Os crimes de Denise Leitão Rocha

Denise Leitão Rocha é o nome dela. Enquanto os canais de notícias preferem desumanizá-la, transformá-la em “musa” e “furacão da CPI”, faço questão de começar este texto afirmando que: Denise Leitão Rocha é uma pessoa, uma mulher. E, vejam só, a tal “assessora do senado” tem até nome! Ela se chama Denise Leitão Rocha.

Denise Leitão Rocha é assunto nacional desde que um vídeo amador de sexo, em que ela aparece, “vazou” na internet. Vocês sabem como as coisas funcionam nesse nosso mundinho: poucas horas é tempo mais do que suficiente para que um conteúdo se viralize rede afora.

Denise Leitão Rocha é tão pessoa que fala, apesar de muitos não quererem que ela tenha voz. Ainda que com uma voz que “transparece sofrimento” como afirma a matéria do site Extra, logo em seu início, ela conta que está muito abalada com o “vazamento” do vídeo e, imagino eu, com a enorme repercussão do caso.

Pudera, há quem ligue para o Senado para perguntar quanto custa um programa com as assessoras da Casa. Fotos e mais fotos “sensuais” de Denise foram divulgadas em diversos sites. Jornalistas intrépidos questionam colegas de Denise, se ela realmente trabalhava. E seu chefe, o senador Ciro Nogueira (PP-PI), já revelou que considera demiti-la, mesmo elogiando sua atuação profissional.

Mas o que Denise Leitão Rocha fez de tão ruim, afinal?

Sexo.

Denise Leitão Rocha, assim como eu, você e boa parte das pessoas adultas do mundo, fez sexo. Porém, infelizmente neste caso, foi filmada ou deixou-se filmar (não vi o tal filme e me recuso a saber detalhes, mas tampouco importa) e alguém achou uma boa ideia divulgar, sem seu consentimento, tal registro na internet.

Denise Leitão Rocha, em foto tirada em maio, no Piauí. Foto de Yala Sena / Arquivo Pessoal / G1

Por que tanto alvoroço se Denise Leitão Rocha não fez nada que eu, você ou boa parte das pessoas do mundo faz em seu dia a dia? Porque, Denise Leitão Rocha cometeu o grave crime de ser mulher em um mundo machista. E às mulheres não é reservada solidariedade.

Pouco importa se o verdadeiro criminoso é a pessoa que divulgou, sem o conhecimento de Denise, um vídeo com cenas íntimas dela. A mulher que ousa não ser santa, jamais será vítima. Se Denise fez sexo e deixou-se filmar, certamente foi porque queria que todos vissem. Se não deixou, deveria ser mulher direita, ao invés de sair fazendo sexo com qualquer um por aí, se expondo ao risco de ser filmada.

E para tal crime não há perdão. Como bem lembrou o deputado Domingos Dutra (PT-MA), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara do Deputados, (@ únic@ parlamentar que vi se pronunciar publicamente sobre o caso), é provável que Denise fique marcada por um bom tempo com a marca indelével de uma mulher que sabidamente faz sexo, enfrentando as dificuldades que a nossa sociedade machista impõe para tais mulheres.

Na opinião do parlamentar, Denise pagou o pato pelo machismo que impera na sociedade brasileira.

- Se fosse um homem, será que a reação da sociedade, do senador e da mídia seriam a mesma? Eu acho que não – analisa o deputado.

Para Domingos Dutra, a exoneração da advogada teria sido precipitada, a reboque da repercussão nas redes sociais e na imprensa:

- Não vou entar no mérito que levou o senador a demiti-la, mas foi uma decisão apressada que só reforça o preconceito existente hoje sobre a mulher, que ainda é muito forte no país. Esse caso a marcará para o resto da vida. Certamente, ela terá dificuldades para arranjar um namorado, um emprego, circular em seus meios sociais.

Na mesma matéria do Site Extra, Rogéria Peixinho da Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB) fala dos preconceitos existentes no Congresso Nacional:

- Esse é mais um sinal de como a nossa sociedade é machista. Se fosse um homem, seria enaltecido como um garanhão. Como é mulher, julgam-na como piranha – critica Rogéria Peixinho, coordenadora regional da Articulação de Mulheres Brasileiras, movimento nacional que luta pelos direitos femininos.

