A Semana: 02/08 – 08/08

  • Para 70% da população, a mulher sofre mais violência dentro de casa do que em espaços públicos no Brasil.

No mês em que a Lei Maria da Penha completa sete anos de vigência, uma pesquisa de opinião inédita, realizada pelo Data Popular e Instituto Patrícia Galvão, revelou significativa preocupação da sociedade com a violência doméstica e os assassinatos de mulheres pelos parceiros ou ex-parceiros no Brasil.

Além de 7 em cada 10 entrevistados considerar que as brasileiras sofrem mais violência dentro de casa do que em espaços públicos, metade avalia ainda que as mulheres se sentem de fato mais inseguras dentro da própria casa. Os dados revelam que o problema está presente no cotidiano da maior parte dos brasileiros: entre os entrevistados, de ambos os sexos e todas as classes sociais, 54% conhecem uma mulher que já foi agredida por um parceiro e 56% conhecem um homem que já agrediu uma parceira. E 69% afirmaram acreditar que a violência contra a mulher não ocorre apenas em famílias pobres.

[+] Para 70% da população, a mulher sofre mais violência dentro de casa do que em espaços públicos no Brasil.

[+] Pesquisa mostra mudança na percepção sobre violência contra mulher.

[+] Repercussão da pesquisa “Percepções sobre a violência e assassinatos de mulheres”.

  • A sanção do PLC 03/2013 e as ameaças aos direitos das vítimas de violência sexual.

Apesar de agora ter força de lei, a oferta de pílula do dia seguinte a vítimas de estupro oferecida por hospitais da rede do Sistema Único de Saúde (SUS) pode ser recusada pelos médicos que atuam nas santas casas de misericórdia, instituições médicas ligadas à Igreja Católica, contrária ao método contraceptivo. Somadas aos hospitais filantrópicos, as santas casas atendem 51% das internações no SUS, segundo o Ministério da Saúde.

[+] Santas casas poderão recusar aplicação de pílula do dia seguinte.

[+] A lei, as vítimas e os objetores de consciência por Renata Lins no Biscate Social Club.

  • Racismo e transfobia: montagem compara vereadora negra e travesti de Piracicaba a chimpanzé.

Primeira travesti eleita para a Câmara de Piracicaba (SP), a vereadora Madalena (PSDB), de 57 anos, foi alvo de uma ação preconceituosa na internet. A parlamentar, que é negra, descobriu a veiculação de uma fotomontagem em que é comparada a um macaco e registrou boletim de ocorrência por injúria.

[+] Montagem compara vereadora negra e travesti de Piracicaba a chimpanzé.

[+] Vereadora transexual negra ameaçada de morte após vencer eleições na cidade por Maria Frô.

  • 09/08 – Dia Internacional dos Povos Indígenas.

​Ainda que os povos indígenas estejam presentes em quase todos os Estados brasileiros, é possível morar no Brasil e nunca ter encontrado um índio. De acordo com informações do Censo 2010, cerca de 0,4% da população brasileira é formada por índios, um total de 800 mil vivendo no País.

Segundo a Fundação Nacional do Índio (Funai), existem 225 povos indígenas, além de referências de 70 tribos vivendo em locais isolados e que ainda não foram contatadas. Um dos maiores povos indígenas existentes no Brasil é o Guarani.

[+] Dia Internacional dos Povos Indígenas: conheça os índios do Brasil.

[+] Ban Ki-moon pede soluções para os povos indígenas.

[+] Mulheres indígenas – violência, opressão e resistência por Mayroses.

[+] A resistência dos Guarani-Kaiowá e de outros povos indígenas por Daiara Tukano.

  • Campanha e pesquisa ‘Chega de Fiu Fiu’.

O site Think Olga lançou a campanha ‘Chega de Fiu Fiu’ contra o assédio sexual em espaços públicos. Quando transformamos em coisa rotineira o fato da mulher não ter espaços privados – nem mesmo serem donas do seu próprio corpo -, incentivamos a violência. E isso NÃO é normal. Vamos reforçar nossa luta contra o assédio, afinal, temos o direito andar na rua sem medo de sermos intimidadas. Para isso, manteremos o debate sobre assédio sexual vivo e frequente.

O site publicará material contra a intimidação, como ilustrações, além de depoimentos enviados. Você pode ajudar a combater esse problema respondendo a pesquisa que pretende dar nome, tamanho e cara a esse comportamento.

[+] Campanha ‘Chega de Fiu Fiu’.

[+] Pesquisa ‘Chega de Fiu Fiu’.

[+] Cantadas: seu prazer, meu nojo! por Talita Rodrigues.

  • Projeto fotográfico ‘Necessidades Iguais’.

‘Necessidades Iguais’ é um projeto fotográfico da jornalista Maíra Kubik. Surge após relatos de episódios de intolerância em relação à utilização de banheiros públicos ou de estabelecimentos privados por pessoas trans*. A pergunta é: Por que separar banheiros se as necessidades são iguais?

[+] Tumblr: Necessidades Iguais.

[+] Por que separar banheiros se as necessidades são iguais? por Maíra Kubik.

  • Entrevistas

O Fluminense entrevista a professora de criminologia da Uerj, Vera Malaguti Batista, que fala sobre como reduzir a criminalidade entre os jovens e defende que a mera criação de novas unidades especializadas da polícia não resolve o problema.

Brasil de Fato entrevista Nadine Borges, integrante da Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro. Em sua avaliação, somente a investigação atenta dos fatos do passado e do presente pode evitar que ditaduras voltem a assombrar o país. Nesta entrevista, Nadine analisa a conduta da polícia nas recentes manifestações.

Fiocruz entrevista Eugenio Raúl Zaffaroni, ministro da Suprema Corte Argentina e professor titular e diretor do Departamento de Direito Penal e Criminologia na Universidade de Buenos Aires. Nesta entrevista ele fala sobre o direito penal na América Latina e como ele vem sendo usado para fazer uma ‘limpeza social’. Segundo Zaffaroni, a demanda da redução da maioridade penal e o combate às drogas seguem esta mesma linha de criminalização e exclusão do pobre.

  • Relato de violência

[+] O nojo do gozo que não participei – sobre estupro e outras formas de machismo por Hanna Thuin.

  • Lançamento de Revista Científica

Saiu a edição 14 da Revista ‘Sexualidad, Salud e Sociedad’ com textos em português, inglês e espanhol. Os dossië temático da edição é: medicalização, sexualidade e gênero.

[+] Aquarelas que mostram como as mulheres são plurais.

  • Eventos

[+] Rio de Janeiro, 10 de agosto: Encontro Estadual do FEM – Fórum Estadual de combate a Violência contra as Mulheres. Esse encontro esta sendo planejado como um espaço de socialização de informações e experiências no combate a violência contra as mulheres e construção de ações unificadas. Sendo uma atividade de auto-organização das mulheres.

[+] São Paulo, 25 a 31 de agosto: 9º Encontro Internacional da Marcha Mundial das Mulheres. O Encontro vai reunir ativistas feministas dos cinco continentes e de todas as regiões do Brasil. São esperadas 1600 mulheres para participar do Encontro, que acontece no Memorial da América Latina. Após uma intensa semana de debates, oficinas e atividades culturais, as mulheres realizam uma grande mobilização nas ruas da capital paulista, no dia 31 de agosto. Confira a programação do evento.