Jornalismo sexista feito por e para mulheres

Texto de Cecilia Santos.

Meu post de hoje trata de duas reportagens publicadas na edição de 09 de janeiro de 2011 no caderno Feminino do Estadão.

Não pretendo discutir o fato de que a mera existência de um caderno para mulheres dá a impressão de que toda a parte séria do jornal só interessa aos homens. Mas, uma vez que ele existe, creio que já seria vantagem se as jornalistas conseguissem evitar a fórmula manjadíssima e desnecessária de tratamento diferenciado dado às mulheres.

As duas matérias que pretendo comentar aqui, ambas produzidas por mulheres, são sobre uma tenente do corpo de bombeiros (da jornalista Cristiana Vieira) e a segunda (produzida por Ciça Vallerio), sobre mulheres cachaçólogas e cachacistas (para quem não sabe, a reportagem explica que designam o profissional e o amante da cachaça, respectivamente).

As matérias têm o mérito de mostrar mulheres que conseguiram ser bem-sucedidas em áreas predominantemente masculinas. Mas os textos não conseguem abrir mão de elementos sobre estética e casamento/maternidade que, além de dispensáveis no contexto, certamente  não seriam usados se os entrevistados fossem homens.

Minha dúvida é: de onde essas jornalistas inferem que a mulher que lê esses textos precisa dessas referências? Será que o manual de redação do jornal recomenda o uso desses elementos sexistas? É algo que se ensina nos cursos de jornalismo?

Eis o início da matéria sobre a tenente do corpo de bombeiros:

“São 7h30 de um dia ensolarado quando uma bela mulher se aproxima. Loira, de cabelos longos e lisos, olhos claros, unhas vermelhas, maquiagem discreta. Se não fosse pela farda, que impõe respeito a qualquer um, poderia ser a descrição de uma novata no mundo das celebridades. [esta última frase não é muito inteligente] Mas é a jovem tenente Karoline Burunsizian Fernandes, de 27 anos, que se prepara para dar o comando…”

“Estirou-se junto [com os comandados] e concluiu os exercícios, como se estivesse retocando a maquiagem.”

Eu me pergunto se as jornalistas estão sempre retocando a maquiagem ou lixando as unhas entre uma e outra tarefa, tal é a obsessão com cuidados estéticos na linguagem jornalística quando o tema é a mulher em posições de poder. Ou será preciso reforçar que são aceitas (ou toleradas) nessas posições desde que não percam a feminilidade? E quais são os parâmetros de feminilidade? Usar maquiagem?

O texto sobre as cachaçólogas cita 5 ou 6 mulheres, e eu notei que as mais jovens recebem mais adjetivos que as mais velhas. Também há citações sobre as casadas e mães. Quer dizer, tentem mudar as personagens para homens e imaginem se essas referências estariam ali:

“Jovem e bonita, num universo predominantemente masculino, ela precisa mostrar firmeza no trato com importadores…”  [Sobre Carolina Steagall Harley Tomaso, 30 anos]

“Formada em Administração de Empresas, a bela morena cuida do negócio de seu marido…”  [Sobre Viviane Luppo, 35 anos]

Nas referências às mulheres mais velhas, as jornalistas sinalizam as que são casadas e mães mas omitem informações sobre maternidade e estado civil de outras. Penso: essas últimas seriam solteiras sem filhos? Sabemos, com base na teoria da Análise do Discurso, que o que se omite em um texto é tão ou mais significativo do que o que se diz.

“Uma das mulheres mais atuantes nesse ramo é Raquel Salgado, de 55 anos, presidente executiva da Associação…”

“Nessa luta, Raquel é amiga e parceira da Pernambucana Vitória Cavalcanti, de 56 anos, casada há 33 e mãe de uma psicóloga. Ela é a toda-poderosa da Pitú…”

Mais duas mulheres são citadas no texto: Carla Adam, de 39 anos, e Katia Espírito Santo, de 55. Num dado ponto do texto, sem ligação com o contexto, aparece a informação de que a segunda é “casada e mãe de três filhos adultos”.

Penso se é realmente necessário sabermos se a profissional de sucesso tem ou não marido e filhos. Será que a omissão do estado civil de algumas mulheres é uma tentativa de evitar reforçar o estereótipo de que mulheres que se dedicam aos negócios não se casam? Se sim, não teria o efeito contrário?

Todas nós já constatamos que esse padrão é recorrente no jornalismo. Eu não estou propondo um repetitivo exercício de indignação, mas uma discussão sobre ações concretas. O que nós, como consumidoras críticas, temos feito ou podemos fazer para comunicar a essas jornalistas e seus empregadores que não é isso que queremos ler? Será que as próprias jornalistas, em seu próprio exercício profissional, sentem a necessidade de reforçar esses estereótipos de feminilidade como aparato da competência profissional?