Como se prevenir de um estupro? A vulnerabilidade e as estatísticas que preferimos não encarar

Texto de Jussara Oliveira para as Blogueiras Feministas.

Quando se fala em estupro, a primeira imagem que vem a nossa mente é de um homem estranho abordando uma mulher adulta numa rua escura.

Mas as estatísticas mostram um cenário bem diferente. Além de dados que indicam que a maior parte desses casos de violência (70%) ocorre com pessoas próximas, como familiares ou companheiros, outro dado importante diz respeito a faixa etária: a grande maioria ocorre entre a infância e adolescência (70%). Dados detalhados a respeito desse tipo de violência podem ser encontrados nesse link: Estupro no Brasil, uma radiografia segundo dados da Saúde.

Os registros do Sinan demonstram que 89% das vítimas são do sexo feminino e possuem, em geral, baixa escolaridade. Do total, 70% são crianças e adolescentes. “As consequências, em termos psicológicos, para esses garotos e garotas são devastadoras, uma vez que o processo de formação da autoestima – que se dá exatamente nessa fase – estará comprometido, ocasionando inúmeras vicissitudes nos relacionamentos sociais desses indivíduos”, aponta a pesquisa.

Em metade das ocorrências envolvendo menores, há um histórico de estupros anteriores. Para o diretor do Ipea, “o estudo reflete uma ideologia patriarcal e machista que coloca a mulher como objeto de desejo e propriedade”. Ainda de acordo com a Nota Técnica, 24,1% dos agressores das crianças são os próprios pais ou padrastos, e 32,2% são amigos ou conhecidos da vítima. O indivíduo desconhecido passa a configurar paulatinamente como principal autor do estupro à medida que a idade da vítima aumenta. Na fase adulta, este responde por 60,5% dos casos. Em geral, 70% dos estupros são cometidos por parentes, namorados ou amigos/conhecidos da vítima, o que indica que o principal inimigo está dentro de casa e que a violência nasce dentro dos lares. 

Algumas questões que surgem e que precisamos abordar quando falamos dessas estatísticas:

– Se depois de certa idade essa violência diminui porque carregamos ainda o mesmo medo?

– Se as violências acontecem em casa, por que não se fala em “prevenção” dentro dos relacionamentos entre conhecidos?

– E a pergunta mais dolorida: como proteger as crianças e adolescentes?

A proposta desse texto é refletir sobre a última questão.

Primeiro, acho importante refletir sobre a natureza desses abusos. É bom pontuar que ainda que meninas sejam percentualmente mais vulneráveis existe também uma porcentagem significativa de meninos que sofrem abusos. Outro ponto delicado é que uma parte expressiva desses abusos são cometidos por outras crianças e adolescentes mais velhos.

E qual seria a solução? Privar as crianças e adolescentes de contato com outras pessoas? Manter uma vigília eterna?

Além de inviáveis, essas soluções são obviamente prejudiciais à convivência e ao desenvolvimento delas. O que precisamos fazer urgentemente é começar a encarar essa realidade e a desconstruir a cultura do estupro desde a infância. Mas como tratar de um assunto tão delicado com elas? Um caminho viável é começar a trabalhar com a ideia de consentimento desde cedo. Já se fala por exemplo da necessidade de parar de forçar crianças a receberem beijos e abraços de pessoas conhecidas. Crianças precisam aprender a respeitar seus próprios limites e a identificar e denunciar intimidade forçada.

Outro ponto importante é ensiná-las a não fazer o mesmo com as outras. Se a outra criança não quiser brincar/abraçar/beijar ou ainda fazer /receber cócegas então sua vontade deve ser respeitada. Pode parecer bobo, mas quantas vezes já não presenciamos a cena de uma criança puxando a outra para um beijo e abraço e achamos bonitinho? Mais uma vez, não estou defendendo que interações e carinhos devam ser proibidos, mas que desde de criança se ensine a respeitar o espaço pessoal, as vontades próprias e os limites dos outros.

Outro ponto delicado é sobre aprender a ouvir as crianças. Muitos relatos sobre violência são desacreditados, relativizados ou até ignorados nessa fase. Isso traz um impacto avassalador no desenvolvimento delas. Muitas vezes é preciso bastante tempo para elaborar a situação, em alguns casos são necessários anos para isso. Mas algumas crianças apresentam mudanças de comportamento e tentam denunciar de alguma forma e, é a forma com que esses sinais são ou não acolhidos que podem contribuir para aumentar um sentimento de vergonha e culpa, ou até desencadear alguns transtornos psicológicos e físicos. Saiba mais sobre como identificar esses sinais no link: Como identificar sinais de abuso sexual em crianças e adolescentes.

Importante ressaltar que abusos nessa fase não necessariamente vão deixar marcas, e podem muitas vezes não se tratar de um caso isolado. Por isso a observação é importante.

