Aquarius: um filme político, mas também um filme sobre Clara

Texto de Bia Cardoso para as Blogueiras Feministas.

Em meio a todas as polêmicas envolvendo Aquarius (2016), acredito que seja O filme brasileiro a ser visto esse ano. Isso não significa que achei o filme ótimo, nem que seja o melhor filme do ano, nem que deveria ter sido indicado ao Oscar. Para mim, em O Som ao Redor (2012), o diretor Kleber Mendonça trata com mais sutilezas as relações sociais desiguais brasileiras e o poder do mercado imobiliário. Porém, a luta de Clara (Sônia Braga) para permanecer em seu apartamento representa o atual momento político em que vivemos, em que é preciso deixar transparente de que lado estamos.

Porém, Aquarius é sobre Clara. Uma personagem feminina que foge do convencional, que junto com suas músicas apresenta uma interessante representação feminina para o cinema brasileiro. Clara convive com muitas mulheres e todas elas mostram um pouco do que é ser mulher nos dias atuais. O foco da história é Clara, uma mulher na faixa dos 60 anos, que se recusa a vender o apartamento em que viveu durante grande parte da vida para uma construtora que pretende fazer um grande prédio na orla da praia de Boa Viagem, em Recife. O filme é uma grande caixa de lembranças de Clara. Acompanhamos seus momentos no passado e também suas relações no presente com a família e amigos. Sua principal aliada é a empregada doméstica Ladjane (Zoraide Coleto).

Continue lendo “Aquarius: um filme político, mas também um filme sobre Clara”

As Paralimpíadas ainda não começaram mas o capacitismo já ganhou ouro

Texto de Bia Cardoso e Patricia Guedes para as Blogueiras Feministas.

As Paralimpíadas Rio 2016 começam dia 07 de setembro. Já estão pipocando ações e matérias na mídia para divulgar os Jogos. Porém, o que tem chamado mais atenção é o capacitismo e o quanto publicitários e responsáveis demonstram nem se preocupar com isso.

A revista de moda Vogue Brasil lançou uma campanha chamada “Somos Todos Paralímpicos” em que os atores Cleo Pires e Paulo Vilhena aparecem representando atletas paralímpicos. Por meio do photoshop, Cleo aparece sem um dos braços e Paulo está usando uma prótese na perna. A primeira pergunta que muita gente fez foi: por que não usar os próprios atletas paralímpicos?

Após uma chuva de críticas nas redes sociais, o escritor e jornalista Marcelo Rubens Paiva — que é deficiente físico e usa cadeira de rodas — publicou um texto explicando que a campanha era apenas para provocar e causar polêmica. Ele convidou Cleo Pires, Paulo Vilhena e Nizan Guanaes — dono da Agência África, responsável pela campanha —  para serem embaixadores paralímpicos e essa é apenas uma peça de divulgação. A segunda pergunta que muita gente fez foi: por que pessoas sem deficiência e sem qualquer ligação com a causa são chamadas para serem embaixadores paralímpicos?

Infelizmente, não há nada de novo nesse episódio. A invisibilidade é elemento constante na vida das pessoas deficientes. Como complemento, a Vogue Brasil publicou uma foto em seu blog dos atores com os atletas que serviram de inspiração para a imagem: Bruna Alexandre do tênis de mesa e Renato Leite do vôlei sentado. Além disso, a edição de setembro da revista traz um ensaio sensual, onde a protagonista é Cleo Pires: “a atriz se engajou numa campanha para atrair o público às competições e em apoio a causa nobre Vogue a convidou para ser a protagonista do ensaio “Super-humanos” da edição de setembro”.

Por que Cleo Pires é a protagonista de um ensaio para divulgar as Paralimpíadas?

Continue lendo “As Paralimpíadas ainda não começaram mas o capacitismo já ganhou ouro”

Quando vou ao banheiro: banheiros públicos como fronteiras identitárias

Texto de Josefina Cicconetti para as Blogueiras Feministas.

Situação 1 –  Estou num evento cultural e decido ir ao banheiro. Ao chegar à porta do banheiro feminino, encaro uma pequena fila que começa lá dentro. Conforme as pessoas avançam, vou chegando mais perto. Quando finalmente entro, ainda esperando, uma mulher me aborda dizendo “isto aqui é um banheiro feminino, de mulheres, não de homens, você tem que sair”. Minha reação: levar meus braços até meus seios e dizer “eu também sou mulher”.

Situação 2 – Uma breve parada na estrada, no posto de gasolina. Vou ao banheiro. Outra fila enorme. Ocupo meu lugar e uma senhora comenta em voz alta, de modo que todas as pessoas ali ouvissem: “olhem só a que ponto a sociedade chegou! Agora tenho que dividir o banheiro com isso, que nem sei se é homem ou mulher”.

Situação 3 – Estou no banheiro feminino de um restaurante. Termino de usá-lo e saio em direção à pia. De repente, uma mulher assoma a cabeça pela porta do recinto, olha ao redor, checa a placa da porta e, como ainda em dúvida, resolve perguntar: “isso aqui é o banheiro feminino?”. Eu respondo que sim. Ela replica: “certo… Desculpe, é que a luz estava muito tênue e não percebi que você é mulher”.

Continue lendo “Quando vou ao banheiro: banheiros públicos como fronteiras identitárias”