BBB, Uniban e meninas interesseiras

Texto de Nessa Guedes.

E então é natal.

(Na próxima sexta, claro, eu sei). E como vocês podem notar, eu sou uma pessoal super legal, e fiz esse post em duas versões: a escrita, e a gravada. Se vocês tiverem preguiça de ler – por causa da ressaca do fim de semana, afinal, hoje é domingo, verão, e todo mundo tá com o 13º no bolso – vocês podem simplesmente assistir o video de míseros 5min para entender a mensagem que quero passar. Se vocês não tem paciência para video, vocês podem ler o post.

E se você for muito meu amigo, se quiser me stalkear para valer, ou descer a lenha do que eu disse, faça os dois: leia o post, e veja o video. Beijos, me liguem.

[youtube=https://www.youtube.com/watch?v=9XR29FGI-m4]

Vocês vêem, essa é minha estréia aqui. Eu, menina nova, baladeira, cheia de amor para dar, na maior vibe Dance Queen – vocês lembram? -, com aquela pinta de quem tem o mundo inteiro para tirar proveito,  e os sete mares para desbravar.

E feminista até o osso.

COMO? POR QUÊ!? OH MEU DEUS, QUE DESPERDÍCIO!!! ALGUÉM FAÇA ALGUMA COISA POR ESSA POBRE MOÇA!

É tempo de dar fim aos esterótipos. Estamos no século da aceitação, do respeito, do prazer. Hoje um analista de negócios pode ser fotógrafo nas horas vagas e ter uma exposição numa galeria obscura na cidade, ao mesmo tempo que gosta de pular de asa-delta nas férias. Uma dona de casa pode ser viciada em jogar World of Warcraft. Um médico pode ter dezenas de tatuagens no corpo. E as pessoas não precisam necessariamente desconfiar da índole ou da integridade dos outros só porque sustentam muitas atividades diferentes, e acreditam em coisas que aparentemente não fazem conexão com sua “realidade”. Há uns cinquenta anos atrás era normal ser racista. Hoje é crime. Há vinte anos atrás, uma moça solteira aos 30 anos era considerada “passada”. Hoje o 30 é o novo 21.

Os tempos estão mudando. Meninas beijando outras meninas na rua, e quer doa aos seus olhos ou não, elas vão continuar beijando cada vez mais e mais, não importa o quanto você diga “mas isso não é normal!”. Meninos vão continuar beijando outros meninos na rua quer você espanque-os, ou não. Mulheres continuarão assumindo cargos de chefia e sustentando seus lares, quer você acredite que todas são putas interesseiras ou não. Você continuará passando por ridículo ao falar numa possível ameaça a heterossexualidade (#DouradoBBB10FactsByMachõesDePlantão), e o mundo continuará abrindo espaço para a livre expressão sexual das pessoas, quer você queira ou não. Quem tem que se adaptar ao mundo é VOCÊ. O mundo não gira em torno do seu umbigo conservador e medroso.

E nesses tempos de quebra de esterótipos, o primeiro que devemos tratar de repaginar é o esterótipo da feminista.

Não, eu não tenho bigode. Não, eu não ando com roupas de homens. Não, eu não sou rabugenta – embora tenha todos os motivos do mundo para tanto. Não, eu não sou mal-comida. Não, eu não tenho sovaco cabeludo.

E não, não vou esfregar aqui, na cara de ninguém, os motivos por a+b sobre eu ser feminista. Não.

Na verdade, eu quero convida-los a uma reflexão de final de ano que saia de seus âmbitos pessoais e alcance a comunidade onde vocês vivem.

Que tal trocar o “Oh, esse ano foi bom porque eu fui promovido, porque eu comprei um carro, mas foi ruim porque minha vó morreu, porque eu engordei uns quilos, etc” pelo “Esse ano foi ótimo porque elegemos a primeira presidente do Brasil, mas foi ruim porque teve o caso Uniban e o ‘rodeio de gordas’ na Unesp. O que eu devo concluir sobre a ligação desses três fatos, aparentemente distintos? No que isso influi na minha vida? O que isso significa para o crescimento do país?“… hum?

Entendem?

De Eva a Maria da Penha

Texto de Camilla de Magalhães Gomes.

E Marias e Geyses e Elizas e todas as outras no meio. Umas com as outras caminhamos e aqui nesse espaço a voz tem múltiplos tons, mas é única: é a voz do FEMINISMO. O tom que será dado nas linhas a seguir será simples: a proteção da mulher pelo Estado e pelo Direito é, ainda, uma criança. Impossível negar o avanço da proteção concedida pela Lei Maria da Penha, mas fato é que muito ainda há que se fazer. E muito se percorreu até aqui.

