A revolução de cada uma

Texto de Mari Moscou.

Hoje resolvi compartilhar com vocês uma vitória.

É uma vitória para mim quando leitoras do meu blog entram em contato comigo. É uma vitória maior ainda quando contam como encontraram o blog e como o blog lhes encorajou a fazer alguma coisa (começar um blog, por exemplo). Algumas das minhas colegas aqui sabem do que estou falando. A sensação é demais.

Há algum tempo entrou em contato comigo uma leitora, Cynara, que me contou de forma linda sua própria vida e como a leitura do meu e de outros blogs feministas a estava encorajando a retomar projetos e sonhos, como o de cursar uma universidade depois de terminar o supletivo. Esta leitora, para mim, se tornou uma heroína. Penso que, como vivemos cada um as nossas vidas, às vezes não nos damos conta de que nossas experiências não são ordinárias mas fantásticas, para as pessoas que não as tiveram (e às vezes pra quem teve experiências parecidas).

Ontem, uma outra leitora entrou em contato comigo, já de madrugada, quando eu me preparava para dormir. Marina é Terena, e participou de organizações e órgãos que trabalham com as questões das mulheres indígenas. Um mundo novo se abriu pra mim na curta conversa que tivemos. E estou cada vez mais curiosa com esse mundo — quero mergulhar.

Fazer um blog crítico, tentar despertar o espírito de crítica em leitoras e leitores, é uma via de duas mãos de positividade. Quem lê aprende com quem escreve, quem escreve aprende com quem lê. Quem lê se anima a escrever, quem escreve se anima cada vez mais a ler.

Embora os “grandes blogs” feministas, aqueles mais conhecidos, sejam excelentes portas para a nossa causa e para outros blogs menores, como o meu e o de outras companheiras aqui, penso que nossa nobre missão enquanto blogueiras feministas é às vezes deixada de lado por nós, quando nos atemos somente a esses blogs/blogueiras e sua repercussão.

Faço aqui um apelo, às amigas blogueiras, twitteiras, grandes, médias, pequenas, prospectos: ao encorajarmos, lermos, comentarmos, linkarmos novos espaços de gente que está começando, damos proporções exponenciais ao crescimento de uma blogosfera feminina e feminista que seja crítica. Ampliamos as opções de leitura de nossas leitoras e de nossos leitores. Mostramos que é possível ler blogs de moda, culinária, unhas, maquiagem mas também de política, viagem, feminismo – todos feitos por mulheres, com todo o mérito que isso tem.

O feminismo pode ser, também assim, um trampolim para cada revolução pessoal.