A alma do negócio

Texto de Barbara Lopes.

“Somos capazes de ser tão inteligentes ou estúpidos quanto o mundo quiser que realmente sejamos”.

A frase está no romance Pastelão, do Kurt Vonnegut, numa carta que o narrador e sua irmã, ainda crianças, mandam a seus pais. Crianças são assim: têm uma sensibilidade e uma percepção enormes para descobrir o que o mundo espera delas e se esforçam para se adaptar e se transformar exatamente nisso.

Uma das maneiras como o mundo diz às crianças o que quer que elas sejam é através da publicidade. Tem um vídeo muito bacana mostrando como são diferentes as propagandas de brinquedo para meninas e meninos. Para meninas, são valorizados cuidados domésticos, beleza e popularidade. Para meninos, competição, poder e criatividade. (O vídeo está em inglês, mas aqui tem a tradução do Google pra transcrição; meio tosca, mas dá pro gasto). A conclusão do vídeo, com qual eu concordo, é que a publicidade para crianças deve ser proibida ou, pelo menos, altamente regulada.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=rZn_lJoN6PI&feature=player_embedded]

A maneira como esses estereótipos de gênero limitam as possibilidades das crianças fica clara no vídeo. Mas eu fiquei pensando em outro aspecto. Nós vivemos uma matança de meninos. Um estudo da UNICEF, Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Observatório de Favelas e Laboratório de Análise da Violência mostra que o índice de adolescentes assassinados é altíssimo e que a maior parte das mortes é por arma de fogo. Meninos tem risco 12 vezes maior que meninas e negros 2,6 mais que brancos.

Não dá pra simplificar o problema, que inclui uma série de outras questões – racismo, acesso fácil a armas, violência policial são algumas. Não é uma relação direta, de acreditar que uma imagem, sozinha, é culpada por toda a violência. Mas propagandas e preconceitos não são inocentes nessa história, são o mundo dizendo que quer que meninas sejam bonitas e meninos lutem. Quando isso se junta com outras condições, o resultado é explosivo.

A gente pode querer bem melhor.

Por um movimento consistente

Texto de Maia Cat.

O que antes parecia uma vaga idéia agora se assoma como uma possibilidade real para mim: um movimento feminista que realmente tenha voz. Isso por causa da lista das blogueiras feministas, que reune em torno de 150 participantes interessadas na causa. Gente, não sei se fui acometida de alguma espécie de otimismo bobo e ingênuo, mas essa me parece uma oportunidade que não podemos desperdiçar. Começamos devagar, mas agora as discussões já estão sempre andando na lista, sempre com participação, idéias interessantes e respeito entre todas. Um novo mundo praticamente se abriu pra mim. No começo, quando passei a me interessar pelo feminismo, só achava páginas e blogs em inglês na internet sobre o tema. Mal sabia eu que havia uma série de blogueiras falando sobre a causa. Demorei a achar, e olha que procurei por um bom tempo! De fato, às vezes tenho a sensação de que somos invisíveis na internet. E agora, não são só os blogs ótimos que encontrei: temos a possibilidade de nos falarmos entre todas, saber quem somos, compartilhar as idéias  ehistórias.

Reunidas, podemos explorar cada vez mais as ferramentas da internet não individualmente, mas como grupo. Claro que é um grupo pequeno ainda, de pouco alcance. Mas tem tanta idéia boa, tanta gente boa, e de tantos lugares do Brasil, e algumas que até moram fora, que permaneço acreditando que é uma oportunidade boa demais. As discussões na lista têm que continuar, mas deveriam servir de pauta, antes de tudo, para nossas ações como grupo. O blog é um começo. Mas quero ainda ver isso crescer: vídeos (como já começaram), twitter (só eu que ainda não entendo nhecas disso), blogs, campanhas, petições, busca de espaço na mídia mais tradicional, sei lá! Qualquer coisa pra chamar atenção pra causa é válido (claro, menos roubar, matar e essas coisas :D ).

E aí, sou só eu que tô empolgadinha?

A próxima top model

Texto de Mari Moscou.

Olá, queridas e incipientes leitoras deste belíssimo blog!

Me chamo Marília, mais conhecida por aí como Mari Moscou ou, no twitter, como@mariliamoscou. Sou paulistana, tenho 24 aninhos e milito como feminista desde minha adolescência. Sou socióloga da educação, mestranda da Unicamp e estou prestes a me casar com o homem da minha vida. Que lindo!

Para minha “estréia” (uhu) escolhi um programa que acompanho e que muitas das minhas companheiras blogueiras assistem chamando-o de “guilt pleasure”, ou o prazer da culpa: America’s Next Top Model. A “culpa” no caso seria por acompanhar com prazer um programa que apóia a indústria da moda e da beleza, que são responsáveis diretas e indiretas por padrões inatingíveis de beleza e baixa auto estima entre adolescentes e adultas – parte de um grande esquema de culto ao corpo.

Até aí, meninas, pensemos juntas: qual programa de TV não faz isso? Mesmo reality shows, raramente escolhem pessoas muito fora do padrão para participarem (exceto “Perder Para Ganhar”, mas aí já é outra história).

O que eu acho bacana no America’s Next Top Model é que no programa fica muito claro que ser modelo não é ser bonita. É preciso um investimento muito grande da menina em sua carreira, é preciso uma série de habilidades e estratégias pessoais. É um trabalho MESMO. Isso desmistifica a idéia de que uma profissão feminina como a de modelo, “vale menos” ou tem status menor do que a de jogador de futebol, por exemplo, “porque ele treina”.

Além disso, a Tyra Banks é mesmo uma business woman de muito sucesso, comanda o programa, edita, dá dicas, etc. e aparece como um modelo a ser seguido: carreira de modelo que a lançou para realizar outros projetos próprios. Projetos próprios, olha como isso é bacana!

Talvez eu só esteja muito empolgada com coisas que a maioria das pessoas nem identifica como o mais legal ou mais importante do programa. Mas fico tão feliz com estas coisinhas que resolvi compartilhar aqui.

E você: já assistiu America’s Next Top Model? O que achou?