A autoestima e a coletividade

Texto de Patricia Guedes para as Blogueiras Feministas.

Ame seu corpo. Abrace suas curvas. Liberte seus cachos.

Isso agora tá escrito em vários lugares por aí. Tá na moda dizer que você é responsável pelo seu bem estar, pela sua saúde e pela sua autoestima, como se a coletividade que nos rodeia não tivesse nenhuma relação. Só tem um pequeno detalhe: a relação com o corpo é dialética. O que significa isso?

Imagem do Coletivo Além. Parte do ensaio 'Nus que aqui estamos por vós esperamos'.
Imagem do Coletivo Além. Parte do ensaio ‘Nus que aqui estamos por vós esperamos’.

Significa que é impossível amar seu corpo se o tempo inteiro você é olhada na rua como aberração.

Significa que não dá pra amar seu corpo se em todas as revistas de moda não tem roupas nem sapatos que você possa usar — ou por causa do tamanho, ou por causa do preço.

Significa que é inviável amar seu corpo quando “tem roupas que pedem um salto alto” ou “mulher sem salto não é mulher” e, tchanan! O salto alto não é para você.

Significa que é complicado amar seu corpo se o corpo que tem manchas, rugas, gravidade, deformidades, cicatrizes e celulite é considerado anormal e abjeto.

Significa que fica bem difícil amar seu corpo se você usa cadeira de rodas, é careca, ou apresenta alguma deformidade e só recebe olhares paternalistas de volta.

Significa que é bem difícil abraçar suas curvas quando a gordura é demonizada, odiada e ossos são idolatrados, mesmo que você precise de um transtorno alimentar para atingir este corpo.

Significa que não há como amar suas curvas se no seu trabalho você é xingada, discriminada, excluída por ter mais gordura do que o Tribunal do Whey Protein determinou.

Significa que as suas curvas só serão aceitas se elas não forem masculinizadas, como se mulheres trans* não fossem mulheres.

Significa que não tem como amar suas curvas se lá fora dizem que quem gosta de osso é cachorro.

Significa que não é possível libertar seus cachos se eles são considerados ruins(?) e analogamente comparados a instrumentos de limpeza.

Significa que não dá para se livrar da química nos cachos quando eles são constantemente relacionados a desleixo na aparência e sujeira — e você ainda pode perder o seu emprego por causa disso.

Em suma, é fácil jogar nos ombros de cada pessoa a responsabilidade por se livrar dos quilos e quilos de absurdos que temos acesso todos os dias.

A coletividade é responsável sim pela relação que temos com o nosso corpo — seja ela de amor ou de ódio. Não dá para sermos as únicas responsáveis pelo amor que se direciona a nós mesmas e aos nossos corpos, quando ódio é tudo que recebemos como resposta.

Não dá para exigirmos que todas nos vejamos como “lindas” enquanto os corpos não tiverem o mesmo valor, inclusive estético. Gracyanne Barbosa, Beth Ditto, Lizzy Velázquez, Chantelle Winnie e Laverne Cox precisam, todas elas, nos representar de alguma forma. Essa contrapartida precisa partir do coletivo, ainda que façamos, individualmente, a nossa parte.

Amem os corpos. Abracem as curvas. Libertem os cachos. No coletivo mesmo.

Nós Madalenas: uma palavra pelo feminismo

Texto da Equipe de Coordenação das Blogueiras Feministas.

Nós Madalenas é um projeto fotográfico com 100 retratos em preto e branco, naturais e sem edição em photoshop com o intuito de quebrar o padrão estético criado e imposto pela mídia. A proposta é pensar a beleza por meio de mulheres reais e únicas que se identificam como feministas.

Atualmente, o projeto busca financiamento coletivo para a publicação de um livro. O valor dessa obra está atrelado ao espaço que conquista, à quantidade de pessoas que tiverem acesso a esse material e forem levadas a uma reflexão acerca do tema. Portanto, registrar esse projeto em livro é uma forma de espalhar essa mensagem e alcançar um número cada vez maior de pessoas.