De acordo com ela, o Congresso Nacional atuou como um reflexo desse preconceito tupiniquim:

- Ela foi uma vítima do vazamento desse vídeo e a repercussão chegou a esse ponto porque ela é mulher. O Congresso é muito retrógrado, a ver pela quantidade de mulheres e negros eleitos. Referência: Demissão por conta de video picante é contestada dentro do próprio Congresso Nacional.

Se parece ridículo é porque verdadeiramente é. Se é razoável pensar que grande parte das pessoas adultas fazem sexo, ninguém quer ter a certeza disso. Sexo é assunto de foro privado, exceto para os homens cissexuais e heterossexuais, que podem gritar aos quatro ventos quantas mulheres “comeram” na semana que se passou, sem qualquer julgamento. Ninguém parece estar preocupado em saber quem é o homem que está no vídeo com Denise. Foi aventada a possibilidade de ser um assessor de outro senador, mas os holofotes procuram sempre condenar Denise.

Mulher que fala de sexo é feio. Mulher que gosta muito de sexo é vulgar. Mulher que procura por sexo é piranha. Se é para fazer, minha filha, seja discreta. Não é para deixar todo mundo saber! O crime de Denise foi o de deixar todo mundo saber, mais do que isso, deixar que todo mundo visse, mesmo que Denise não tenha culpa alguma pelo tal “vazamento.”

Pois, saiba você que há um culpado pelo tal “vazamento”, que de vazamento não tem nada. Porém, enquanto tal pessoa não é descoberta e punida, todos os que distribuem e assistem o vídeo de Denise Leitão Rocha também a agridem, continuamente. Afinal de contas, o caso não teria alcançado tamanha proporção, não fosse pelos sites que divulgaram o vídeo e por todas as pessoas que o compartilharam.

Não caia nesta ilusão da internet, de que por ser apenas mais um em milhões, o seu posicionamento não faz diferença. Faz para o bem, e também faz para o mal. Não seja mais um agressor de Denise Leitão Rocha. Não a condene por apenas exercer sua sexualidade. Até porque, o deputado Ciro Nogueira, ao decidir por demitir Denise, ignorando seu desempenho profissional, ao invés de apoiá-la, já está fazendo isso por você.

Compartilhe!Share on Facebook453Tweet about this on Twitter61Share on Google+13Pin on Pinterest0Share on TumblrEmail this to someone

Tâmara Freire

Blogueira, feminista, jornalista e mãe. Gosta de filmes, livros, séries, café, campari, Almodóvar, Caetano, Clarice e conversa de bar. E também de internet e do vermelho nos seus cabelos e no dos outros. Gosta do vermelho em tudo, na verdade.

More Posts - Website - Twitter - Facebook

Sobre: Tâmara Freire

Blogueira, feminista, jornalista e mãe. Gosta de filmes, livros, séries, café, campari, Almodóvar, Caetano, Clarice e conversa de bar. E também de internet e do vermelho nos seus cabelos e no dos outros. Gosta do vermelho em tudo, na verdade.

35 Comentários para: “Os crimes de Denise Leitão Rocha

  1. Gostei bastante do texto, apesar de que já ouvi casos nos quais homens com vídeos circulando na internet também foram punidos e demitidos de seus empregos.
    Acredito que o problema no caso de Denise não seja SÓ o machismo, mas ,também, o (falso) moralismo de uma sociedade que finge viver sobre a “moral e os bons costumes”.

    • Pois é Carla, mas só de não haver um equivalente masculino para a palavra “piranha”, por exemplo, que tem sido muito usada para agredir Denise, a gente já percebe como a reação da sociedade não é mesma para homens e mulheres. Supondo que não fosse uma assessora, mas sim um assessor no tal vídeo, você acha que a repercussão teria sido a mesma? Que a mídia trataria o caso da mesma forma? Que as pessoas estariam falando: “ah, mas ele já tinha publicado um monte de foto de sunga no seu facebook, aposto que quem divulgou o vídeo foi ele”?

