É tempo de carnaval. Bora colocar o salto de acrílico!

Texto de Camilla de Magalhães Gomes.

Sábado de carnaval, você aí no meio da folia. E carnaval é festa, música, fantasia. Parece ser, até mesmo, o tempo de trocar rótulos por fantasias. E se fizéssemos isso todos os dias: abandonar os rótulos, trocando-os, simplesmente, pela liberdade?!

Nessa onda carnavalesca de liberdade e fantasia, venho defender o Direito Fundamental de Usar Clear Heels. Certo, bora logo explicar o que quero dizer com isso, antes que a interpretação pegue a rua errada.

Foto de Xavier Donat no Flickr em CC, alguns direitos reservados.

A história toda começa aqui, com esse vídeo do Chris Rock. Nele, o comediante se refere aos famosos saltos de acrílico e como eles pareciam ter se transformado em uniforme de prostituta. (ok, sei que o vídeo é bem machista, mas gosto muito desse show inteiro e de algumas colocações do Chris sobre, por exemplo, o american way of life ou a questão racial). A verdade, no entanto, é que passei a adotar os tais saltos de acrílico como simbologia  inversa: símbolo da liberdade feminina. Como o fim dos rótulos e da dicotomia santa-puta. Como a liberação da sexualidade feminina, a significar tão somente a devolução dessa a quem efetivamente sempre pertenceu: A MULHER.

É claro que essa historinha toda acaba remetendo ao caso Sandy. Nem sei se quero falar disso, mas… Recomendo dois textos com visões diversas do episódio. Minha birra com essa história toda está nessa necessidade de pautar toda mulher por sua sexualidade e esquecer que entre Eva e Maria existe, simplesmente, a mulher.

Nessa necessidade de transformar a sexualidade de cada mulher em objeto de discussão do mundo: se está lá para santa, então, “ah, não pode ser, ninguém é assim tão correta e pura”. Se está lá para puta, então, “deus, como ela pode ser assim promíscua, onde o caráter?”.

No final, só penso: que mal haveria em Sandy continuar sendo a boa moça?! Será que ninguém ainda percebeu que há tanta liberdade em declarar-se “moça direita” quanto em declarar-se “prafrentex”, desde que qualquer uma dessas declarações venha da escolha livre e unicamente feita pela própria mulher?! Desde que não seja a representação de uma imposição, de um “tem que ser”?! A minha birra é acreditarem que “temos que ser” ora correta, ora devassa, como condição de aceitação.

Por essas e outras o salto de acrílico deveria ser símbolo: símbolo do direito de escolha de toda mulher. Da defesa do direito de irmos da santa a puta, do sapato boneca ao salto de acrílico, sem que um rótulo venha de presente.

Defesa do direito de que seu salto de acrílico possa ser uma havaiana, uma sapatilha de ballet, um tênis all star, um scarpin Louboutin, uma pantufa; e você, como todas as outras, será, simplesmente, mulher.

Reconhecer a imensa diferença entre o uso da imagem feminina (seu corpo, sua infatilização, sua objetificação)  de um lado e a sua decisão de usar ou não seu corpo e seu sexo de outro. Na liberdade, a diferença. E na liberdade, a dificuldade. Às vezes me pergunto se caberia um habeas corpus pra ser, simplesmente, mulher…

Esse rótulo nós aceitamos.

Para onde o machismo vai nos levar?

Texto de Barbara Manoela.

Simone de Beuvoir já dizia que “não se nasce mulher, torna-se mulher”. E durante muitos e muitos anos, a mulher vem lutando por seu lugar na nossa sociedade.

