Desafios da Comunicação na Atualidade

Texto de Carine Roos.

Quando refletimos sobre os desafios da comunicação na atualidade, não há como não sermos redundantes se pensarmos que o principal desafio hoje é informar a população de forma responsável – premissa basilar do jornalismo. Sabemos que toda e qualquer empresa, especialmente a jornalística, visa lucro, são partidárias, apresentam uma linha editorial definida e que tudo isso será levado em conta na publicação de um texto. Não entramos nem no mérito da imparcialidade, porque nem um texto esgotaria esse debate na tentativa de buscar ao máximo a ideia de “isenção jornalística”.

Da esquerda para direita: Luana Diana, Cynthia Semiramis e Erika Pretes comandam o debate sobre Direitos Humanos no Encontro de Blogueiros Progressistas de Minas Gerais. Foto de Michael Vieira Rosa, no Flickr.

Mas o fato é que nem o feijão com o arroz as empresas de comunicação têm feito, nos referimos ao básico, tentar ouvir todas as fontes envolvidas e opiniões diferentes, fazer uma boa pesquisa exploratória sobre o tema, divulgar dados estatísticos para enriquecer a matéria, enfim, trazer uma composição diversa de elementos para que o cidadão forme a sua própria opinião.

Nós, Blogueiras Feministas, estamos cientes de toda essa problemática na comunicação, entretanto, não estamos resignadas com essa situação. Acreditamos que o debate como um todo sobre a regulação da comunicação e a consequente pulverização da verba publicitária governamental para veículos menores deva ser conjunto com a necessidade de colocar na agenda pública a visibilização de opressões vivenciadas por minorias, restabelecer a discussão sobre a legalização do aborto, que a entendemos como questão de saúde pública, a colocação em pauta midiática sobre o PLC 122, a ampla garantia de união civil homossexual.

Compreendemos que a democratização da comunicação vai além da regulação de gigantes, mas sobretudo, perpassa o papel da mídia como instrumento de pressão política que garante direitos sociais para a população, que na atuação em conjunto com a sociedade civil deve influenciar decisões governamentais e o processo legislativo. Para tal, sabemos que a Internet não deve ser o único meio de expressão daqueles que possuem capital “tecnológico-informacional”, as empresas de comunicação devem refletir e garantir os anseios de cidadãos, especialmente daqueles grupos que não possuem voz.

Colocamos em xeque o modelo atual de comunicação que exclui, subjulga e reforça a violência contra mulheres, negros, indígenas, gays, lésbicas, transexuais, acreditamos que o debate deva ser além do marco regulatório e da implantação do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), o desafio aponta para uma completa transformação dos media em contato direto com a reivindicação de cidadãos e a sociedade civil, numa relação plural, aberta e de respeito. Queremos ser reconhecidas e representadas por aquilo que somos, simples assim.

O Coletivo Blogueiras Feministas participará do II Encontro de Blogueiros Progressistas. De terça a quinta publicaremos posts sobre democratização da comunicação lançando um olhar feminista sobre a questão.

[+] Atentado à liberdade das Mulheres no México – Agência Patricia Galvão

[+] Reações a Democratização da Informação por Mario Augusto Jakobskind

[+] Rede de Mulheres no Rádio no Mulheres de Segunda

Autora

Carine Roos é Jornalista, blogueira, ativista open-source, pesquisadora em novas mídias, estuda sociologia, vidrada em ficção científica e ama conhecer novas cafeterias. Escreve no blog Androidella.