Carta de repúdio a suposta “brincadeira” no palco da Campus Party 2015

Reproduzimos em apoio a Carta de Repúdio ao blog ‘Não Salvo’ por uma ação no estilo ‘Teste de Fidelidade’ que aconteceu na Campus Party 2015, publicada pelo blog Colant Sem Decote.

O caso é mais um capítulo na falta de comprometimento e responsabilidade da organização do evento. Atualmente, as questões de gênero e a presença de mulheres no mundo da tecnologia vem sendo amplamente discutidas, mas prefere-se abrir espaço para produtores de conteúdo machistas e misóginos, porque sempre há fãs desse tipo de “piada”. O GamerGate está aí para mostrar como as mulheres tem sido excluídas e violentadas em ambientes tecnológicos.

Em paralelo, mas dentro do mesmo assunto, esses dias também foi divulgada a Carta Aberta das Mulheres RPGistas : Mulheres e o Machismo no RPG.

campus_party

Carta de repúdio ao Não Salvo e sua suposta “brincadeira” no palco da Campus Party

Passamos os últimos meses discutindo, analisando números e porcentagens, problematizando e procurando soluções para a desigualdade entre gêneros dentro do meio tecnológico e nerd. Empresas como Google criaram termos para se comprometerem a aumentar o tamanho da participação feminina em seus bancos de empregados, editoras de quadrinhos abrem cada vez mais espaço para criadoras e personagens femininas, o escândalo do GamerGate atingiu níveis de discussão que jamais poderia-se esperar e a visibilidade da discrepância de representação feminina nesses meios explodiu.

Fala-se mais disso hoje do que se falou nos últimos dez anos.
E ainda assim merdas acontecem.

A Campus Party, de acordo com seu próprio site “é o evento de Internet mais importante do mundo nas áreas de: Inovação, Criatividade, Ciência, Empreendedorismo e Entretenimento Digital”- e eu não duvido. Mas essas áreas ligadas à internet são um ambiente extremamente hostil e excludente quando se fala em mulheres.

Esse ano o site de humor Não Salvo, em uma palestra dentro do evento, resolveu fazer uma “brincadeira”: um rapaz passou o Skype de sua namorada para o dono do site, Cid, e este tentaria, ao vivo, dar em cima da namorada e ver o que acontecia. Teste de Fidelidade no melhor estilo João Kleber. A brincadeira terminou com a garota sendo exposta, o namorado dando fim ao relacionamento (também ao vivo) e a disseminação do Skype, canal de youtube e facebook dela para todos os presentes. Tudo isso resultou num hashtag de apoio ao namorado supostamente traído, no slutshaming da garota e na boa e velha disseminação de machismo num meio que realmente não precisa de mais misoginia.

Há muita controvérsia na internet se o caso foi armado ou se foi algo real. Na “melhor” das hipóteses foi tudo uma grande armação – mas isso não quer dizer que está tudo bem.

Basta ser mulher, ou ter empatia por elas, para saber o que é a hostilidade contra a presença feminina no universo científico/tecnológico e no universo nerd. Ao invés de rever os seus privilégios, analisar os comportamentos que são apontados como problemáticos e tentar mudar o seu modo de agir e trabalhar, o que ainda acontece são criadores e disseminadores de conteúdo escolhendo o caminho mais antigo, o caminho do machismo, e justificando seus atos como “humor”.

O GamerGate foi exatamente o que aconteceu no palco da Campus Party, mulheres tiveram seus dados expostos na internet para que sofressem ataques. Essas mulheres, todas presenças importantes no universo nerd, foram forçadas a deixar suas casas devido às ameaças de morte e estupro. Esse tipo de acontecimento ocorre todos os dias na internet, inclusive com mulheres anônimas, que não possuem qualquer tipo de popularidade na cultura pop. Ao decidir transformar o sofrimento dessas mulheres no punchline de uma piada de mau-gosto e, acima de tudo, pobre de conteúdo, o Não Salvo não apenas ajuda a dar continuidade ao ambiente hostil como também a incitar a violência contra a figura feminina.

Misoginia mata. E ao perpetuar estereótipos negativos e parabenizar ações violentas contra uma mulher, o site, e seu desenvolvedor, ajudam na manutenção de uma cultura de ódio que resulta não apenas na opressão e na exclusão das mulheres do meio científico/tecnológico e nerd, como também, em último caso – e como vemos todos os dias nos jornais – na morte de milhares de mulheres.

O que exigimos é que o site, e seu desenvolvedor, analisem o conteúdo de suas ações, o que elas representam para o meio e entendam que enquanto tantos trabalham para avançar a sociedade em que vivemos, seja ela online ou não, aumentando a participação feminina e alcançando um ambiente mais igualitário e acolhedor, comportamentos como o da “brincadeira” apenas nos mantém presos num passado retrógrado e violento.

A nossa luta é por igualdade, por sermos tratadas iguais, por não nos sentirmos ameaçadas, por convivermos em ambientes não hostis por recebermos o respeito com o qual já nascemos. Ações como a que aconteceu na palestra da Campus Party precisam ser vetadas, nós somos parte do público da feira, nós exigimos uma retratação tanto do site como da organização do evento.

Assinam esta carta:

Colant Sem Decote
Firehawk
O Lado Esquerdo da Força
Pac Mãe
Revista Capitolina
Canal Renata Alvetti
Nerdivinas
Um Servidor Por Vez
Tatuagens Geeks
Ansiedade Monstra
Espaço Geek das Minas
Livro dos Espelhos
Kisuki
Não aguento quando
As Aventuras da Bruxinha Mô
Marcha da Maconha Curitiba
Falando Sobre Saúde Mental
Androginia.com
Halo 4 Brasil
Control e-Sports
Libertação Metal
Feminista Depressiva
Dragon Age Brasil
Mass Effect Brasil
Coletivo Feminista Mani
Womansplaining
Casa de Pensamentos
Hall of Fame
Tome of Masa
Garotas Rosa Choque
O roubo da pitangueira
Nerd & Aleatório
Sherlock BBC Brasil
Página Feminina
Frita, a mina psicodélica
Momentum Saga
Coletivo Jandira
Crise nas Infinitas Comics
Blog do Arton
Casa de Pensamentos
Hall of Fame
Female Black Metal
Mundo Metal
Grupo de Estudos em Gênero e Games
Arte das Pretas
Beco das Minas
SimGAMES
Feministas Revolucionárias
Penhasco
Hipocrisia, a Rainha Absoluta
Empreendedorismo Rosal
Projeto Meu Nome É Zelda
WoWGirl
Catárticos
Tutoriais Photoshop
Coletiva Feminista Non Gratas
Coletivo Maria de Lutas
Física de Mentira