Carta para Gina Weasley

Texto de Paula Carvalho.

Em novembro do ano passado o Feministig publicou uma carta de amor para a personagem Gina Weasley da série Harry Potter. Tinha me esquecido dela, até que algumas semanas atrás, fiz um teste e me vi decepcionada ao ser comparada com a personagem (sei que é só uma brincadeira). Mas depois fiquei pensando e vi que eu estava confundindo filme com livro e, que a minha decepção vinha mais da forma com que a personagem foi retratada no cinema do que com a Gina Weasley original, o que me fez lembrar da carta.

Gina Weasley, vivida pela atriz Bonnie Wright nos filmes da série Harry Potter.

Gina Weasley é forte, corajosa, excelente atleta, extrovertida, sexualmente liberada e não sente vergonha de seus desejos. Em outras palavras, ela é o exemplo perfeito para as adolescentes que cresceram com a série e puderam ver que o papel da personagem feminina não é apenas fazer par romântico com o herói.

Sou uma fã irremediável da série Harry Potter. Seus livros foram responsáveis por trazer de volta meu gosto pela leitura e marcou boa parte da minha adolescência. Mas esse amor vem misturado com algumas doses de ódio. Adoro a forma com a série traz personagens femininas tão fortes. Até mesmo as mais odiadas, como Belatriz e Rita Skeeter se sobressaem. E, embora tenha o mesmo imaginário de sempre: herói salvador, amigo idiota e garota inteligente; o livro mostra que nem sempre é o Harry Potter quem está com a razão. Quem aqui não perdeu a paciência com o menino-aborrecente-que-sobreviveu do quinto livro? E é ótimo que a principal personagem feminina não esteja lá para ficar com ele no final.

Infelizmente, a série não deixa de passar certos estereótipos de gênero, como o amor incondicional de mãe ou o fato do herói-salvador-da-pátria ser um homem. Não estou dizendo que J.K. Rowling é machista por ter escolhido um homem para seu personagem principal, mas eu gostaria de saber por que ela fez essa escolha. Principalmente se pensarmos que ela é uma mulher independente, que cresceu com o próprio esforço e que começou a escrever a série quando passava por fortes problemas financeiros e com uma filha pequena para criar sozinha. Mas daí eu me pergunto. Teria a série feito o mesmo sucesso se ela se chamasse, sei lá, Harriet Potter?

Não consigo lembrar de muitas obras de aventura que tenham mulheres como heroínas. De cabeça só me vem a mente Nancy Drew e, mesmo assim, ela não chega aos pés de Harry Potter no quesito fama.

Tem outro aspecto que me incomoda bastante na série, mas isso diz mais sobre a sociedade inglesa (e americana e de vários outros países que se dizem avançados) do que do livro em si. É essa mania dos personagens terem somente o sobrenome do pai e, das mulheres não somente adotarem o do marido, como abandonarem o delas quando se casam. Ca-ra-lho que ainda hoje esse tipo de coisa acontece? Nem a Tonks, que em minha opinião é a personagem mais feminista do livro, escapou dessa.

Aliás, tivesse tido maior visibilidade na série, a Tonks seria um modelo tão forte quanto a Gina. Esperta, independente, extrovertida, estabanada, sem papas na língua e em uma profissão majoritariamente masculina. Fico triste de saber que uma personagem tão rica não foi tão bem explorada quanto poderia. E tenho algumas críticas em relação a como ela foi retratada. Me incomoda bastante que ela tenha passado um ano inteiro em depressão porque o cara que ela gostava não queria ficar com ela, ou que ela tenha resolvido ter um filho no meio de uma guerra (e deu no que deu), ou que ela tenha aceitado de volta o cara que a abandonou grávida.

Mas, ao mesmo tempo, não posso deixar de achar ótimo que, em uma sociedade que preza tanto a passividade feminina, ela não tenha tido vergonha de expressar seus sentimentos e de lutar pelo que queria. E de não ter ficado em casa cuidando do filho enquanto o marido ia lutar na guerra (principalmente se formos pensar que a profissional em lidar com bruxos das trevas era ela e, que ele sim tinha uma doença que o deixava debilitado).

Ok, estou me sentindo extremamente fútil falando sobre personagens de um livro como se fossem pessoas reais. Mas, é porque eu realmente acredito que eles podem ter uma grande influência na nossas vidas, principalmente no caso de séries como Harry Potter, destinado a pessoas com a mente ainda em formação.

E vocês, o que acham das personagens da saga? Gina e Tonks são realmente feministas ou eu estou viajando? Quais personagens vocês mais gostam? E quais personagens de outros livros marcaram as suas vidas?