      • É você tem razão, o que muda é a exploração da mídia sobre o caso. Tanto que, quando são homens que “protagonizam” vídeos, esses nem geram tanta repercussão.
        Aliás, essa forma de machismo, do homem ser “garanhão” e a mulher ser “puta”, é a que eu mais detesto e a que mais me irrita, talvez por ser a que eu mais presencio no meu dia-a-dia. Desde a adolescência, a gente, mulher, tem toda uma pressão de se comportar e se vestir direito, a fim de não ser taxada de vadia, porque não tem nada pior do que ser uma vadia (??). Enfim, lamentável ¬¬’
        Mas o que eu quis dizer com o comentário foi que, além do Brasil ser machista, é também uma país conservador e moralista. As pessoas preferem fechar os olhos e fingir que sexo não existe, que ninguém faz, para que assim possam julgar os outros.

    • gostei bastante do sexo. o texto…? teorias bonitas. mulher se não é símbolo do delicado cai no ridículo mesmo. que pena!!!

  2. Ah… se fosse um homem alguém já teria construído um monumento fálico na frente do palácio do planalto e criado um feriado nacional para homenageá-lo!
    Sério gente, é muito ridículo… coisa de gente tacanha e pequena!

  3. Vergonha… punir a vitima, em vez de punir o criminoso que jogou o video na Internet. E é um absurdo esse povo jogando pedra na mulher, simplesmente por que ela fez sexo.

    Isso me lembra quando eu era adolescente, bem antes de me considerar feminista.. lembro dos amigos do meu namorado da época tirando sarro de uma ficante de um dos meninos (que não estava presente), porque ela tinha feito sexo oral no cara… levantei e perguntei se as namoradas de quem estava tirando sarro não faziam sexo oral nos parceiros. Meu namorado na hora me puxou pelo braço e falou que eu estava fazendo ele morrer de vergonha. (nossa, agora todo mundo vai saber que eu não sou virgem!)

    Eh claro que essas duas historias tem dimensões totalmente diferentes, mas é sempre mais do mesmo: culpando a mulher por ela ter exercido sua sexualidade. E o fato é: se não defendermos as vitimas, compactuamos com o crime.

    • Pois é, Alinka, a história da Denise, e essa, absurdamente comum, que você citou, têm a mesma raiz: a culpabilização da mulher que decide usar da sua sexualidade. Em casos mais extremos, como esse da Denise, a gente enxerga as coisas com mais facilidade, mas os conceitos machistas estão mesmo entranhados no nosso dia a dia. É uma luta de formiguinha combatê-los.

  4. Sem entrar no mérito da questão do inegável machismo que há na repercussão do vídeos, parece-me ingênuo acreditar, sem se questionar, que o vídeo tenha “vazado” sem consentimento da protagonista.

    O vídeo apareceu na internet bem no momento em que ela já era notada, e muito bem notada, nas sessões do Senado em que participava, e qualquer um com o mínimo de senso de oportunidade, poderia vislumbrar o alcance que um vídeo da espécie teria, e os “benefícios” que poderia trazer.

    Pois bem, especula-se que ela já tenha sido convidada para posar para Playboy. Ou seja, vai ter a possibilidade de ganhar de uma vez só o que demoraria muitos meses para juntar como assessora.

    Não há nada de condenável se esse for o caso, não há que se fazer julgamentos, mas quem partir do princípio que ela é uma “pobre vítima” da situação, corre grande risco de estar fazendo papel de bobo em um engodo.

    Beijo a todas!

    • Lucas, se ela afirma que o vídeo vazou sem o consentimento dela é desrespeitoso duvidar disso. E no texto a Tâmara não diz que ela é uma “pobre vítima”, como se fosse uma coitadinha, mas que sim, ela é uma vítima tanto da mídia, como do senador que diz que a demitirá mesmo sendo uma boa funcionária, como de quem divulgou o vídeo.

    • Lucas, um dos primeiros machismos enfrentados por mulheres vítimas dos mais diversos tipos de agressão é justamente esse: sua palavra sendo colocada em dúvida. Nada do que você disse me convence de que a afirmação dela a respeito da origem do vídeo seja uma inverdade. Não é questão de transformá-la em “pobre vítima”, mas sim de denominar as coisas como elas verdadeiramente são. Se um vídeo íntimo dela foi divulgado sem o seu consentimento, há um abuso aí, e me parece muito claro que a pessoa que o divulgou cometeu algo errado, não importa se ela terá algum ganho com o caso, não? E mesmo se história fosse outra, o tratamento que ela está recebendo da mídia, do senador não se justificam, como a Bia bem pontuou.