Você pode ajudar doando a partir de R$15 com boleto, cartão de crédito ou débito em conta por meio do site Benfeitoria, apoiando o projeto Nós Madalenas.

Imagem do projeto 'Nós Madalenas'. Para apoiar o lançamento do livro financeiramente basta ir ao site Benfeitoria - Nós Madalenas.
Imagem do projeto ‘Nós Madalenas’. Para apoiar o lançamento do livro financeiramente basta ir ao site Benfeitoria – Nós Madalenas.

Para saber mais, conversamos com Maria Ribeiro, fotógrafa responsável pelo projeto:

1. Por que trabalhar com palavras escritas no corpo em forma de protesto?

As palavras são uma forma de expressar a vivência pessoal de cada uma das participantes. Expressando uma palavra que representa o feminismo para ela, cada uma está compartilhando uma parte de sua história, a qual reflete muitas outras histórias, trazendo assim um “raio x” de toda uma situação de gênero na nossa sociedade.

Palavras como “acolhimento”, “poder”, “empoderamento”, “luta” expressam o que essas mulheres encontraram no feminismo e que muitas vezes transformou sua visão de mundo e sua própria vida. Mulheres começaram a se libertar das imposições sociais, das cobranças desmedidas e passaram a se amar e se aceitar de forma muito mais profunda.

Um outro aspecto do projeto que é questionador é a estética do mesmo. Eu sou fotógrafa e, além do projeto, faço ensaios femininos. A minha forma de trabalho é artística e naturalista, ou seja, não há photoshop, não há um processo de pós-produção para encaixar a mulher dentro de padrões irreais de estética que estão em voga na mídia. E eu trouxe essa linguagem para o “Nós, Madalenas” ou seja, tudo que é considerado como “imperfeição” é mostrado da forma mais natural possível: estrias, celulites, cicatrizes, formas, tudo é feito para mostrar que as mulheres são reais, e cada uma traz a sua própria beleza. Para mim é muito importante que haja imagens circulando que mostrem isso, pois o que eu mais vejo são mulheres sofrendo e deixando de se amar porque estão buscando um ideal de beleza impossível de ser alcançado, por ser totalmente irreal.

2. Quais os critérios pra definir a participação no projeto?

Não há uma seleção ou critérios, basta a mulher ser feminista e escolher uma palavra inédita para seu retrato. Foram feitos 100 retratos de mulheres de todas as idades, corpos, cores e vivências.

3. Como se dá o processo de realização da fotografia? Fale um pouco do comportamento e reação das mulheres participantes.

Cada participante é um caso diferente e cabe a mim ter tato e empatia para lidar com cada uma da forma que ela se sinta o mais confortável possível. Isso não é uma tarefa fácil, porque são pessoas que eu nunca vi na vida, que nunca me viram e eu tenho ali alguns minutos para fazer com que elas confiem em mim o suficiente para se abrirem e fazerem uma foto que transmita uma mensagem.

Pra elas também é um desafio pois são mulheres que não estão acostumadas a serem fotografadas (e a tensão que vem com uma lente apontada pra você não é fácil de lidar) e é uma experiência forte porque a foto traz um pouco da história dela, ela está realmente abrindo muito dela mesma.

Então, a gente começa com um papo, relaxa o corpo, vamos pro estúdio, fazemos alguns testes e aí que começa o processo de buscar naquela pessoa o retrato que simboliza aquela mensagem. Geralmente existe um minuto em que fotógrafo e fotografado se conectam e é naquela segundo que sai a foto. Parece que por uma fração de tempo aquela pessoa não está ali como modelo, não está tensa, não está auto- consciente, ela simplesmente se abre, e é aí que temos que pegar a foto. É um momento mágico que demanda habilidade e tato para ser atingido, mas é extremamente gratificante.