Essa luta vem de muito tempo: no período Mesolítico, o homem conseguiu dar grandes passos rumo ao desenvolvimento e à sobrevivência de forma mais segura. O domínio do fogo foi o maior exemplo disto. Com o fogo, o ser humano pôde espantar os animais, cozinhar a carne e outros alimentos, iluminar sua habitação além de conseguir calor nos momentos de frio intenso. Outros dois grandes avanços foram o desenvolvimento da agricultura e a domesticação dos animais. Cultivando a terra e criando animais, o homem conseguiu diminuir sua dependência com relação a natureza. Com esses avanços, foi possível a sedentarização, pois a habitação fixa tornou-se uma necessidade.

Neste período ocorreu também a divisão do trabalho por sexo dentro das comunidades. Enquanto o homem ficou responsável pela proteção e sustento das famílias, a mulher ficou encarregada de criar os filhos e cuidar da habitação.Não havia submissão, mas sim ajuda mútua entre os sexos e, em decorrência disso, as bases para o surgimento das primeiras grandes civilizações se estabeleceram.

Os anos se passaram e muitas coisas mudaram. Mulheres foram queimadas vivas na Idade Média, acusadas de bruxaria. No século XVI, negros começaram a ser trazidos para o Brasil, como escravos, e mulheres negras eram estupradas pelos seus “donos”.

Estamos em pleno século XXI. Revolução tecnológica, internet, as pessoas se conectam de todas as maneiras possíveis e compartilham conhecimento e experiências. E o que mudou no mundo? Pouca coisa. Posso estar sendo pessimista, até. Mas a violência continua matando mulheres em todo o mundo.

Houve um tempo em que homens e mulheres se respeitavam e se ajudavam, e assim, civilizações surgiram, descobertas aconteceram e dessa forma, conseguimos chegar até aqui.

E agora? Qual o caminho para conseguirmos ser respeitadas por nossas próprias escolhas, nossa TPM, nossa sexualidade, nossa capacidade de realização? Desejo, sinceramente, que o machismo nos leve a uma mudança de valores e ao rompimento de paradigmas, e que possamos construir um mundo mais justo e igualitário, para todos e todas.

—–

Barbara Manoela não traz a pessoa amada, mas sabe aonde a dela está.

Feminismo: ser ou não ser mãe?

Texto de Cecilia Santos.

Nós mulheres sofremos tanta pressão, opressão, repressão e imposição de todo lado que o tópico dispensa maiores comentários. Porém, os problemas aumentam muito quando se trata da mulher no papel de mãe – e da mulher que não é mãe.

No trabalho, merecemos menos oportunidades e reconhecimentos porque supostamente, como mães (ou mães potenciais), somos menos dedicadas aos interesses de nossos empregadores e seus acionistas. Ah… muitas vezes são mulheres julgando mulheres.

Pode ser que a professorinha do seu filho pequeno também te julgue por não se dedicar integralmente aos cuidados do pequeno. Talvez ela não tenha filhos ou não se coloque no seu lugar.

Pode ser que a mãe executiva olhe pra mãe dona-de-casa com desconfiança, pensando: como ela consegue viver essa vidinha medíocre, dependendo do marido? E talvez a mãe dona-de-casa veja a mãe executiva como uma egocêntrica que nunca deveria ter colocado filho no mundo.

E pode ser que ambas quisessem para si uma vida ligeiramente diferente, mas não tenham condições para isso. E podem ser que elas estejam realizadas nessa vida e ninguém tem nada com isso, pronto. Por que somos sempre julgadas, e muitas vezes por outras mulheres? No mundo todo tem mulheres (mas não só) esbravejando contra a ganhadora do Oscar Natalie Portman, grávida de 5 meses, que declarou seu orgulho de futura mamãe na cerimônia de entrega do prêmio.

Mas, com certeza, toda mãe é lembrada quando seus monstrinhos se comportam mal, porque, afinal, a educação dos rebentos é responsabilidade da mamãe. O pai costuma entrar com um espermatozoidezinho microscópico e a imposição da preferência por um time de futebol.

Foto de chableproductions no Flickr em CC, alguns direitos reservados.