  5. Oi Tâmara,

    concordo plenamente com tudo que escreveu.
    E vou mais fundo, esses legisladores fazem leis e campanhas contra a violência da mulher, mas promoveram uma violência contra essa moça – um estupro moral.
    Ela tem o direito de fazer o que quiser com o corpo dela, e com quem quiser e filmar, fotografar…nós temos o direito sobre nossas vidas e escolhas.
    Até quando a mulher que é dona de si será tratada como lixo?
    E porque o homem que está com ela não aparece, não é linchado moralmente? Qual o crime que ela cometeu? Cadê a lei que determina que o que ela fez é crime?
    Até quando preceitos morais hipócritas, falidos e medievais vão reger a nossa sociedade?
    A moralidade funciona para o sexo, mas não para a corrupção que nos assola há mais de uma década?

    Me entristece saber que em pleno Terceiro Milênio, nós ainda temos que lidar com isso!

    • E olha que nem fazem tantas leis e campanhas assim, hein, Ira. Na verdade, eu não sei se estamos atrasados ou se os conservadores é que são muito espertos, viu. Controlar a sexualidade feminina é uma tática que tem dado certo há centenas de anos para controlar as mulheres de forma geral. Eles não vão largar o osso tão cedo, a gente é que precisa romper mesmo… Mas que é triste ter que lidar com essas coisas, como você disse, ah, isso é!

  6. Olá querida! É bom começar a segunda-feira lendo o seu texto… E eu também pensei nisso… Ok, a assessora foi pega e tal… E o cara que fez o vídeo tá aonde? Duvido que o povo do congresso ainda não sabe quem é o cidadão. Que engraçado né?

    Um beijo!

    • Ei, Andrea. Muito obrigada :-) O que me interessa neste cidadão é verificar se foi ele realmente quem divulgou o vídeo sem o consentimento da Denise, e que ele receba a punição devida por isso. É uma pena que com isso, aparentemente, ninguém se preocupa. Outro beijo!

  7. Ótimo texto, e como exemplo claro da dupla moral, um dos filmes nacionais mais vistos este mês se chama justamente “E aí, comeu?”. É o orgulho masculino de divulgar que “fez sexo”, versus a obrigação feminina de fingir que não faz essas coisas.

    É tremendamente injusto, hipócrita, punir alguém por algo que é natural em seres humanos, e se torna mais ainda se a punição afeta apenas as mulheres.

    E concordo totalmente que, ainda que sexo seja algo natural, e eu nada tenha nem contra nudez, nem contra imagens sexuais, assistir este vídeo é um desrespeito e uma violência contra a moça assim exposta, contra sua vontade.

    Um abraço.

    Homero

    • Oi, Homero. Essa questão da nudez e da pornografia merece uma discussão à parte. Há feministas que são contra qualquer tipo de exploração comercial do sexo. Já eu acredito que o problema está na forma como a coisa é feita hoje em dia, na indústria porno mainstream que é altamente machista, principalmente, e na nossa sociedade tacanha né que ainda não consegue engolir a sexualidade livre feminina. Mas eu acho que mesmo com esse imbróglio, há princípios indiscutíveis: a Denise afirmou mais de uma vez que o vídeo foi divulgado sem o seu consentimento, então, divulgá-lo foi uma agressão, assim como o é assisti-lo e compartilhá-lo. Abraço!

      • Sim, com certeza, a maior parte das questões humanas são complexas e merecem discussões a parte, quase nunca com certezas fáceis ou verdades absolutas. A questão da sexualidade, é uma das mais complexas e delicadas.

        Claro que a exploração da indústria pornográfica, que na verdade reflete uma exploração comum a todo mercado (vende-se o que tem quem queira comprar), reflete claramente a postura machista da sociedade, e nesse aspecto, é uma exploração em algum sentido.

        Entretanto consigo pensar em pornografia feita em outros padrões, por mulheres e para mulheres por exemplo, (ou por homens, mas sem o viés dominador e machista do padrão atual) que escapem dessa armadilha, e sejam perfeitamente válidas, sexuais, eróticas.

        Quando eu disse que nada tenho contra a nudez ou imagens sexuais é nesse sentido, pessoas fazendo sexo não me são ofensivas, nem imorais, nem a situação exploratória por si mesma. Seres humanos são seres sexuais, e tem forte tendência a excitação por vias visuais. E não me parece que nenhum dos dois lados, os que desejam “ver” e os que desejam “exibir” devam ser criticados.