4. Como foi a repercussão das primeiras fotos publicadas?

O projeto começou pequeno e com algumas amigas. Fizemos um Tumblr para nós mesmas e não tinha divulgação. Mas as amigas fizeram, outras amigas quiseram fazer, aí as amigas das amigas também queriam e aí o projeto foi crescendo. Sem eu mesma saber ele começou a ser publicado em algumas plataformas virtuais e redes sociais e a repercussão foi bem grande. A partir desse ponto é que o projeto cresceu bastante e novas metas foram surgindo.

5. Como o livro pode expandir o projeto?

Primeiramente o livro vai trazer não apenas os 100 retratos feitos ao longo de um ano, mas também um relato de cada fotografada. O meu contato com todas essas mulheres me fez conhecer muitas de suas histórias, que são um material rico e envolvente e eu senti a necessidade de compartilhar isso também. E foi aí que surgiu a ideia do livro.

Além disso um material publicado é muito expressivo, ele traz uma marca e um sentimento de conclusão para o projeto, pelo menos de uma primeira fase dele. Como disse, considero muito importante encher essa mídia de imagens de mulheres reais, mostrar que o natural é belo e que não é preciso estar dentro dos padrões impostos pela mídia tradicional para ser bonita. Quero que as mulheres se amem e amem seu corpo independente da aprovação alheia.

E quero trazer o tema do feminismo e do seu impacto da vida das mulheres a tona, quero gerar discussão sobre o tema, gerar reflexão, quero que a questão de gênero se torne pauta cada vez mais presente em todos os ambientes pois é um tema que ainda precisa de muito trabalho de conscientização, tanto para homens quanto para mulheres.

E aí, vamos apoiar o projeto Nós Madalenas? Nós apoiamos!

[youtube=https://www.youtube.com/watch?v=jmqueNfehK4]

Vídeo: Nós Madalenas – Uma palavra pelo feminismo

Frida Kahlo: imagem, corpo e feminismo

Texto de Bia Cardoso para as Blogueiras Feministas.

Hoje, 06 de julho, Magdalena Carmen Frida Kahlo completaria 108 anos. Atualmente, é uma das imagens femininas mais populares. Assim como Che Guevara, Frida Kahlo está estampada em diversos produtos, é possível ver sua imagem em camisetas, editoriais de moda, festas à fantasia ou na bolsa de uma jovem grega na televisão que espera para sacar dinheiro num caixa eletrônico.

A chamada “Fridamania” está por toda parte, especialmente em sites, páginas e coletivos feministas. Há muito poder em sua imagem, mas até que ponto transformamos Frida Kahlo numa estética idealizada? Até que ponto essa imagem icônica e pop corresponde aos ideais e propostas da pintora politizada que fez de seu corpo uma ferramenta de resistência para pintar sua realidade?

Frida Kahlo. Foto de Nickolas Muray. Publicada como capa da revista Vogue México em 2012.
Frida Kahlo. Foto de Nickolas Muray. Publicada como capa da revista Vogue México em 2012.

Frida Kahlo: a mãe da selfie.

A pesquisadora Cátia Inês Schuh, que elaborou a tese: A prospecção pós-moderna da comunicação visual no imaginário de Frida Kahlo (.pdf), sobre a apropriação da imagem da pintora mexicana pela indústria cultural e do consumo, disse em entrevista que Frida é a mãe da selfie, já que grande parte de seu trabalho é composta por autorretratos. Essa afirmação parece explicar em parte a admiração instantânea que sentimos ao ver uma imagem de Frida. Autêntica, subversiva, intensa, provocadora. Nada em suas fotos ou em suas obras parece banal e esse me parece ser um desejo das pessoas atualmente, não parecerem comuns.

Frida Kahlo já se expunha nas redes sociais antes de isso ser modinha e, provavelmente, seria uma famosa blogueira de moda nos dias de hoje, já que desenhava e customizava suas roupas e sapatos. Cheia de dualidades, ao mesmo tempo que seu estilo presta homenagem a um vestuário feminino indígena, o que poderia ser visto como algo arcaico, sua forma de se apresentar ao mundo evidencia uma mulher contemporânea, a frente de seu tempo.

