Violência sexual no BBB e muito machismo fora dele

Texto de Luma Perrete.

Estou muito chocada com certos comentários que vi sobre o caso do abuso sexual que aconteceu no BBB.

O resumo: rolou uma festa com muito álcool no programa. A participante Monique bebeu muito e foi dormir. De acordo com um vídeo amplamente divulgado na internet ontem, o participante Daniel aparece ao lado de Monique na cama, os dois estão cobertos por um edredon. Daniel faz movimentos que para qualquer pessoa representam sexo, Monique não se mexe. Em outra cena, Monique aparece dormindo de barriga para cima, com as pernas visivelmente afastadas, vemos sob o edredon movimentos do braço de Daniel sobre seu corpo. Pode não ter ocorrido penetração, mas está muito claro que Daniel aproveitou-se do momento e Monique sofreu abuso sexual.

Daniel e Monique, participantes do BBB 12. Foto de Frederico Rozário/Folhapress.

Daniel e Monique, participantes do BBB 12. Foto de Frederico Rozário/Folhapress.

No dia anterior, a participante Mayara já havia reclamado de ter sido bolinada por Daniel. Diante de sua reclamação os outros participantes colocaram panos quentes na questão.

No programa de domingo ficou claro que a Rede Globo vai ignorar o assunto, e pior, tratá-lo como um caso de amor: Mr. Edição transforma dúvida sobre estupro em caso de amor. Leia também: Me sentindo estuprada e Bial, o Cínico.

O diretor do programa alega que conversou com Monique: “Ela não confirmou que teve sexo e disse que tudo o que aconteceu foi consensual”. Porém o jornalista nos conta que: após passar pelo confessionário, Monique demonstrou estar confusa. A Analice, ela até se questionou: “Será que eu fiz [sexo]?”. O mínimo que deveria ser feito é mostrar o vídeo para Monique, fornecer atendimento médico/psicólogico e expulsar Daniel do programa. Mesmo assim, há todo estigma de assumir ser vítima de violência sexual em rede nacional. De acordo com o artigo 217-A do Código Penal:

Art. 217-A. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 (catorze) anos:

Pena – reclusão, de 8 (oito) a 15 (quinze) anos.

§ 1o Incorre na mesma pena quem pratica as ações descritas no caput com alguém que, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato, ou que, por qualquer outra causa, não pode oferecer resistência.

Não houve violência, constrangimento, nem grave ameaça. Houve aproveitamento de um momento em que ela não podia oferecer resistência. E sim, independentemente de penetração, é estupro. Basta ler a definição na Lei 12.015/09. E, principalmente, ela pode ter bebido, mas isso não justifica. Só para esclarecer: se ela não pode consentir, é estupro. Ela pode estar bêbada, pode estar desmaiada, pode ter passado mal. Não tem condições de consentir, se a outra pessoa resolver seguir adiante, é estupro. Espero que o Ministério Público tome providências e a que a família de Monique faça alguma coisa.

Acho muito estranha essa necessidade que as pessoas têm de justificar o estupro. A gente vê isso em todo caso que aparece: “Ah, mas ela estava de roupa curta? Ela estava bêbada? Ela estava drogada? Ela foi pra casa dele?”. Muito preocupante. Vamos fazer como no caso da pastora evangélica que foi demitida depois de ter sido estuprada por um fiel da igreja? Por que os chefes dela entenderam que ela foi estuprada porque quis? Por que não lutou e gritou o suficiente?

Parece que as pessoas acham que estupro ocorre somente quando um psicopata armado te aborda na rua e te obriga a fazer sexo com ele. Pois saibam que a maioria dos estupros são cometidos por pessoas conhecidas. Amigos, colegas, namorados, maridos, tios, pais etc.

Se uma pessoa esquece a porta de casa aberta e um ladrão entra e leva tudo, a culpa deixa de ser do ladrão? A pessoa pode ter sido descuidada, idiota, irresponsável, ter dado bobeira ou o que for, mas isso diminui a responsabilidade do ladrão? Não foi o ladrão que tomou a decisão de roubar? Por que a gente dá mais valor à violação do direito à propriedade do que à violação do direito da pessoa de decidir com quem quer fazer sexo?

Falar que tirar a responsabilidade dela por ter bebido é o mesmo que tirar a responsabilidade do motorista que bebeu e causou um acidente (como vi dizerem) é um absurdo tremendo. Ela não cometeu crime algum. Beber, ficar bêbada e ir dormir não é crime. Dirigir bêbado e estuprar são.

E, veja bem, não estou falando apenas do caso do BBB, estou falando de vários casos. Não assisto BBB, nem televisão tenho. Os comentários que ouvi em relação ao programa, já ouvi outras vezes como: “isso é fim de balada, coisa normal, se ela estivesse sóbria, quetinha, nada disso teria acontecido, procurou, achou, na minha opinião”. Muito medo de quem acredita que mulheres procuram alguém para violentá-las. É muito importante que alguma atitude seja tomada, porque há muitas mulheres violentadas no Brasil todos os dias e isso não pode se tornar rotina na televisão.