Entre pré-adolescentes e adolescentes outros fatores ainda devem ser observados. É nessa fase que muitas pessoas começam a explorar a própria sexualidade e como buscar intimidade. Nesse momento não apenas a família, como amigos, religião e toda cultura pop vão influenciar as decisões e a forma de encarar essa fase.

É o momento de buscar um debate mais aberto e profundo sobre sexualidade e relacionamentos. Reforçar a importância de reconhecer e respeitar limites, que existem muito mais formas (geralmente mais saudáveis) de se relacionar do que mostram filmes, novelas ou a pornografia. E buscar desconstruir mitos, por exemplo, os relacionados a “natureza masculina” de que eles não conseguem se controlar, que a vontade dos meninos tem que prevalecer ou que só eles gostam de verdade de sexo. Também importante desconstruir a ideia de que são as mulheres que “pedem” ou que a primeira vez necessariamente vai doer.

Claro que existem diversos tabus relacionados à sexualidade, mas enquanto não defendermos e buscarmos formas mais saudáveis de relacionamentos vamos continuar indiretamente contribuindo para que essas violências aconteçam.

Resumindo: se informem, conversem, ouçam, observem as crianças e adolescentes. Mesmo que não se possa evitar que determinadas violências ocorram ainda é possível diminuir o impacto em suas vidas.

[+] O que é estupro? E por que os homens se sentem a vontade para realizá-lo?

[+] Hoje eu quero voltar sozinha: a necessidade de desconstruir mitos sobre a violência contra as mulheres.

Imagem: Museu da Educação e do Brinquedo. Foto: Marcos Santos/USP Imagens.

A ‘Lei do Amor’ não vale para as mulheres

Texto de Bia Cardoso para as Blogueiras Feministas. Atualização sobre o ator José Mayer no fim do texto.

Em 2014, escrevi sobre a novela ‘Amor a Vida’. Achava que ali seria o máximo de misoginia que veria numa novela do século XXI. Afinal, os tempos mudaram, não é mesmo? A violência contra a mulher é assunto constante na mídia, correto? Porém, veio ‘A Lei do Amor’ e não há mesmo como entender a existência dessa novela que escorre machismo e misoginia por todos os poros.

Pelo título, entende-se que o amor prevalecerá como a grande lei. Até aí, não espero muito. Não espero que novelas saiam do maniqueísmo ou da dicotomia de personagens bons e maus. Fora as constantes cenas de tapas e acertos de contas baseados em violência, o que me incomoda é como as mulheres são constantemente humilhadas, violentadas, escorraçadas e muitas vezes mortas; enquanto os homens, bons ou maus, com erros ou acertos, sempre encontram um caminho para redenção.

Até mesmo o mocinho da novela, Pedro (Reynaldo Gianechinni), que sempre pareceu tão correto acaba ficando com uma ex-namorada enquanto mantinha um compromisso monogâmico com Helô (Claudia Abreu). E a cena revive o mesmo drama da personagem quando eles se separaram 20 anos antes. Porque não basta a mocinha ter sofrido uma grande decepção amorosa no passado, ela vai ter que reviver tudo mais uma vez, além de cometer o mesmo “crime” de esconder dele uma gravidez. Enquanto o mocinho, pôde se levantar e apenas dizer que foi só uma noite entre duas pessoas que se gostam e que ela é uma pessoa muito cruel por esconder mais uma vez uma gravidez dele. A trajetória da mocinha é uma constante repetição, enquanto o mocinho pode até se dar ao luxo de cometer erros sem perder sua coroa de bom moço.

A novela tentou tratar do tema da prostituição de luxo. Três jovens bem nascidas decidiram ser prostitutas apenas por dinheiro, como consequência, deixaram suas famílias arrasadas e foram espancadas pelo vilão Tião Bezerra (José Mayer). Nenhum personagem questionou a profissão de prostituta como sendo algo que coloca a mulher numa situação vulnerável, todos condenaram as mulheres por serem vadias, por quererem vida fácil. Sabemos o quanto estamos longe de garantir segurança, oportunidades e direitos trabalhistas para as prostitutas, especialmente as que não estão no mercado de luxo, mas ver uma novela em 2017 tratar o tema como se fosse uma imoralidade cansa demais.

Inclusive, ‘vadia’ é uma palavra que saia o tempo todo da boca de Fausto Leitão (Tarcisio Meira). Um homem que começa como político inescrupuloso, fazendo negociatas, garantindo a prosperidade de seus negócios através da corrupção, mas que após um grave acidente de carro onde morre a mulher que ama, vira um santo que requer cuidados e que quer justiça, pois a culpada de tudo é sua esposa: Magnólia Leitão (Vera Holtz). Quem vê pensa que ele nunca participou de nada, um ingênuo, sabe?