        Mas a escolha, o direito de decidir, é que deve definir certo e errado nestes casos. A Denise está sendo vítima de violência, não por ter feito sexo, mas por ter seu vídeo exibido sem autorização, e pior, por ter esta exibição despertado o machismo da sociedade, e mesmo sua demissão sem justificação válida. É o estágio máximo da pergunta cafajeste, “e aí, comeu”, em que o sujeito não se limita a ter sexo, mas precisa mostrar que teve, mesmo que isso cause dano a parceira.

        Um abraço.

        Homero

  8. Tamara, seu texto é brilhante e impecavél e concordo com você em tudo. Nossa sociedade e machista e sempre será Tâmara!!!!
    A Denise não cometeu nenhum crime sob qualquer ponto de vista, mas existem coisas Tâmara que jamais a paixão, o deslumbramento ou seja la o que for, deve suplantar a razão.
    A Denise não cometeu crime nenhum, como ja disse, mas ela cometeu um deslize ao se deixar filmar, ao permitir que a filmassem…todos os adultos fazem sexo sim, alguns mais, outros menos, mas todos fazem…e é bom né???
    Só que o que acontece dentro de nossas alcovas, só interessa a nós mesmos, externar isso, de forma alguma, nem pelo maior amor do mundo, nem pela maior paixão do mundo e nem pelo maior tesão do mundo.
    O moço que estava com ela por um certo periodo sera visto como o tal, o cara que pegou, enfim…mas ele em pouco tempo pagara um preço alto pelo que fez, a Denise ira cobra-lo, outras mulheres lhe cobrarão tal fatura, pois esse rapaz, a partir de hoje estará dotado de grande falta de confiança.
    Qualquer mulher que se deitar com ele imediatamente lembrará que foi ele quem feriu, machucou, derrubou, impediu a Denise de seguir sua vida profissional, sexual a diante.
    Tâmara…os dois erram!!!!!!
    E desde que mundo é mundo…a curiosidade é a mola propulsora das coisas…
    Não culpe quem assistiu…afinal faz parte do sexo também olhar, espiar….e por isso que todos foram olhar o video da Denise…

  9. Muito bom o texto! Quantas vezes já não presenciei esse tipo de violência, um ex-namorado que joga o vídeo da moça na internet e ela fica mal falada na escola, coisas assim. Ninguém pensa em culpar a pessoa que divulgou o vídeo.
    Eu acho que ridículo também os argumentos do tipo “ah mas se deixou filmar é porque queria que alguém visse blabla”, quer dizer, não importa, a mulher sempre vai ser a imoral da história.

  10. Tâmara, concordo com muitas das coisas que você mencionou nesse texto, principalmente com essa questão da descriminação que as mulheres sofrem no que tange a questão da sexualidade na nossa sociedade.
    Não acredito, contudo, que esse grande pandemônio tenha sido gerado única e exclusivamente pelo fato de ela ser mulher e ter sido vítima de um ex-namorado desonesto. Na questão da Denise leitão, ao meu ver, o pior de tudo não foi o vídeo ou o fato de ser uma mulher incrível, o que me incomodou foram as inúmeras fotos que eu encontrei dela de biquini e em posições comprometedores apenas ao colocar o nome dela no google. Todos nós sabemos o quão patética é a situação dos cargos comissionados nesse país, políticos sustentando pessoas incompetentes e pessoas sem quaisquer capacidades administrativas ocupando cargos importantes às custas do contribuinte, por tanto, quando surge um vídeo pornográfico de uma mulher bonita como essa, seguido de inúmeras fotos ousadas, a impressão do eleitor com certeza não vai ser boa. Quero deixar claro que não tenho nenhuma crítica pessoal a fazer em relação à moça, ela pode ser uma funcionária altamente competente e exemplar, todavia, à primeira impressão não é boa.
    O meu ponto é: Sim, para 80% das pessoas ela está sendo descriminada por ser mulher. Contudo não é só isso, não é só machismo. Essa moça ocupava um cargo importante e deveria ter tido mais cuidado, o número de fotos ousadas que ela tem online é notável. Um alvo fácil para oposição e críticas num meio onde as pessoas estão sempre tentando prejudicar as imagens umas dos outras. Não é porque ela é mulher, se eu visse uma senadora com um assessor homem na mesma posição: Vídeo pornô + inúmeros ”ensaios” eu também pensaria o pior. Mais uma vez, não estou julgando nem condenando a moça, ela não cometeu nenhum crime por bater fotos de sí mesma de biquini. Todos nós temos o direito de fazer o que nos faz feliz, todavia, num país onde a corrupção é tão descarada e evidente, é muito difícil, à primeira vista, julgar o caso Denise de uma maneira objetiva e imparcial. Acredito, todavia, que antes de demitirem eles deviam avaliar o desempenho dela como assessora e julgá-la de maneira justa.