Portanto, caso você ache que: a mina do BBB bebeu muito, por isso foi estuprada e mereceu mesmo, por favor não chegue perto da nossa caixa de comentários. E vá ler outros posts que podem lhe ajudar a ver o absurdo que você está dizendo como: Isso não é um convite para me estuprar!!! ou Ninguém quer ser estuprada ou Estupro: o que é, como não fazer.

Caso você ache que: a mina do BBB não foi realmente estuprada, que fazer sexo com uma pessoa desacordada não é estupro, que usar esse termo é exagero, favor seguir as instruções acima.

Caso você ache que: o importante mesmo é falar mal do programa e esquecer que um CRIME foi testemunhado em rede nacional e uma mulher sofreu uma das piores violências que um ser humano pode sofrer na vida, favor seguir as instruções acima.

Caso você ache que: a Globo não tem qualquer culpa nisso (apesar de ter bombeiros e paramédicos à disposição na casa!), que a Globo não tinha qualquer obrigação de mandar imediatamente alguém tirar o cara de cima da mulher e chamar a polícia no mesmo minuto (e eles estavam cientes, pois desligaram a câmera logo e não há mais um único vídeo disponível na internet), favor seguir as instruções acima.

Muito obrigada pela colaboração.

*Este post contou com a colaboração de tweets e mensagens no facebook de Deborah Leão e Érika Pretes e uma mãozinha da Srta. Bia.

[+] BBB12: uma vomitadinha marota na mídia Global

[+] A cena do Big Brother é um problema do Brasil

[+] Estupro não é sexo

[+] Violência contra a mulher, até quando vamos ignorar?

[+] Deveria ser óbvio. Mas não é

[+] Eu não quero mais viver neste mundo

[+] A mídia que estupra

[+] O “Boa Noite Cinderela” do BBB

Petições:

- Globo Network: Take responsability for covering the rape aired in one of their shows

—–

Luma Perrete vive aprontando altas confusões com uma galerinha do barulho.

Autoras Convidadas

Somos várias, com diferentes experiências de vida. A gente continua essa história do Feminismo nas ruas e na rede.

More Posts

About Autoras Convidadas

Somos várias, com diferentes experiências de vida. A gente continua essa história do Feminismo nas ruas e na rede.

109 thoughts on “Violência sexual no BBB e muito machismo fora dele

  1. em curitiba vão fazer uma movimentação para chamar a atenção da sociedade para esse tipo de atitude… deveria ser feito em são paulo tb e no rio.. os jovens se mobilizam contra a corrupção, a favor da macaconha etc.. pq não contra o estupro?( por sinal ontem uma moça que estava embriagada numa boate na zona sul de são paulo procurou atendimento no ambulatório e foi estuprada pelo bombeiro, que deveria estar lá para ajuda-la.. )

  2. Muito bom!
    O Texto relata como a irresponsabilidade de uma Concessionária Pública de Tv incentiva a violência a contra a mulher.
    Fiquei horrorisada com o entendimento que grande parcela da sociedade tem sobre o assunto.A mulher sofre, duplamente, pela violência e pela inversão de papeis, passa a ser a autora e não a vítima.
    Além de que as principais interessadas não sabem o que é o crime.
    Nesta comunidade do Orkut ficam patente a banalização e a ignorância (são 400 posts) http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=120869179

  3. Pingback: Bule Voador » Violência sexual no campus: Mudança cultural passo-a-passo

  4. Sinceramente, ainda acho precipitada a acusação, só podemos de fato ter certeza de algo quando a menina assistir a todo o vídeo e for feita uma acareação entre os dois, e sobre os comentários em relação a menina, é de fato ridículo e a maioria dos comentários absurdos feitos contra ela, foi feito por mulheres, mas também achei precipitadíssimo os comentários já acusando de prontidão o daniel e o xingando, temos que esperar pra ver.

    Beijo, meninas.

  5. Não vou entrar no mérito da questão, pois sequer assisto o programa. Tenho uma leve noção do que aconteceu pelo o que foi divulgado na mídia, principalmente na internet. Porém, ainda assim eu gostaria de perguntar o seguinte: se um casal de bêbados, ainda com alguma sobriedade, decide trocar carícias sexuais embaixo de um edredom por um suposto período de 20 minutos, pode os primeiros 10 minutos serem considerados normais em virtude de os dois estarem interagindo e os 10 minutos seguintes serem considerados abusivos por parte do homem caso a mulher não tenha resistido a bebedeira e “apagado”? Pergunto-lhes por pura curiosidade, até porque, se for de fato uma atitude que pode ser considerada abusiva pela justiça, ensejando o enquadramento do sujeito ativo no citado Artigo 217-A do CP, creio que tem muita gente (homem) que merece ser indiciada por ai.

  6. Na minha humilde opinião, foi tudo ARMADO. Quer dizer, ninguém em sã consciência estupraria alguém em rede nacional. E mais: onde estavam as pessoas que vigiam a casa do BBB quando o “estupro” aconteceu? Quem dá as cartas naquele programa sabe muito bem que polêmica = audiência. E funcionou, tá todo mundo falando disso.

  7. Pingback: Mulher é gente, não é presente « Cynthia Semíramis