Quem não conhece, por exemplo, a famosa divisão do Direito Penal entre Evas e Marias? Ora sim, se esse não era o nome, assim mesmo parecia ser a maneira com que tratávamos da sexualidade feminina.

Nos séculos XIX e XX os crimes sexuais eram uma preocupação brasileira. E nesse momento destaca-se a figura de Francisco José Viveiros de Castro. O Código Penal de 1890 trouxe um Capítulo referente à “Violência Carnal”, em seu “Título Oitavo”, “Dos Crimes Contra a Segurança da Honra e da Honestidade das Famílias e do Ultraje Público ao Pudor”. Aqui então eram tratados os crimes de defloramento, estupro, rapto, adultério, lenocínio, atentados ao pudor e ultrajes públicos ao pudor.

Ora, naqueles tempos – como muitos acreditam que agora ainda deveria ser, não é, Bolsonaro? – a lei deveria servir como um fator de civilização para conter os impulsos da carne, garantindo os instintos básicos de reprodução e o respeito à honra da mulher. A pergunta mais importante, contudo é, que mulher?

O próprio Viveiros de Castro dizia que, em se tratando de crimes contra a mulher dois tipos de mulheres podiam se apresentar à Justiça: “Umas são em verdade dignas da proteção da lei e da severidade inflexível do juiz. Tímidas, ingênuas, incautas, foram vítimas da força brutal do estuprador ou dos artifícios fraudulentos do sedutor. Mas há outras corrompidas e ambiciosas que procuram a lei para fazer chantagem, especular com a fortuna ou com a posição social do homem, atribuindo-lhe a responsabilidade de uma sedução que não existiu, porque elas propositalmente a provocaram, ou uma violência imaginária, fictícia”.(CASTRO, 1932, pp. XIX – XX) Já pode chorar? Calma, ainda estamos no começo do século. Passado.

Não se esqueça que a diferença não estava apenas na “qualidade sexual” da mulher, mas também em sua classe social…, mas deixarei esse assunto para blogueiras mais qualificadas que eu… quem se habilita?

Quero ser breve… mas não posso deixar de dizer que o tal Viveiros era “discípulo” de Lombroso. Lombroso foi, no Direito Penal, o responsável pela definição do criminoso nato, inclinado para o crime desde o nascimento. É, isso mesmo. Imagine o estrago associado a nós, femmes. Disse, então o Viveiros: “A mulher sendo moça, oferece-se ao primeiro que lhe sorri e tem, assim, por uma operação rápida e agradável, dinheiro pronto e muitas vezes bem remunerador” (CASTRO, 1894, p. 202) E com essa e tantas outras, garantia a hierarquia entre homens e mulheres, o comportamento casto feminino e a contenção das mulheres “modernas”.

Veio o Código de 1940… e como somos modernos! Nele, ainda, Eva e Maria. Essa última “criminalmente” (desculpem o trocadilho infame, foi inevitável) denominada “mulher honesta” – a virgem, pura, inocente, tímida, ou a casada, merecedora de respeito, intocável. De outro lado, Eva. Pecadora, corrompida, e “dada” (desculpem mais um trocadilho infame) a uma vida sexual liberal. Não bastasse isso, havia ainda a interpretação de grandes juristas de que o estupro, dentro da relação conjugal, não seria crime. Era mero exercício regular de um direito! Ai meus sais!

Não pensem que 1940 está lá tão longe. Apenas em 2005, retiramos a famigerada mulher honesta de nossas vidas. Apenas ano passado, retiramos o aumento de pena em crime praticado contra mulher virgem. E apenas em 2006, editamos a Lei Maria da Penha. Parece que, para o Direito Penal, só agora podemos clamar a propriedade de nossos próprios corpos. E todos os direitos correlatos.

Entre Eva e Maria da Penha, o caminho de tijolos dourados é longo demais. E agora tudo parece tão doce com a 11340/06, não é mesmo? Temos até juiz que vem fazer-lhe elogios públicos e carinhosos… Afinal, o mundo é masculino.

Falei demais, eu sei. São muitas Evas e Marias… Na verdade, era só para dizer: esse espaço é fundamental. Percorremos todo esse caminho, mas cada passo parece abrir mais chão.

Duas coisas que detesto e uma que necessito

Texto de Luciana Nepomuceno.

A Thayz (do incrível e reflexivo Menina de Sardas) publicou aqui um post intitulado A Ditadura Silenciosa. Ela trata de um tema que me é caro: padrões externos para meu corpo, minha vida, meus critérios, minha alegria. Em dia de muito pensar, até já escrevi um tantinho sobre isso.