Porém, o mais assustador nessa novela foi acompanhar as trajetórias de Magnólia (Vera Holtz) e sua filha Vitória (Camila Morgado). Especialmente quando comparadas a seus pares masculinos: Tião Bezerra e Ciro (Thiago Lacerda).

Desde o início, havia a expectativa de que Magnólia seria uma grande vilã. A riqueza, o cabelo platinado, a ironia. Logo descobrimos que era uma mulher impetuosa, vingativa e má. Quando jovem, ela queima o peito do peão Tião Bezerra com o ferro em brasa usado para marcar os tijolos da olaria de seu pai. É claro que imaginava que Mag ia sofrer as consequências disso, até porque ela matou pessoas, mentiu, fez todas as maldades possíveis. O problema é que a partir do momento em que é desmascarada, Mag passa a sofrer inúmeras humilhações até o fim da novela, enquanto seus parceiros de crime, Fausto e Ciro, são perdoados totalmente. Foram manipulados, coitadinhos. Tião, que também mata, violenta e faz todas as maldades possíveis não sofre humilhações públicas, no máximo gritam com ele.

E nesse caso há mais perversidade na misoginia. A grande humilhação de Mag, arquitetada pelos personagens bonzinhos, é expor numa festa um vídeo dela transando com o genro, Ciro. Ninguém sabia que os dois tinham um caso. A mulher é corrupta e assassina, mas como podemos realmente humilhá-la? Expondo sua vida sexual para as pessoas, não é mesmo? Ainda bem que não me lembro de ter ouvido algum personagem questionar a idade de Mag para transar. Ciro saiu quase ileso desse episódio.

Após isso, ela sofrerá inúmeras humilhações sendo obrigada a se casar com Tião Bezerra, um personagem tão inverossímil quanto misógino. Tião era um peão numa olaria que virou banqueiro apenas movido pelo sentimento de vingança que nutria por Magnólia. É o sonho dourado da meritocracia capitalista. A única função de Tião é infernizar a vida das pessoas sem razão. Persegue Helô sem amá-la, espanca todas as prostitutas, mata qualquer um que atravesse seu caminho, mas deixa as pessoas que sabem tudo sobre ele vivas. Em determinado momento da trama descobre-se que ele é pai de Flávia (Maria Flor) e que ela é fruto de um estupro, aí começa uma trama para Flavia ter sua paternidade reconhecida. Sim, esse absurdo mesmo. O sujeito é assassino e estuprador, mas sabe o que vai acontecer com ele no fim da novela? Vai ter um AVC e terminará a novela num quarto de hospital. Mag morrerá, se jogará na frente de um trem para fugir da perseguição de Tião.

Paralelo a tudo isso, há a trama de Vitória. Pobre menina rica que desde jovem frequentava baladas e aparecia constantemente bêbada. Apaixonada pelo professor do cursinho, foi obrigada pela mãe a se afastar dele e casar com Ciro, que nunca a amou e com quem sempre teve uma relação abusiva. Vinte anos depois, quando descobre que está grávida, se separa e retoma o relacionamento com Augusto (Ricardo Tozzi). Parece que tudo vai dar certo. Porém, Vitória descobre que o pai de seu filho não é Ciro, mas sim que ela foi estuprada. Várias vezes as pessoas dizem que ela não deve fazer a menor ideia de quem é o pai da criança, pois vivia bêbada. Vitória entra em depressão, não quer mais saber do bebê e nem do casamento com Augusto. Até que o estuprador aparece na trama, ele é Leonardo (Eriberto Leão), amigo de Augusto que a estuprou num lavabo durante uma festa.

Ao contar para Augusto que Leonardo a violentou, aconteceu o seguinte diálogo: – “Eu sinto te desapontar, mas esse teu amigo não vale nada. Foi ele que me estuprou no lavabo”. – “Você tem certeza de que o Leo é pai do Caio? Desculpe, meu amor, mas você estava embriagada! Até pouco tempo nem se lembrava que tinha sido estuprada”.

Acredite, isso é dito pelo personagem bonzinho que a ama na novela. Para finalizar, Vitória não denuncia Leonardo, mas Augusto bate nele e o manda nunca mais aparecer. Coitada da mulher que não tem um homem para defendê-la nesses casos. Separado de Vitória, Ciro posa de magnânimo por ter “assumido” um filho que não era seu, decide colaborar com a polícia para colocar Mag na cadeia e retoma o relacionamento que viveu há 20 anos com Yara (Emanuelle Araújo). No fim, será condenado a 12 anos de prisão, mas a namorada promete esperá-lo com lágrimas nos olhos. É isso, não importa se o cara passou 20 anos sendo corrupto e comparsa de Magnólia em diversos crimes, no fim ele receberá o que eu desejaria para todos os vilões, um julgamento justo.

