Textos + Lidos de 2017

Em 2017, publicamos 81 textos. Tivemos mais de 30 autoras nesse espaço. Mulheres que querem falar e serem ouvidas. Esse é um movimento constante, sem volta. No mundo, cada vez que não nos deixam falar, nós gritamos. Vão nos ouvir de um jeito ou de outro, porque a onda do feminismo já se tornou um tsunami. Resistimos. Mais do que nunca, resistência é nossa palavra de ordem.

Entre os textos mais lidos, vemos assuntos que sempre atiçam debates acalorados na internet como a participação dos homens, machismo na televisão e na música. Porém, também vemos a mobilização das pessoas que nos leem contra os retrocessos. Em 2018, seguiremos apoiando a resistência feminista.

1. Aos queridos homens que desejam ser aliados das mulheres.

2. 11 anos da Lei Maria da Penha. 11 dados recentes da violência contra a mulher no Brasil.

3. BBB 2017: relacionamento abusivo como entretenimento televisivo.

4. PEC 29/2015: a ameaça do momento ao aborto nos casos já previstos em lei.

5. Sobre drag queens e o Feminino.

6. Quantos livros de mulheres trans será que Chimamanda já leu?

7. 6 canais de lésbicas no Youtube para você visibilizar sempre.

8. Sobre “destransição”, arrependimento e cisgeneridade.

9. E se o aborto fosse legalizado no Brasil?

10. Mulheres negras na política: maioria na sociedade, minoria nos espaços de decisão.

11. Sertanejo feminino: machismo para consumo das mulheres?

12. Pra você que acabou de se descobrir bissexual.

13. “Parece uma travesti” então tu és linda!

14. “Amamos mulheres independentes”. Amam? Até que ponto?

15. Onde estão as mulheres na reforma trabalhista?

[+] Rede independente: as iniciativas que produziram esperança em 2017.

Créditos da imagem: Abril/2017. Mulher protesta durante a Greve Geral contra a Reforma Trabalhista. Foto de Nacho Doce/Reuters.

Textos + Lidos de 2016

Em 2016, esse blog publicou bem menos que nos outros anos. A maioria das mulheres sabe como é difícil conciliar ativismo com a vida cotidiana, prazos, necessidades, demandas, não só pessoais mas também das pessoas com quem convivemos.

Seguimos nos reorganizando, ainda com mais perguntas que respostas, mas sabendo que é preciso reaproximar-se, colar nas manas, escutar o que cada uma tem para dizer, gritar: Nenhuma Menos!

Seguimos no caminho do feminismo interseccional, buscando amar sem temer. A lista de textos mais lidos desse ano mostra essa reflexão sobre a inclusão no feminismo. Quem está faltando em nossos protestos? Em nossas palavras de ordem? Todas tem voz? Não queremos que o feminismo seja a mãe de todos os movimentos sociais. Queremos fazer dele um movimento social que visibilize todas as pessoas e seus contextos na sociedade.

1. Angela Davis sobre racismo, feminismo e Beyoncé.

2. O “desconstruído” se relacionaria com mulheres trans?

3. “A senhora lacra, mulher”: O ativismo narcisista e a escuta autoritária.

4. As musas que foram estupradas e os debates que nunca acontecem.

5. Pode o cisgênero falar?

6. Crise política, grelo duro e um olhar feminista.

7. Uma Conversa sobre Feminismo Negro.

8. Mulheres indígenas e as formas modernas de violência contra a mulher.

9. A visibilidade trans em 2016.

10. Feminismo radical e liberalismo.

Maio/2016. Parada do Orgulho LGBT de São Paulo. Foto de Reinaldo Canato/UOL.

Textos + Lidos de 2015

Completamos 5 anos de blog em 2015. Cinco anos fazendo um intensa bricolagem do feminismo. Pensando e repensando. Voltando atrás, procurando novos caminhos a frente. Cada vez temos menos certezas. Cada vez temos mais perguntas e menos respostas.

O feminismo foi uma das palavras de 2015. Invadiu diversos espaços, mas tem encontrado na internet seu grande foco de divulgação e discussão. Teve #hashtag contra a violência e o machismo e teve também mulheres nas ruas contra os retrocessos em seus direitos, especialmente o direito ao aborto. Tivemos as jovens mulheres na linha de frente das ocupações de escolas em São Paulo. Há muita emoção misturada com militância, porque tudo está acontecendo ao mesmo tempo agora.

Entre os textos mais lidos no blog esse ano, novelas e filmes são destaque. Provocam sempre uma intensa discussão e muitos comentários, todo mundo tem uma opinião ou interpretação, mas seguem os estereótipos machistas. São esses elementos que mais questionamos na indústria cultural. Além disso, a sexualidade das mulheres continua sendo assunto de interesse, assim como a questão de gênero e a exclusão das mulheres trans no feminismo.

Para 2016 ainda não temos planos, mas sabemos que continuaremos vendo o feminismo mostrando novas caras e novas maneiras de acontecer. E, um agradecimento especial a quem nos mandou textos para publicação esse ano. Dos 10 mais lidos, mais da metade são de autoras convidadas.

1. Babilônia e as mulheres que não queremos ver.

2. 50 tons de preconceito, repressão sexual e machismo.

3. Moralismo, racismo e misoginia na novela Verdades Secretas.

4. 10 coisas para NÃO dizer a uma mulher bissexual.

5. Quem é a “mulher para casar”?

6. Laverne Cox fica nua e expõe a exclusão do feminismo radical.

7. Aborto: o PL 5069/2013 e outros retrocessos no Congresso Nacional.

8. Imperatriz Furiosa e as mulheres feministas em Mad Max: Estrada da Fúria.

9. Por que é mais fácil reclamar do feminismo que lutar pelo fim do alistamento obrigatório?

10. O que acontece depois que uma mulher jovem e grávida decide não abortar?

Brasília - Marcha das Mulheres Negras Contra o Racismo, a Violência e pelo Bem Viver. Foto de Marcello Casal Jr/Agência Brasil.
Brasília – Marcha das Mulheres Negras Contra o Racismo, a Violência e pelo Bem Viver. Foto de Marcello Casal Jr/Agência Brasil.