São essas idéias que retornam pra serem partilhadas aqui. É que tem duas coisas que detesto. Muito. Muito mesmo. Tanto. Ai, ai ai. Pois é. Duas coisas: quando alguém diz que estou acima do meu peso e quando alguém me diz que pareço ser mais nova, ter menos idade do que realmente tenho.

Se alguém diz algo assim: “ah, mas eu pensei que você tinha X anos” (que é qualquer idade menos do que meus 35), como se fosse um elogio… Não quero, não gosto e acho um desrespeito. Como assim? Ser mais nova é melhor? Em quê? Por quê? Porque se diz isso como se fosse um elogio? Poxa, foram bons anos, todos os 35 (ou pelo menos os que lembro, que tem uma época aí de fraldas e sono e leite e cocô a toda hora que sei não…).

Eu gosto de cada idade que tive e tenho a impressão que gosto mais a cada ano. Viver é uma delícia, porque ter as recordações e marcas disso também não pode ser? Tenho o corpo da vida que levo. Tenho o rosto da vida que levo. E tudo isso é bom e não preciso me sentir mais nova pra me sentir bem. E o que é parecer ter 25 ou 35 ou 45 ou sei lá quantos anos? Qual é o padrão de comparação? É a atriz da Globo de 25 anos, malhada e produzida? É a sertaneja de 25 anos de face curtida do sol? É a sofrida presidiária de 25 anos, pele macilenta e olhos tristes? É a minha vizinha, 25 anos de boa saúde, bem alimentada, pele amorenada e olhos sorridentes cheios de ruguinhas ao redor? Quem parece ter 25 anos pra eu me parecer com ela? Fico doidinha com isso. Não é pessoal, ok, amigas? Só fico ouriçada com o assunto. É tipo uma bandeira.

Outra coisa: eu estou acima do meu peso. Como assim? Eu nunca entendi a lógica dessa frase. Como eu posso ter um peso acima do que ele é de verdade? Meu peso é esse (não escrevo porque não sei, faz anos que não me peso, mas é mais de 60, folgado – e eu tenho enormes 1,60m). Meu peso não pode ser acima do que ele é. Entende o problema? Meu peso pode estar acima de um peso suposto ideal para alguém com algumas características minhas. Mas não pode, na realidade, estar acima dele mesmo.

É uma questão de lógica. Ele é o que é o que é o que é. E, de novo, entram em cena os padrões definidos longe e fora de mim. Como assim meu peso ideal? Ideal pra quem? Alguém perguntou minha opinião? Ideal pra eu não morrer de alguma doença supostamente ligada à minha forma? (Quero dizer que não me pesei, mas faz seis meses que fiz váaarios exames e o meu colesterol, por exemplo, está em um nível ótimo).

Então o peso é ideal para alguém parecido comigo mas que não sou eu. Alguém que não curte comer panelada de manhã no mercado, que não fica horas vendo o mar e tomando cerveja, alguém que não paga um mico por um prato de torresmo, uma pessoa que não sou eu. Outra. Meu peso pode estar acima do peso dela, desta pessoa aí que não quero ser, porque fora uma teimosia e outra, um dengo e outro, um esturro e outro, até que gosto bem muito de ser eu. Assim, desse jeitinho cheio de dentes que sou.

Mas pra cortar os resmungos, uma coisa que adoro. Gentileza. Poxa, gente, tem coisa mais linda que delicadeza, finesse, bom gosto, gentileza? Não sei se me faço clara, óbvia e evidente como queria. Quando digo gentileza digo aquele gesto de extrema consideração, aquela palavra corretamente colocada, aquela ação cortês. Acho que é isso: cortesia. Sim, um tantinho formal, mas não é isso, é ser espontaneamente polido, fino, meigo. Ai, quanto mais esclareço mais confuso fica. Eu não sei dizer como é. Só sei sentir.

Principalmente sentir falta disso, na época de esbarrões sem o pedido de desculpas, de furar filas, de estacionar em fila dupla, de juntar feminismo e nazismo sem reflexão, de de de. Eu sempre digo que a vida me trata muito bem. Mas isso não é a verdade exata. As pessoas é que me tratam muito bem. Menos as que não tratam, mas porque vou pensar nisso? Gosto de lembrar os pequenos sorrisos, os obrigadas, os pois não, os por favor.

Gostava (como diz um amigo português perfeitamente gentil e cortês que usa o pretérito imperfeito onde eu usaria o futuro de pretérito), gostava de viver num mundo de pequenas gentilezas. Faço o que posso (e as que posso) pra isso. Acho bom fazer o que quero ver. Quantas pessoas podem dizer o mesmo de seus sonhos de mundo melhor?