Ser quem se é: o feminismo que liberta

Texto de Michelle Karen Santos para as Blogueiras Feministas.

Sou filha de Pastor e nasci em uma família onde todas e todos são evangélicos/as, e assim me identifiquei até os 15 anos. Sempre ia para a igreja, cantava, orava e fazia parte de todos os grupos que ali se formavam. Eu era a filha do pastor, a garota que deveria dar exemplo para todos/as, principalmente para as outras garotas.

Cresci vendo as lideranças da igreja sendo ocupadas por homens, e o máximo que uma mulher poderia alcançar era a liderança do grupo de crianças ou senhoras. Os espaços eram ocupados por pastores que diziam que as mulheres deviam ser submissas, comportadas como uma “dama”, cuidadosas, menos fofoqueiras, que deveriam manter relações sexuais com seus maridos mesmo sem querer, que deveriam ter filhos mesmo sem vontade, que deveriam ser sábias e edificar suas casas, que todas as mulheres deveriam ser o que a igreja dizia para elas serem.

E, com o tempo, fui vendo todas as mulheres da minha vida deixando de ser quem elas eram, escondendo suas vontades e servindo aos homens e à um deus, e me tornei a questionadora. Meu pai me dizia que eu não devia fazer tantas perguntas, e que todas as minhas discordâncias em relação à igreja só demonstravam o tanto que eu estava fora da presença de deus, e isso me irritava, porque tudo que ele dizia não respondia minhas perguntas.

Eu não entendia o motivo da nossa vontade não ser respeitada; da nossa existência ser negada todos os dias; de eu ser obrigada a arrumar um marido e ter filhos; de eu não poder me vestir da forma que eu queria; de não poder transar antes do casamento e de me descobrir. Eu era uma jovem que estava fechada em um ambiente cristão, sem poder conhecer nada de diferente, e eu não entendia porque me impediam de ser o que eu queria, até que um dia as minhas perguntas foram respondidas.

Continue lendo “Ser quem se é: o feminismo que liberta”

Curta-metragem 45 graus: mulheres, negritude e transexualidade

Uma mãe cis descobre que sua filha trans está muito doente e decide visitá-la, depois de muito tempo distantes. Em um leito de hospital, a encontra fragilizada, com as unhas pintadas, e rememora a cena em que a viu escondida dentro de uma geladeira, quando criança, pintando as unhas. A mãe, nesse instante, retira o esmalte das unhas da filha doente e potencializa o conflito dessa relação.

O quarto fica na Praça da Sé, em um hospital ao ar livre, fato que incomoda muito a mãe, que teme olhares e atitudes das pessoas que passam por ali. Em um misto entre ficção e realidade, desenrola-se um complexo reencontro, que coloca em praça pública reflexões sobre mulheres, negritude, transexualidade, identidade e preconceito, temas muito atuais, e que encontram na arte a possibilidade de se reinventarem e se livrarem das representações do senso comum.

45 graus é um projeto de curta-metragem da diretora Julia Alquéres. Ela tem enfrentado dificuldades para realizá-lo por falta de recursos. Por isso, o projeto está com uma campanha de financiamento coletivo no Catarse.

O mercado do audiovisual também reflete o machismo da sociedade e costuma designar papéis específicos as mulheres. Menos de 20% dos filmes lançados nos últimos 20 anos foram feitos por mulheres. Porém, um levantamento da Agência Nacional de Cinema (Ancine), mostra que 41% das obras brasileiras tiveram produção executiva exclusivamente feminina.

Na avaliação de Maria Cardozo, diretora artística e curadora do Fincar – Festival Internacional de Cinema de Realizadoras, é possível encontrar semelhança entre o papel reservado à mulher na sociedade e o reflexo disso no mercado audiovisual. “No entendimento de uma sociedade machista, a mulher vem para organizar, cuidar do grupo. É como se a relação de produção, que é uma gestora de equipe, tivesse relação com uma gestora de família, como um papel que cabe à mulher, e não como autora e protagonista. Os números revelam de fato o que eu consigo visualizar no meio em que eu trabalho. E é uma questão mundial”.

Para saber mais um pouco sobre as mulheres nesse mercado e divulgar a iniciativa desse curta-metragem, conversamos com a diretora Julia Alquéres:

Continue lendo “Curta-metragem 45 graus: mulheres, negritude e transexualidade”

#TodasPorLAMM

Por Stella Florence para as Blogueiras Feministas.

Olá, meninas. Tenho um caso terrível para compartilhar com vocês.

Você ouviu falar do caso de uma adolescente de 16 anos que foi estuprada pelo avô? Pois é, uma monstruosidade repulsiva. Mais repulsiva ainda (e, na minha opinião, um novo estupro) é a sentença do juiz Eduardo Luiz de Abreu Costa que absolveu o criminoso jogando a culpa em LAMM, que ficou paralisada de terror durante a violência. O magistrado alega que o estupro não ficou suficientemente provado, leia um trecho:

“A não anuência à vontade do agente para a configuração de crime de estupro deve ser séria, efetiva, sincera e indicativa de que o sujeito passivo se opôs, inequivocadamente, ao ato sexual, não bastando a simples relutância, as negativas tímidas ou a resistência inerte. (…) Não há prova segura e indene de que o acusado empregou força física suficientemente capaz de impedir a vítima de reagir. A violência material não foi asseverada, nem esclarecida. A violência moral, igualmente, não é clarividente, penso”.

Continue lendo “#TodasPorLAMM”