Câmara do Rio de Janeiro rejeita projeto pela visibilidade lésbica

Texto de Camila Marins (jornalista). Revisão de Roberta Cassiano.

Por 19 votos a 17, foi rejeitado na Câmara de Vereadores, no dia 16/8, o projeto de lei que inclui o dia da visibilidade lésbica no calendário oficial do Rio de Janeiro. De autoria da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), o projeto foi construído com os movimentos e as coletivas de mulheres organizadas na Frente Lésbica do Rio de Janeiro. A rejeição acontece no mês da visibilidade lésbica, já que a data de 29 de Agosto foi eleita por militantes lésbicas brasileiras, durante o 1° Seminário Nacional de Lésbicas (Senale), em 1996, como o dia da visibilidade lésbica. Para Marielle, a não aprovação da lei não significa uma derrota do movimento, mas representa o quanto essa Casa é conservadora, reacionária e, pior, fundamentalista.

“Agosto é um mês de comemoração e reivindicação e pautamos como momento de concretização e processo de uma luta pelo direito de amar, ser e existir. Tiramos a Câmara da zona de conforto e não é à toa que buscamos representatividades das mulheres, mulheres negras, mulheres lésbicas, mulheres faveladas. Vai ter muita luta e mulher lésbica na Câmara”, destacou Marielle que ainda lembrou que no mesmo dia duas mulheres lésbicas, em Rio das Ostras (RJ), foram violentadas. “Esse tema não será colocado para debaixo do tapete. Sim. Nossas vidas importam”, acrescentou a parlamentar.

Continue lendo “Câmara do Rio de Janeiro rejeita projeto pela visibilidade lésbica”

#BlogFem entrevista candidatas feministas: Albanise Pires

Esse mês, estamos publicando uma série de entrevistas com candidatas a vereadoras de várias cidades brasileiras, que declaram-se feministas, com o objetivo de publicizar propostas feministas e incentivar maior participação das mulheres na política.

Albanise Pires é candidata a vereadora pelo PSOL na cidade de Recife/PE.

Coligação: PCB/PSOL. Página do Facebook: Albanise Pires.

1. Você pode fazer um resumo sobre sua trajetória política até essa candidatura?

Nasci no Recife, nos primeiros anos da ditadura militar e desde muito jovem me inquietava diante das injustiças sociais, da desigualdade e de todas as formas de opressão. Em meados dos anos 80, ingressei no movimento estudantil quando estudava Engenharia na Escola Politécnica de Pernambuco.

Nessa época, me filiei ao PT e participei ativamente da primeira candidatura do ex-presidente Lula, em 1989 até a vitória em 2002. A partir daí as contradições e disputas internas do partido acirraram-se, levando-me à desfiliação em 2004, vindo a contribuir para a fundação do PSOL em junho do mesmo ano. Desde então, componho a direção do PSOL-PE, ocupando hoje a posição de Presidenta Estadual da sigla; sou Secretária de Comunicação na Executiva Nacional do partido e membro do Setorial Nacional de Mulheres do PSOL, tendo participado como militante, dirigente e coordenadora das campanhas do PSOL em 2006, 2008 e 2010.

Em 2012, me candidatei a vice-prefeita do Recife na chapa da Frente de Esquerda PCB/PSOL e em 2014 disputei vaga para o Senado Federal pelo PSOL. Atualmente, sou candidata a vereadora do Recife e desejo construir um mandato das mulheres e para as mulheres, pois acredito que uma cidade segura e saudável para as mulheres é uma cidade segura e saudável para todas as pessoas. Tudo isso também como uma alternativa de enfrentar o contexto de avanço do conservadorismo e de ameaça aos direitos conquistados a duras penas pela população brasileira.

Continue lendo “#BlogFem entrevista candidatas feministas: Albanise Pires”

#BlogFem entrevista candidatas feministas: Isa Penna

Esse mês, estamos publicando uma série de entrevistas com candidatas a vereadoras de várias cidades brasileiras, que declaram-se feministas, com o objetivo de publicizar propostas feministas e incentivar maior participação das mulheres na política.

Isa Penna é candidata a vereadora pelo PSOL na cidade de São Paulo/SP.

Coligação: PSOL/PCB. Página do Facebook: Isa Penna PSOL.

1. Você pode fazer um resumo sobre sua trajetória política até essa candidatura?

Comecei a me interessar por política aos 15 anos, quando comecei a ajudar a editar o jornal dos estudantes do meu colégio, o Sagrado Coração de Jesus. Porém passei a atuar mais cotidianamente quando entrei na PUC-SP em 2009, onde estudei até 2014. Na universidade, fui da gestão do Centro Acadêmico 22 de agosto nos anos de 2010 e uma das criadoras, em 2010, do coletivo feminista Yaba (Direito da PUC-SP), um dos primeiros coletivos feministas universitários a surgir e que hoje, felizmente, são bastante comum nas universidades.

Em 2014, fui candidata a deputada estadual pelo PSOL/SP, em uma campanha bastante modesta e que tinha como foco principal a defesa da maior participação política das mulheres. O resultado foi bastante surpreendente, já que tive quase 7 mil votos e acabei sendo a mulher mais votada do PSOL na capital de São Paulo, o que incentivou a ser candidata mais uma vez neste ano, agora para vereadora.

Continue lendo “#BlogFem entrevista candidatas feministas: Isa Penna”