Claudia Silva Ferreira, 38 anos, auxiliar de limpeza, morta arrastada por carro da PM

Texto de Camilla de Magalhães Gomes.

2014 ainda está no início mas, após três meses, parecem proliferar as notícias que criam em nós a sensação de: “nunca vi coisa tão horrível”. Nunca vi, até que a próxima barbárie seja cometida e nos convença que isso deve mesmo ser apenas parte do cotidiano. Nesse caminho, ficamos anestesiados e acostumados, até que não se tenha mais nada a dizer, apenas um suspiro e um muxoxo: “mais um”.

Na manhã do dia 17 de março, começa a ser divulgado na internet o link de um vídeo com o título: Viatura da PM arrasta mulher por rua da Zona Norte do Rio. Apertei o play e não passei de dois segundos. Não recomendo. Mas a leitura da notícia é essencial. Mais do que isso: a leitura crítica do que ela representa é essencial.

Na descrição:

Eram cerca de 9h desse domingo, quando uma viatura do 9º BPM (Rocha Miranda) descia a Estrada Intendente Magalhães, no sentido Marechal Hermes, na Zona Norte do Rio, com o porta-malas aberto. Depois de rolar lá de dentro e ficar pendurado no para-choque do veículo apenas por um pedaço de roupa, o corpo de uma mulher foi arrastado por cerca de 250 metros, batendo contra o asfalto conforme o veículo fazia ultrapassagens. Apesar de alertados por pedestres e motoristas, os PMs não pararam. Um cinegrafista amador que passava pelo local registrou a cena num vídeo.

A mulher arrastada era Claudia Silva Ferreira, de 38 anos, baleada durante uma troca de tiros entre policiais do 9º BPM e traficantes do Morro da Congonha, em Madureira, enquanto ia comprar pão. Em depoimento à Polícia Civil, os PMs disseram que a mulher foi socorrida por eles ainda com vida, e levada para o Hospital Carlos Chagas, em Marechal Hermes, mas não resistiu. Já a secretaria Estadual de Saúde informou que a paciente já chegou à unidade morta. Ela levou um tiro no pescoço e outro nas costas.

Identidade de Claudia da Silva Ferreira. Foto: Jornal Extra.

Identidade de Claudia Silva Ferreira. Foto: Jornal Extra.

Uma polícia que atira sem quê nem porquê, que, ao ser interpelada sobre a brutalidade de arrastar uma mulher pendurada no carro, responde: “ela já estava morta”; perdeu sua legitimidade há muito tempo.

Essa também é a mesma polícia que debocha e produz factóides para justificar seus atos, como afirmar que Claudia estava em posse de quatro armas, quando todos afirmam que ela tinha ido comprar pão.

No mesmo fim de semana, também no Rio de Janeiro, um vídeo mostra um policial militar arrastando uma jovem pelos cabelos na Cidade de Deus. Nessa mesma operação, a gari Vânia Ferreira da Silva Corrêa, de 42 anos, foi baleada no quadril esquerdo quando estava na porta da sala de casa. Assim como Claudia, todas mulheres negras, moradoras de bairros pobres.

Quando o menino João Hélio foi arrastado e morto por criminosos, a comoção social gerada era de ensurdecer. Anos depois, dedicaram a ele o projeto do novo Código Penal — alvo de muitas críticas pela expressão do punitivismo e da indignação seletiva que viraram quase regra sobre o tema no país.

Quem vai gritar por Claudia? Quem vai saber seu nome além dos familiares e das pessoas de sua comunidade? Quem vai se insurgir contra os criminosos fardados, agentes do estado? Quem pedirá a responsabilização desses agentes? Por que o barulho diante dessa brutalidade perpetrada por agentes públicos é tão menor?

Por quanto tempo mais serão justificadas violências como essa, com falas como “o estado tem o monopólio da violência”, “o tráfico faz pior”, “temos uma guerra”? Quem ainda não consegue ver a responsabilidade do Estado e da Polícia na criação, fomento e manutenção dessa “guerra”?

A Polícia Militar do Rio de Janeiro divulgou, na tarde de segunda-feira, os nomes dos três policiais militares do 9º BPM (Rocha Miranda) que estão presos em flagrante. Eles prestaram depoimento e foram encaminhados para o presídio Bangu 8. Também serão desligados do 9º BPM (Rocha Miranda). Uma perícia feita na viatura em que o corpo de Claudia ficou preso e foi arrastado, constatou que a tranca da mala do veículo não estava com defeito.

Aqueles que argumentam usando as cartas da segurança pública e da política criminal deveriam se envergonhar de jogar a cartilha da lei e da ordem contra as garantias constitucionais.