  11. Olha, a verdadeira imoralidade são os mensalões e cachoeiras da vida, os desvios de verba, os salários astronômicos dos políticos, os superfaturamentos, a impunidade, etc. Demitir essa moça é o cúmulo da hipocrisia e falso moralismo. Deixem-na em paz.

  12. no começo ,eu até achei que ela deveria ser demitida , mas até para poupa-lá ,mas agora vendo por outro lado ela não merece ser demitida muita gente lá merece ser presa e nem perder o cargo perde , e ela vai perder por fazer sexo ?
    e eu acho até bem estúpido a mídia tá dando tanta atençao para isso mais do que a cpi.
    chamando a moça de “furacão da cpi” ou “musa da cpi” . sendo tão óbvio que o objetivo dessas notícias e fazer fofoca e não jornalismo ,vender notícia , e mostra o corpo dela .
    e outra coisa que me irrita e os comentários dos donos da verdade machistas , o que pode ser descutido não só para ela mas para todo mundo e o fato de se filmar ou ser filmando em coisas íntimas sabendo que pode parar na internet . agora ficar julgando chamando ela de coisas e ainda por cima sem conhece-lá , só por que ela tava fazendo algo ninguém desse mundo faz é uma coisa bem machista .

  13. Na verdade ela apenas ousou ser gostosona, bem sucedida, competente e inteligente. Ter sucesso é imperdoável.

    • É, e o fato dela ser bonita só piora a situação segundo @s machistas. “Afinal, não é possível que uma mulher seja “gostosa” e ainda sim inteligente o suficiente para ocupar um cargo importante dentro do congresso. Ela deve ter dado pra alguém pra entrar lá.”

  14. Só tenho a parabenizá-la pela competência e veracidade do texto. Foi incrível ler e refletir tanto o conteúdo do texto quanto sua maneira de pensar. As suas ações voltadas à estas questões sociais são de total relevância para que ao menos possamos amenizar ou limitar tamanhos atos inconfidentes oriundos do machismo desenfreado da nossa plangente humanidade. Ressalto também a influência da mídia nestas relações sociais. Ela é resultado de múltiplas e complexas interações que se desencadeiam em redes. Por fim, lhe deixo esta frase: “O machismo exclui a afeição do homem pelo homem”.

  15. Complementando vcs!Problema é do cidadão que publicou o vídeo, teve a sorte de tê-la naquele momento ou época, agora não a tendo mais, fez tamanha besteira em divulga-la. Ela é linda e faz sexo muito bem, com toda certeza está sendo adorada e desejada pelos homens e admirada pelas mulheres que tiveram o prazer de ver o vídeo. Ora, sociedade brasileira! Vamos deixar de ser hipócritas e de julgar as pessoas sem conhecê-las, o que importa é que ela batalhou muito para ser a profissional que é, e chegar onde chegou! A consequência da mídia e das divulgações, serão portas abertas e novos trabalhos, tomara que você conquiste muito mais e chegue mais adiante. Com todo respeito, que mulher gostosa, rsrs. Denise, boa sorte, parabéns

  16. Legal o texto, me fez ver o outro lado, pois minha tendência já era ver o mais “fácil”; mas acho que paradoxalmente mais uma coisa que agrava aqui é o fato de a protagonista do vídeo ser uma mulher bonita e desejável, que faz com que nós homens criemos fantasias com ela, coisa que certamente as mulheres menos favorecidas esteticamente podem perceber e algumas não podem suportar. Acho que isso alimenta o moralismo e o machismo, num círculo viciado que a grande mídia usa muito bem para ter audiência.