Bom, mas para ser mãe, é preciso passar pelo que não pode (pelo menos ainda) ser delegado a terceiros: a gestação e o parto. Para algumas é uma fase linda e inesquecível; para outras, o inferno em vida.

Primeiro o sistema de saúde, seja público ou privado, não ajuda. Sempre tem um profissional da saúde que se acha bem mais capaz de decidir sobre nosso corpo do que nós mesmas. Mas as mães ainda conseguem se dividir em dois times: de um lado, as defensoras de parto natural, anos de aleitamento, massagem shantala, yoga e outros babados zen; de outro, as mulheres que não puderam ou não quiseram fugir de uma cesariana e que amamentaram somente durante o período regulamentar, com o bebê entre o peito e o notebook. E claro que sobram patrulhamento e acusações de parte a parte.

Não seria melhor ambos os times unirem forças e investirem contra os sádicos que se julgam autorizados a fazer mulheres parirem, cuidarem e amamentarem com o máximo possível de dor e humilhação?

Para quem pensa que ser mãe é difícil, vocês não viram nada. E a mulher que decide não ser mãe? Essas são secas, estéreis, não realizadas, egoístas, insensíveis. São aquelas olhadas de esguelha nos almoços de família, como seres incompletos – inclusive as mulheres que, sem nunca ter parido, são ou foram mães de seus sobrinhos, irmãos ou pais.

Aí a gente chega na principal bandeira de muitas feministas: o aborto. Sem dúvida que a descriminalização do aborto é uma demanda para ontem – assim como segurar a onda dos grupos e parlamentares ultraconservadores que tentam reverter as poucas conquistas obtidas nesse campo. Colocar-se no lugar da outra, quem quer? Uma criança estuprada pelo padrasto pode morrer numa mesa de parto, contanto que seu feto gerado em condições desumanas seja protegido.

Nós, feministas, precisamos estar atentas também às necessidades da mulher que decide não abortar pela razão que for – ainda que de ordem moral ou religiosa, não nos cabe julgar mas apoiar e proteger. É muito cruel que mulheres se submetam ao risco de serem criminalizadas ou torturadas (e de carregaram sequelas físicas e psicológicas), porque dar à luz uma criança numa sociedade que não proporciona uma rede minimamente decente de proteção social e universal à mulher, e a seus filhos, é uma opção ainda menos viável diante de uma gravidez indesejada.

Ser mãe não é obrigação nem condição para nada. A legislação brasileira diz que o Estado é laico, mas a gente sabe que desde sempre ele é dirigido por valores morais. Para sermos uma nação madura e desenvolvida, é preciso, entre muitas outras coisas, que a mulher possa decidir sobre seu próprio corpo e direitos de reprodução sem ser criminalizada ou discriminada.

Mas péra lá, como fica o homem na discussão do aborto? Por que sempre sobra para a mulher? Tem pai que paga um aborto, tem pai que abandona, tem pai que assume e dá uma ajudinha (quase sempre na mesma proporção do tamanho do óvulo para o do espermatozoide). Mas quando as coisas dão errado, homem nenhum é criminalizado. Nem são maltratados por médic@s e enfermeir@s, nem excomungados por bispos possuídos. Eu só espero que as defensoras das mudanças nas leis envolvendo direitos reprodutivos não se esqueçam de exigir responsabilidades também para os homens.

Mulheres, já sabemos que nossa vida não é nenhum piquenique. Então sejamos solidárias, compreensivas, generosas com as diferenças, com as escolhas de cada uma.

Em tempo: sou mãe de um aborrecente lindo e complicado, como aliás são os aborrecentes em geral. Às vezes penso que ser mãe é equivalente, em termos de aprendizado, a cursar um doutorado (que eu não fiz) – trabalhoso, extenuante e prazeroso. Mas nem fazer doutorado, nem ser mãe são as únicas, ou melhores, ou piores opções na vida de uma mulher.