Aqueles que argumentam dizendo que a crítica enfraquece a esquerda e dá elementos para a crítica da direita não perceberam que, nessa matéria, direita e esquerda tem tido historicamente as mesmas respostas repressoras e policialescas quando o assunto é segurança pública.

Os que rebatem a crítica perguntando o que colocaremos no lugar da Polícia Militar, deveriam começar desnaturalizando a militarização como essencial para a segurança e olhar para experiências que funcionam independente desse critério.

Vi tanta gente gritar por Santiago Andrade — o cinegrafista morto em uma manifestação. Queria vê-los gritar por Claudia Silva Ferreira. Mulher negra, 38 anos, auxiliar de limpeza num hospital, mãe de 4 crianças que ficaram orfãs, que cuidava de outros 4 sobrinhos para a irmã ou cunhada poderem trabalhar. Queria saber porque seu corpo vale menos ou porque poucos sabem seu nome.

—–

Por Niara de Oliveira no Facebook:

Ao se referirem à negra faxineira de 38 anos e mãe de quatro filhos assassinada pela PMERJ e arrastada por três bandidos numa viatura policial pela Intendente Magalhães na manhã desse domingo em Madureira, Zona Norte do Rio de Janeiro, usem o seu nome: CLÁUDIA SILVA FERREIRA. Não lhe neguem sua história, sua identidade, sua memória, como está fazendo/fará a grande imprensa (e agiu diferente no caso do menino João Hélio). Lembremos sempre de sua história através de seu nome. E sempre que virem algum veículo da imprensa se referindo à Cláudia como “a mulher arrastada”, chamem a atenção e peçam a correção. Fiz isso hoje no twitter com a EBC na Rede e funcionou.

Por Silvia Badim no Facebook:

E andam ressaltando pelas notícias internet afora que Cláudia era mãe de 4 filhos, casada, e cuidava de mais 4 sobrinhos. Uma mulher de “respeito”. Uma mulher “correta”. Preocupa-me esse argumento porque não importa se Cláudia era mãe, auxiliar de enfermagem, prostituta, traficante, dona de loja, se tinha ou não filhos, se dava pra todo mundo, dançava até o chão no baile funk ou era casada. Cláudia era um ser humano que merecia respeito. Não porque era casada ou tinha filhos. Mas porque era uma cidadã deste país, que deveria zelar pela sua integridade e dignidade.

Por Camila Pavanelli de Lorenzi no Facebook:

Mais cedo eu disse: devemos sempre pressupor que declarações da PM são, pura e simplesmente, MENTIRAS. Mas isso não quer dizer, naturalmente, que todas as declarações da PM sejam efetivamente (ou necessariamente) mentiras. Este é apenas um pressuposto do qual devemos partir. Uma vez estabelecido tal pressuposto, há que se analisar caso a caso. Vejamos, então, o que disse a PM sobre Claudia Ferreira, de acordo com o relato do irmão dela:

- “Depois disseram na delegacia que estava com quatro armas, mas isso é mentira. Ela só estava com um copo de café na mão e seis reais para comprar pão.”

Repetindo: a PM disse que Claudia tinha quatro armas. Dizer que Claudia tinha quatro armas é uma mentira? Não exatamente. Mentira, penso eu, seria dizer que Claudia tinha UMA arma. Mas dizer: “Claudia tinha quatro armas”. Responda rápido: você já viu alguma pessoa portando quatro armas? Ao mesmo tempo? Não precisa ter sido pessoalmente. Também não precisa ter sido num documentário. Pode ter sido num filme de ficção. Você já viu? Alguém? Quatro armas? Duas em cada mão?

Agora imagine que sua irmã, uma mulher de 38 anos, faxineira, foi assassinada ao sair de casa para comprar pão. Aí te dizem que ela – não um agente altamente treinado da CIA, mas a sua irmã – estava portando quatro armas na ocasião. Isso, bem, isso já não é mais uma mentira – uma historinha plausível na qual se possa acreditar. Isso é de um DEBOCHE e de uma CRUELDADE que só encontram páreo nas cenas de Claudia sendo torturada.

A mentira é o pressuposto do qual devemos partir ao ouvir qualquer declaração da PM. Mas nem sempre esse pressuposto se confirma. No caso de Claudia e suas quatro armas, não se estava tentando mentir para acobertar o crime (afinal, quem seria capaz de acreditar nesta versão?). Afirmar que Claudia tinha quatro armas é nada menos que estender a tortura aos seus familiares.

Vídeo – Matéria do Jornal A Nova Democracia

+ Textos sobre o assunto:

[+] Dos extermínios por Silvia Badim.

[+] Quando a palavra seca por Cidinha da Silva.

Bibliografia indicada:

- Legalidade Libertária de Luiz Eduardo Soares. Editora Lumen Juris.