  17. Realmente, excelente texto! A sociedade ainda culpa as mulheres pela própria sexualidade, até mesmo em casos que envolvem violência, como este.
    Recentemente, me deparei no You Tube com uma notícia de uma menina de Santa Catarina, estuprada coletivamente aos 12 anos por meninos da mesma faixa etária, e é impressionante o tanto que esse país ainda culpa a mulher em situação de vítima. É só dar uma olhada nos comentários: http://www.youtube.com/watch?v=nhTjIEn3M4s
    Os internautas chamam a menina de “puta”, falam que a culpa é dela por ter acompanhado o ex-namorado até a casa dele, culpam os pais da menina e, muitas vezes, mesmo os que condenam os meninos afirmam que ela “estava pedindo por isso”. O mais surpreendente é que muitas vezes são mulheres que condenam a menina! São tantas barbaridades que fico com vergonha dos meus compatriotas brasileiros. E no caso da Denise, ela foi sim violentada ao ser exposta contra a sua vontade na Internet, que é quase uma “terra de ninguém”.
    Há alguns anos, houve um caso de uma menina de 11 anos que fez sexo com três meninos de 13/14 anos, que filmaram. Esse vídeo também foi parar na Internet, a menina teve que mudar de cidade, etc. Quero deixar claro que não acho certo crianças dessa idade fazendo sexo, independente de ser menino/menina, mas a repercussão para a menina foi muito pior que para os meninos. O mais nojento de tudo é que tinha gente perguntando onde achar o vídeo!
    Por que não é ensinado aos meninos desde cedo a respeitar a própria sexualidade e a sexualidade das mulheres? Os meninos são criados para ser “máquinas de sexo” irracionais, e as meninas são criadas para ser guardiãs da sua sexualidade e, por consequência, da dos meninos também. É pressão demais para as mulheres! É ridículo! Homens e mulheres são seres humanos, dotados de sentimentos, e esse tipo de cultura causa casos como este e como os que descrevi acima.
    Realmente, é muito triste pensar o quanto da sua vida está definido pelos conceitos de gênero. Desde pequenas ouvimos “fecha as pernas”, ou “isso não é comportamento de mocinha”, e esse tipo de coisa te persegue. Você cresce e, por mais que considerem o Brasil um país liberal sexualmente, essa dita “liberalidade” é altamente machista e opressora para as mulheres. Essa “liberalidade” é uma balança de dois pesos, pois se é homem é “pegador”, se é mulher é “piranha”. Enfim, meu desabafo acabou ficando grande, mas imagino que as irmãs e irmãos de movimento vão entender.

  18. Ninguém tem dúvidas que a garota é muito exibicionista.Esse vídeo “alguém” colocou na internet, mas e as fotos seminuas dela?? A questão não é machismo. ELA DEVE E FOI DEMITIDA. Não é falso moralismo ou crime. A questão é que quando você ocupa um cargo público você deve agir de acordo com o regulamento que lhe é imposto.E assim como em qualquer outra empresa, no senado também você deve seguir essas regras.

    • E qual regulamento exatamente é este Dayana que regula até a vida privada dos empregados? Porque diante do fato de que ela não estava no seu local de serviço e nem no seu horário de serviço, não vejo como ela desrespeitou algum código de conduta profissional. Quer dizer que qualquer um de nós que for filmado sem consentimento ou tiver um vídeo íntimo disseminado sem consentimento merece ser punido com a perda do emprego? Ou só as pessoas que tiveram o caráter desaprovado previamente diante de ações tais como “se exibir” com fotos seminuas na internet merecem tal punição? Porque se for isso, o que exatamente o tal regulamento que você cita proibe? Que tiremos fotos seminuas, que a exibimos, ou que façamos um vídeo íntimo, que seja disseminado sem o nosso consentimento depois de já termos tirado fotos seminuas e as exibido? Você tem o link desse regulamento? Porque eu fiquei realmente confusa agora…

  19. Aqueles que assistem tal vídeo, são tão ou mais “escrotos” do que aquele que divulgou! se ela deixou se filmar é problema dela! ninguém tem o direito de expor tal vídeo, somente ela. Lamento por essa moça…

  20. Pingback: Denise Leitão Rocha vai posar para a Playboy. E a gente com isso? «