Sua individualidade e sua sexualidade estão constantemente presentes em suas representações. Frida tem como um tema central de sua obra a potência do corpo. O simples fato de seu corpo existir é uma resistência a tantas intervenções decorrentes dos acidentes que sofreu e das cirurgias que fez. E, que esse corpo seja também a ferramenta pela qual ela transforma a própria trajetória em processo de criação torna tudo mais fascinante. Então, me pergunto: por que não vemos imagens que retratam as deficiências físicas de Frida Kahlo? Por que sua feiúra é tida como algo irrelevante, quando na verdade esse aspecto parece conter toda a subversão de sua imagem?

A única aprendizagem possível: a de si mesma.

Pelos relatos(1), Frida Kahlo desde criança escondia suas deficiências. Aos 6 anos, um ataque de poliomielite a prende a cama por nove meses, o resultado é uma perna mais fina que a outra. Usa meia superpostas e botas altas para disfarçar. Seu pai, o alemão Guilhermo Kahlo, elabora um programa esportivo para ajudá-la a recuperar força e músculos: patins, bicicleta, remo, jogos com bola e lutas. Atividades pouco comuns para as meninas da época. A aproximação entre Frida e o pai fotógrafo também revela as posteriores influências em seu trabalho: luz, enquadramentos, retratos. O pai sofre de epilepsia e a solidão das doenças acaba por ser mais um ponto em comum.

Em 17 de setembro de 1925, aos 18 anos, ela sofre o grave acidente de trânsito, o ônibus em que estava bate num bonde. Segundo Frida em seu diário(2), o ônibus foi esmagado e o corrimão a transpassou como a espada transpassa o touro. Inúmeras fraturas, um mês no hospital. Quem a acompanha nesse período é Matita, a irmã mais velha que fugiu de casa aos 15 anos, com a cumplicidade de Frida, para viver com o namorado e a quem a mãe só abrirá a porta de casa após 12 anos de silêncio. Ela sai do hospital para um longo período de imobilização, em que não há como continuar os estudos e a partir daí começa a emergir sua criação:

Única aprendizagem possível: a de si mesma, captada pelo pequeno espelho das dimensões de um retrato. Único material humano: o seu, pois não pode ir ao encontro dos outros, mas sempre cercada pela expressão que os grandes retratistas alemães e italianos dão a figura humana. Desse confronto com a própria identidade nascem as problemáticas que tocam a própria essência da arte: a ilusão, o desdobramento, a relação com a morte. Bem mais que uma autobiografia, seus autorretratos se revelam como “imagens do interior” de uma mulher que se lançou em uma busca tanto existencial quanto estética, de um ser em processo de vir a ser, de uma consciência que nasce. (1 – pg. 29).

Aos 20 anos, livre do corpete de gesso, amadurecida e consciente do que precisa para lhe dar sentido, reencontra amigos e a política. Mergulha na luta comunista, onde conhece a fotógrafa-repórter, Tina Modotti. Com origem italiana e revolucionária, Tina apresenta a Frida uma representação de mulher livre que coloca sua arte a serviço da causa do povo. É também nesse período que conhece Diego Rivera, 42 anos, companheiro e colaborador, com que viveu uma relação tão intensa que nem mesmo as cartas escritas conseguem explicar toda a complexidade.

Frida Kahlo e o médico Juan Farill fotografados em sua casa por Gisele Freund. Imagem: Museu Frida Kahlo.
Frida Kahlo e o médico Juan Farill fotografados em sua casa por Gisele Freund. Imagem: Museu Frida Kahlo.