- A Política Criminal de Drogas no Brasil de Salo de Carvalho. Editora Saraiva.

- Difíceis Ganhos Fáceis – Drogas e Juventude Pobre no Rio de Janeiro de Vera Malaguti Batista. Editora Revan.

- A Face Oculta da Droga de Rosa Del Omo. Editora Revan.

- Depois do Grande Encarceramento. Organização de Vera Malaguti Batista e Pedro Vieira. Editora Revan.

Compartilhe!Share on Facebook7,867Tweet about this on Twitter68Share on Google+19Pin on Pinterest0Share on TumblrEmail this to someone

Camilla de Magalhães Gomes

Professora, advogada, criminóloga wannabe e feminista. Genótipo + Fenótipo + Teimosia. Sonhando com uma vida mambembe, mais vadia e mais livre. "La frente muy alta, la lengua muy larga y la falda muy corta"

More Posts - Twitter

Sobre: Camilla de Magalhães Gomes

Professora, advogada, criminóloga wannabe e feminista. Genótipo + Fenótipo + Teimosia. Sonhando com uma vida mambembe, mais vadia e mais livre. "La frente muy alta, la lengua muy larga y la falda muy corta"

16 Comentários para: “Claudia Silva Ferreira, 38 anos, auxiliar de limpeza, morta arrastada por carro da PM

  1. Obrigada por usar seu conhecimento e sua habilidade para discorrer sobre esse tema. Acordei sufocada com isso, não podemos tolerar mais isso.

  2. Camilla, eu queria simplesmente ignorar seu texto, para fingir que toda a história da Sra. Claudia é mentira, de tão grotesca que é. Infelizmente, é tão real, e seu texto é mais real ainda, ao desvelar todas as seletividades do próprio “sentimento nacional de indignação”. Como de praxe, eu quem agradeço pelo texto, pela sua voz, pela sua luta! Tanto que repostei no meu FB e te marquei nele.

  3. “foi socorrida”????? socorro é prestado jogando as pessoas no porta-malas? ah, façam-me o favor e chamem isso pelo nome correto: execução.

    (indignada estou – com os que ficam em silêncio diante de algo assim, principalmente)

  4. Parabéns pelas belas palavras. Nao se trata, simplesmente, de um texto, mas sim, de uma exteriorização do real sentimento daqueles que ja se sentem enojados com tremendo abuso de poder e crueldade.

  5. E não vejo diferença na morte dela, do cinegrafista, da tortura no poste do menor infrator no flamengo, no estupro dentro de um trem de metro, no rei do passinho que foi assasinado e foi enterrado como indigente, se não me engano, na mulher que teve a filha morta pelo ex namorado daquela, mesmo ele ter sido indiciado 20 vezes por violência doméstica, e tantos outros crimes que ocorrem e que embora alguns pensem que isto ´e apenas uma violência cotidiana produto da corrupção… Eu acho que é muito pior, e mais tudo isso não terá uma consequência jurídica satisfatória, e todos sabem o porque.. O CODIGO PENAL E DE PROCESSO PENAL NAO FOI REFORMADO.. Este é mais um engano, um tropeço, um desrespeito, um deboche do governo com a sociedade de bem.. E que tem como cúmplice os que vivem na mordomia e que não precisam morar em favelas ou pegar o metrô lotado a ponto de ser estuprado dentro deste. Tem que protestar não é pela copa, ´´pela reforma tributaria e penal , pois através da lei e claro de uma mudança ética gigantesca que poderemos mudar este País!

    Que tristeza!
    Embora eu viva fora e conviva com outro tipo de mentalidade eu luto pelos cidadãos brasileiros a minha maneira mesmo actuando fora do Brasil! Patria Amada salve – salve – se :(

  6. Já passou a hora de desmilitarizarmos a Polícia. Militar é preparado para guerra não para lidar com o cidadão. Entra governo sai governo e sempre fazemos vista grossa para este fato.

