar sua identidade evidente.

Continue lendo “As musas que foram estupradas e os debates que nunca acontecem”

Precisamos conversar sobre o que é a visibilidade lésbica

Texto de Maíra Mee para as Blogueiras Feministas.

Para falarmos sobre a visibilidade e a invisibilidade das mulheres lésbicas, acho que a primeira coisa que precisamos questionar é do que estamos falando quando dizemos “visibilidade”.

Termos guarda-chuva, como “visibilidade” ou como “LGBT” são úteis para facilitar a comunicação, mas, para sabermos quais são os problemas que se escondem por detrás deles, precisamos desdobrá-los sem preguiça e sem medo.

A visibilidade não pode ser entendida só como aparecer na novela ou na propaganda de perfume. Quando estamos nos consultórios – públicos e privados – ginecológicos, psicológicos, psiquiátricos e afins, somos invisíveis porque os profissionais de saúde não sabem em que somos iguais a outras pessoas e em que somos diferentes. Na justiça somos invisíveis porque os juristas não entendem ou são coniventes com as violações de direitos que sofremos. Nas nossas famílias, escolas, trabalhos a invisibilidade da nossa realidade faz sofrermos agressões, expulsões, demissões ou só conseguirmos cargos com remuneração mais baixa (muitas vezes porque algumas de nós não são mães ou porque acreditam que não vamos ser).

Cada uma dessas invisibilizações são violências que vivemos nas nossas vidas diárias e nós precisamos chamar cada uma pelo seu próprio nome para podermos olhá-las de frente e saber como combatê-las.

Continue lendo “Precisamos conversar sobre o que é a visibilidade lésbica”