Beleza, deficiência e capacitismo

Uma mulher manca, com uma monocelha, que usa roupas extremamente coloridas e um fenótipo com fortes traços indígenas. Como pode ter virado ícone de referência estética sem que quase ninguém questione esses aspectos tão criticados nas mulheres comuns? Em seus autorretratos, Frida está sempre nos mirando. Talvez procurando uma verdade em nosso olhar ou talvez apenas indicando que ela existe, tanto quanto nós, mas que ali há uma resistência diária em viver.

É fato que a intensidade das ações de Frida Kahlo fazem com que suas deficiências físicas e limitações não sejam o que a definem. Porém, seu corpo é objeto e realização, num elo intrínseco entre vida e obra. Por três vezes, Frida desafiará a proibição dos médicos de engravidar depois do acidente, mas terá que se curvar e realizar abortos por determinação médica. Em inúmeros momentos de sua trajetória e de suas obras, o corpo é apresentado como a expressão concreta de sua consciência e militância.

O capacitismo de nossa sociedade cultua o corpo útil e aparentemente saudável. Esconder suas deficiências por meio das roupas podem indicar a maneira que Frida escolheu para enfrentar o preconceito. Vaidosa e certa de como queria ser representada, acaba por criar uma emancipação em sua forma de representação, escolhendo como gostaria de ser vista no imaginário social. Sua fragilidade, medos e receios estavam expostos em suas obras. Portanto, temos essa Frida que emerge com força, feminilidade e autenticidade nas fotografias e a Frida dos autorretratos, em que o olhar sempre marcado e o corpo exposto evidenciam suas dores.

Provavelmente, nosso capacitismo e nosso desejo de enrijecer a força desse ícone nos façam invisibilizar seu corpo físico ou vê-lo apenas como uma alegoria pictórica. Ou talvez, Frida consiga expressar tanta autonomia que cria o desejo de nos identificarmos com ela, algo que geralmente não ocorre com pessoas com deficiências, pois as vemos como incapazes, a princípio.

Pessoas que possuem deficiências nos lembram a fragilidade que queremos negar do ser humano. O pior do preconceito se dá porque não queremos que essas pessoas sejam visíveis, que sejam como nós, pois assim nos igualaríamos. Tê-los em nosso convívio funcionaria como um espelho que nos lembra que também poderíamos ser como eles. Por isso temos tanta dificuldade em tornar o mundo mais inclusivo fisicamente para quem tem limitações. A exclusão é sempre a primeira resposta para o que desafia a ideia de perfeição humana.

Exotismo, ambiguidade e excentricidade também são adjetivos usados para descrever os sentimentos que temos em relação a Frida Kahlo. Definitivamente sua imagem não nos permite ser indiferentes. Sua personalidade mostra-se em cada acessório, em cada nó da trança, na estampa dos vestidos, no detalhe dos bordados, no rosto maquiado. Há alívio em não ver a beleza perfeita? Há admiração por uma mulher ser tão autêntica e autônoma? Há o desejo de assumir essa individualidade enérgica e rejeitar qualquer forma de submissão social?

Penso que Frida Kahlo construiu esse feminismo provocativo da imagem justamente para questionarmos nossas ações e nossa forma de se ver no mundo. O que é possível criar e construir com limitações físicas num mundo tão capacitista? A arte foi sua resposta. Uma arte altamente egóica, mas que se comunica diretamente com as lutas políticas do México e com o íntimo das mulheres. Não me parece à toa que ela tenha se tornado uma figura tão popular entre as feministas, mas acho que podemos ir além da simples impressão de sua imagem em camisetas e bolsas, precisamos resgatar e amplificar sua voz e ideais que apontam para um feminismo mais inclusivo.

Referências

(1) BURRUS, Christina. Frida Kahlo: pinto a minha realidade. Tradução Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2010.

(2) KAHLO, Frida. O diário de Frida Kahlo: Um autorretrato íntimo. Tradução de Mário Pontes. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 2012.

+Sobre o assunto: Frida Kahlo e a intensidade do sentir. Por Bia Cardoso no Biscate Social Club.