  7. Isto foi uma calamidade, foi um trágico acontecimento. Um Policial tem a prioridade e obrigação de proteger a vida humana, ou seja, em uma ocorrência grave onde hajam feridos, o primeiro passo é socorrê-los. Bom, existem meios de socorrer estes feridos, e o mais sensato seria acionar no local uma equipe de resgate ou uma ambulância. Acredito que, no local, esta senhora estava baleada e populares pressionavam os Policiais para fazer o socorro imediato e se eles fossem acionar outros meios, no mínimo, demoraria 30 minutos para uma ambulância aparecer no local, e isto colocaria em risco a vida da vítima, pois nestes casos o tempo é precioso, sem contar com a revolta da população sobre os Policiais que deixariam a mulher agonizando no chão esperando resgate médico, então usaram, o que chamamos na PM dos “meios de fortuna”, ou seja, resolveram socorrer na própria viatura, que não foi feita para isso. Se conseguissem socorrê-la e ela estivesse viva, o caso estaria encerrado, não apareceria na mídia, sem elogios, e estariam apenas “fazendo sua obrigação” mas não, para preservarem aquela vida e principalmente, não sejamos hipócritas, para preservar seu próprio bem estar, tomaram esta atitude infeliz de socorrer aquela senhora em sua própria viatura. Não acredito que tenham aberto de propósito a porta do porta-malas traseiro, tenham amarrado a senhora com uma tira de suas vestes e a tenham arrastado por vários metros (até 999 ainda não é quilômetro), em plena manhã de domingo, na frente de dezenas ou centenas de testemunhas apenas por serem sádicos ou maus. Seria muita burrice, assassinar uma pessoa na frente de centenas de pessoas. Acho que aconteceu que a porta foi aberta por acidente, e aquela mulher que, provavelmente já desfalecida ou muito debilitada pelos ferimentos, não conseguiu alertar os PM, se segurar e tivemos este resultado. Os Policiais erraram SIM, e muito. 1- Se correram o risco em socorrer uma pessoa na viatura com grave risco de morte, pelo menos um dos Policiais deveria ir junto no compartimento de pesos, ou até mesmo um familiar ou amigo da vítima, junto com o socorrido, pois todos os PM têm noções de primeiros socorros. 2- Se não colocassem nenhum PM ou pessoa qualquer junto à vítima, um dos Policiais que estaria no banco de trás da viatura (diz-se 3° ou 4° homem) deveria estar atento com o que acontece com os presos ou no caso, com a vítima que se encontrava no compartimento. O 3° ou 4° homem estava totalmente desatento. 3- O porta malas deve sempre estar trancado, seja com vítima, preso ou vazio. Pelo menos isto é uma regra aqui na PMESP. Então, no mínimo, os Policiais responderão por homicídio CULPOSO, ou seja, não houve a intenção de matar e ficarão presos e expulsos da PM, e com razão, pois foram negligentes, imperitos e também imprudentes, isto não há dúvidas… Talvez pela pressão e pelo afã de socorrer rapidamente uma vítima inocente, mas isto não justifica seus inúmeros erros que cometeram. Talvez sejam ótimos POLICIAIS, mas foram péssimos na função de SOCORRISTAS. Ponto. Agora: Dizer que isso acontece sempre em toda a polícia, que TODOS os Policiais são iguais, que todos são despreparados, que são violentos… Desculpem, isso é generalizar. Fui Policial por trinta anos e com muito ORGULHO, o porta malas da minha viatura já abriu uma vez em uma Avenida movimentada em minha cidade e nossos pertences foram arrastados por vários quarteirões, e nem percebemos, mas foram pertences, e não pessoas. A maior parte dos Policiais são pessoas como todas as outras pessoas do mudo, que erram sim, e que são punidos quando erram. Por favor não generalizem. Minhas condolências à família desta pobre senhora.

    • Bom, os policiais já estão soltos. Isso diz muita coisa.
      E outra; uma mulher cai do porta malas, fica pendurada, é arrastada 250 m (não precisa ensinar medidas de quilometragem pra gente, obrigada) e os bonitos não perceberam NADA? Tinha gente na rua avisando! Tinha gente gritando pedindo pra eles parar o carro! E eles não pararam… então nada de defesa emocional porque você foi pm por sei lá quantos anos. Nos poupe disso, pelo amor de deus.

  8. Pingback: Claudia Ferreira da Silva: morta em ação policial, tornada invisível pela mídia · Global Voices em Português

  9. Pingback: Art to inspire in the face of injustice: Claudia Silva Ferreira

  10. “A vítima de hoje foi uma mulher negra e pobre, moradora de uma favela situada em um bairro de classe média baixa do Rio de Janeiro. Cláudia, 38 anos, trabalhadora, mãe de quatro filhos, criava quatro sobrinhos. Mais uma vítima da ação bárbara da PMERJ. A voz das ruas diz que “a polícia mata pobre todo dia”. Quantos outros casos como o dela não ganharam voz na grande mídia? E qual voz o caso Cláudia ganhará? Sua morte é mais um exemplo de que a desmilitarização da polícia é uma questão urgente. Não queremos mais exemplos. Queremos o fim da Polícia Militar.”

    http://pt.globalvoicesonline.org/2014/03/24/claudia-ferreira-da-silva-morta-em-acao-policial-tornada-invisivel-pela-midia/

  11. Pingback: The ‘Woman Who Was Dragged’ and Killed by Brazil’s Military Police · Global Voices