Como em todas as vezes que falamos sobre novelas, muita gente vai olhar esse texto e dizer: mas pra que você continua vendo isso? Novela da Globo nunca ensina nada de bom. Por isso, vale lembrar que as novelas da Globo ainda são responsáveis pelas maiores audiências da televisão brasileira, um meio de comunicação que está presente na grande maioria dos lares brasileiros. Influenciam a maneira como as pessoas se vestem e também a maneira como discutem questões sociais. São produto de entretenimento, mas que ainda agregam valor na formação da moralidade brasileira. Portanto, é preciso analisar essa violência explícita e recorrente contra as mulheres nas novelas e como os personagens homens sempre são tratados de forma absurdamente diferente. O recado continua sendo o de que a lei e o amor só devem pertencer aos homens.

Atualização em 31/03/2017: A Folha de São Paulo publicou no blog #AgoraQueSãoElas o relato de Su Tonani, figurinista que trabalhou na Rede Globo e fala sobre o assédio e abuso que sofreu do ator José Mayer durante a novela A Lei do Amor; “José Mayer me assediou”. Todo apoio a Su Tonani!

[+] Machismo, confusão e mais do mesmo: 10 erros difíceis de perdoar em ‘A Lei do Amor’.

Imagem: cenas dos personagens da novela ‘A Lei do Amor’, divulgada pelo jornal Extra.

Por que nos calamos diante do assédio?

Texto de Patricia Anunciada para as Blogueiras Feministas.

Sabemos que, como mulheres vivendo em uma sociedade machista, racista, homofóbica, marcada por desigualdades, estamos sujeitas a toda sorte de preconceitos de acordo com nossa estética, nossa posição social, nossa cor, nossa orientação sexual e, claro, nosso gênero. Infelizmente o assédio está constantemente presente em nossas vidas, marcando-nos e limitando nossa atuação na sociedade.

Somos ensinadas desde pequenas a nos comportar e vestir adequadamente para não dar margem a investidas masculinas. Aprendemos que o sexo masculino é predador e que nós é que devemos afastar esse instinto predador, já que nós é que temos o poder de despertá-lo por meio das “liberdades” que damos e da imagem que possivelmente podemos passar.

Quando sofremos assédio, independentemente do lugar e da situação, muitas de nós nos sentimos coagidas e não conseguimos agir rapidamente para inibir quem nos assedia. Lembro de uma vez em que estava voltando do trabalho e um homem me abordou. Achei que ele fosse me pedir uma informação, mas ele na verdade me perguntou como ele fazia para entrar em mim. Fiquei tão chocada que não consegui responder, saí de perto dele e comecei a chorar.

Em outra situação estava sentada no ônibus voltando do trabalho e um homem sentou ao meu lado apesar de o ônibus estar vazio. Ele estava olhando insistentemente para mim, mas não dizia nada. Estranhei porque percebi que havia algo estranho. Ele estava com uma pasta preta no colo. Na hora em que me levantei pra descer, percebi que na verdade ele estava se masturbando. Novamente fiquei chocada e não consegui reagir. Apenas desci do ônibus me sentindo um lixo.

Em outra situação, estava indo trabalhar e um homem começou a me seguir de carro. Ele ficava me chamando e tentando me encurralar, atravessava a rua e ele vinha atrás. Nunca tive tanto medo e toda a minha vida. A rua estava cheia, mas a impressão que eu tinha era que eu estava sozinha e que ninguém poderia me ajudar. No final entrei em um boteco que estava lotado e ele foi embora.

Hoje, refletindo sobre essas situações e muitas outras que nós mulheres em geral passamos, percebo como geralmente somos educadas para aceitar o assédio como se ele fosse algo corriqueiro e não uma violação de nosso espaço, de nossa intimidade. Os homens agem conosco como se nosso corpo fosse um território livre.

Sendo assim, uma das possíveis saídas para que as mulheres se emancipem de fato e sejam donas de seus próprios corpos e de sua própria mente é uma educação pautada pelo feminismo, sem reproduzir estereótipos de gênero. Devemos ser educadas não para a aceitação e o silêncio, mas para o questionamento de estruturas que legitimam a violência contra nossos corpos.

O machismo está nos mínimos detalhes e devemos sempre fazer ecoar nossa voz para que ela não seja abafada. Devemos ocupar espaços de poder, que historicamente nos são negados, e nos tornar protagonistas para que nosso movimento não seja esvaziado por homens que se acham no direito de serem porta-vozes do movimento feminista

Autora

Patricia é paulistana, formada em Letras, com especialização em literatura, professora de Português e Inglês, ávida pesquisadora de questões de gênero e literatura africana e afro-brasileira.

Imagem: Ilustração de Gabriela Shigihara para a Campanha Chega de Fiu-Fiu do Think Olga.