Maquiagem X Rosto Natural

Texto de Jennifer Frank para as Blogueiras Feministas.

Apesar de conhecer pouco sobre o universo da maquiagem, e quando digo pouco me refiro desde técnicas, tipos de produtos e tudo o que possa estar envolvido, sempre usei o básico – o que para mim é pó facial e algo que dê cor ao meu rosto, no caso batom. Claro que cada um julga o que é básico para si, mas de acordo com pesquisas, um kit básico contém corretivo, base, pó, sombra marrom, lápis preto ou marrom, rímel, blush, dois tons de batom e demaquilante. Olhando o catálogo de produtos com preços populares das marcas mais famosas, o básico custa em média R$185,20.

Nunca gastei dinheiro com tantos produtos nem para esconder espinhas, olheiras ou disfarçar a cara de sono. Minhas compras acontecem em tempos bem esporádicos, pois uso maquiagem em pouquíssimos casos, mais por questão pessoal de autoestima, que nestes momentos me faz sentir bem.

Apesar disso, não tenho problema em sair de cara limpa e que as pessoas me vejam assim (é bem provável que me encontrem dessa maneira). Muita gente se maquia totalmente por conta destes receios ou simplesmente porque gosta, o que não é problema gostar de maquiagem só para quebrar estigmas. O importante é sentir-se bem com ou sem maquiagem. Embora este comércio faça com que seja seguido um padrão de rosto julgado como perfeito: sem espinhas, sem cravos, sem olheiras, sem sardas e sem tudo o que for possível esconder ou no mínimo, disfarçar.

Continue lendo “Maquiagem X Rosto Natural”

Sobre o limbo entre a invisibilidade e o ridículo

Texto de Gabriela de Jesus.

“Capoeira que é bom sabe cair.”

Há uns anos atrás frequentei um projeto de capoeira em Guarulhos e a princípio entrei no grupo para aprender a tocar os instrumentos, mas a professora e o mestre primavam que todos tinham que saber fazer tudo, então comecei a treinar. Logo no primeiro treino, levei um golpe e cai, óbvio. FOI HORRÍVEL!

Nossa, não queria nunca mais entrar na roda, não queria ter que passar por aquilo de novo e constatei uma coisa muito interessante: EU TENHO PAVOR DE CAIR. Ninguém é afeito a cair infinitamente, mas enquanto os outros caiam e riam de si, se animavam em continuar, eu ficava eternamente envergonhada, sem saber como lidar e passei a refletir sobre essa diferença. Percebi que por ser gorda, cair é quase que um pavor constante por ser justamente a hora que as pessoas mais usam para nos ridicularizar.

Quer ver um exemplo? Quando uma pessoa magra entra num bar/ restaurante/sala de aula ela olha a cadeira e analisa se vai aguentá-la ou não? Toda vez, toda vez? Pois bem, se um magro sentar na cadeira e ela quebrar é porque a cadeira estava quebrada, agora se uma pessoa gorda sentar na cadeira e cair ela deixa de ser um “corpo invisível” para o “corpo ridículo”: Também olha o tamanho dela, não se enxerga. Come feito um boi, quer o quê? (Mesmo que nem tenha ideia do quanto a pessoa coma e isso realmente não tem a ver com ela). Também pra essa pessoa a cadeira tem que ser de ferro!!! RISOS RISOS RISOS INFINITOS RISOS nunca a alternativa da cadeira estava quebrada aparece.

Tenho refletido muito sobre como ser gorda desde sempre afetou a construção da minha subjetividade e como tenho como situações desagradáveis algo que para as pessoas é comum e até banal.

Continue lendo “Sobre o limbo entre a invisibilidade e o ridículo”

A autoestima da mulher negra

Texto de Fernanda Pedroza para as Blogueiras Feministas.

Fernanda, carioca, moreninha, cabelo ruim, companheira e amorosa. Essa foi a definição simplificada do que consigo me lembrar de como me considerava quando criança, estudando em uma escola quase que exclusiva de pessoas brancas em Curitiba.

Poderia falar de mil maneiras que essa definição afetou minha autoestima. O fato de ser “moreninha de cabelo ruim” não me afetou tanto quanto em algumas crianças que se esfregam com a bucha para ficarem brancas, mas me afetou de outras maneiras… Quando adolescente não me sentia bonita ou atraente com meu cabelo natural, o que me levava a fazer escova para me sentir mais autoconfiante. E quando me elogiavam pela beleza eu não acreditava ou questionava, não por modéstia, mas porque eu não me sentia assim.

As revistas de beleza, de moda ou até catálogo de produtos tinham várias mulheres, mas não tinha mulher negra. Como eu podia me sentir bonita ou gostar de mim se não me via representada em lugar nenhum? Acho que se eu apenas não visse não seria tão ruim… Acontece que, não só eu não via mulheres negras em lugares de destaque, como quando aparecia era sempre no papel de empregada ou sendo humilhada e rebaixada. Durante a infância e adolescência absorvemos muitas coisas que vemos no mundo. Que tipo de coisa você acha que eu pude absorver sobre “ser mulher negra”?

Continue lendo “A autoestima da mulher negra”