Mulher brasileira e preconceito – parte 1

Texto de Maíra Avelar.

Eu tô azeda com um episódio de racismo que vivi recentemente na Europa. Resumindo bem a situação, estou namorando com um europeu (loiro dos zôio azul) e fui considerada (pelas costas, é claro), como uma aproveitadora, que está com ele para obter cidadania.

Bom, passei da fase 1 (sangue nos zóio + provar que não é verdade) para a fase 2 (tentar digerir e racionalizar o assunto). Pois bem, em plena era tecnológica, resolvi dar uma googlada em “mulheres brasileiras visto”, e eis que me deparo com a capa da revista Focus, com uma bunda e a chamada: “Os segredos da mulher brasileira”. Dispensável comentar o teor da capa, certo ?

Resolvi correr atrás da reportagem e, por incrível que pareça, ela é bem menos infame do que a capa. Em geral, traz depoimentos de casais luso-brasileiros (mulher brasileira e homem português) e também relata alguns estudos feitos por acadêmicos sobre a questão da imagem da mulher brasileira construída pelos europeus e pelas europeias. Como sou chata, resolvi deixar a parte dos depoimentos fofinhos de casais apaixonados de lado e me concentrar na questão dos estereótipos construídos sobre nós, mulheres brasileiras, aqui na gringolândia. Vale dizer que os estereótipos que vou analisar aqui partem de reflexões minhas sobre a leitura da reportagem, ou seja, advêm de um contexto específico, sem a pretensão de generalizar isso universalmente, ok ?

1. O primeiro estereótipo é aquele que tá todo mundo careca de saber: a imagem da mulher brasileira é uma imagem sexualizada. Traduzindo em bom português : “Mulher brasileira é tudo puta!”. É interessante a gente parar e se perguntar: Por quê que é assim? O que nos leva a respostas de origem histórica:

A questão da raça (sic) está inextrincavelmente ligada à questão da sexualização da mulher brasileira : a imagem englobante, por assim dizer, é a imagem da mulata, indicando as fortes relações entre as hierarquias sociais,  os estereótipos de sexualidade alterada e o passado colonial. O Brasil, sempre no lugar do mestiço, acaba sendo ele todo transformado no corpo feminine da mulata: como tal, é sexualizado. (Igor Machado, USP, p. 122)

Trocando em miúdos, a imagem sexualizada da mulher brasileira vem do período colonial. Mas aí rola o questionamento (racista, claro): “Pô, mas você é tão branquinha!” Como pode ser associada a uma mulata/ escrava/mucama? Bom, o que acontece, na contemporaneidade, é que tal imagem é reforçada, por exemplo, pelas novelas e também pela indústria do turismo, responsável por difundir estereótipos brasileiros mundo afora. O que inclui, naturalmente, o carnaval e todas as mulheres com pouca ou nenhuma roupa relacionadas a ele: “muitas pessoas pensam que a liberdade do sambódromo se extende à vida cotidiana” . (Ana Letícia Barreto, Universidade de Évora, p. 125).

Daí não importa se sou branca, preta, amarela, azul ou verde. SE sou brasileira, ENTÃO ando com pouca roupa; LOGO, sou libertina. Qualquer associação com a contemporânea imagem das ‘piriguetes’, que nós mesmas fazemos no Brasil, não é mera coincidência. Aplique esse estereótipo indistintamente e pronto: a fórmula “brasileira é tudo puta” tá aí, prontinha para uso da parcela desinformada da comunidade europeia.

Ou seja, o preconceito que temos contra uma parcela das mulheres da nossa população, a parcela desinformada da comunidade europeia tem contra todas. Adicione uma boa pitada de xenofobia secular e você tem a fórmula completa, que inclui a questão da ‘mulher aproveitadora’, que vem no combo do estereótipo da piriguete, certo? Repare como a coisa é recursiva!

Sou uma mulher brasileira, ENTÃO ando com pouca roupa; LOGO sou libertina; LOGO sou aproveitadora; LOGO quero subir na vida fácil; LOGO quero me casar com um europeu, PORQUE posso obter um passaporte de capa vermelha. O imaginário da pouca roupa não desaparece mesmo que usemos 500 roupas de frio, entende?

Isso nos leva à fórmula silogística mais simples: sou uma mulher brasileira, LOGO quero um passaporte europeu. Ou, como toda fórmula recursiva, pode se estender ad infimitum, neste caso, dependendo das cores que se dá ao contexto. Por exemplo:

Sou uma mulher brasileira, ENTÃO ando com pouca roupa; LOGO sou libertina; LOGO sou aproveitadora; LOGO quero subir na vida fácil; LOGO quero me casar com um europeu; LOGO quero engravidar de um europeu PORQUE posso obter um passaporte de capa vermelha e obter uma pensão em euros para sempre, amém.

No fim, todos os caminhos levam ao inevitável estereótipo relatado em quatro palavras: “Mulher brasileira é tudo puta!” Não é incrível?

[+] Mulher brasileira e preconceito – parte 2

[+] Como manter um homem loucamente apaixonado